Últimas notícias
  • CoE insta “fortemente” as autoridades turcas a liberar Demirtaş O Comitê de Ministros do Conselho da Europa adotou na quinta-feira uma resolução provisória "instando fortemente" as autoridades turcas a assegurar a libertação imediata do líder curdo preso Selahattin Demirtaş....
  • A crise monetária da Turquia Após a demissão do ministro das finanças e sua substituição por um lealista em 2 de dezembro, a lira turca continuou seu declínio constante em relação ao dólar, elevando suas perdas do ano para quase 50%. A moeda turca está novamente sob ataque especulativo, semelhante aos episódios anteriores em julho de 2018 e outubro de 2020. Os cortes antecipados do Banco Central da República da Turquia (CBRT) na taxa de câmbio desde setembro resultaram em um êxodo de capital estrangeiro e em uma corrida na demanda por divisas entre os investidores domésticos. Enquanto isso, os preços globais de commodities e energia permanecem altos (apesar da recente queda nos preços do petróleo), e as expectativas em relação à inflação se deterioraram significativamente, levando a taxa de câmbio TL a cair de 8,30 para 13,60 para o dólar em menos de três meses....
  • Turquia aumentará sua presença na INTERPOL, diz membro recém-eleito do Comitê Executivo A Turquia aumentará sua presença na INTERPOL aumentando seu número de oficiais de ligação na Secretaria Geral e nomeando mais candidatos para cargos superiores dentro da organização, disse na quinta-feira Selçuk Sevgel, membro recém-eleito do Comitê Executivo da INTERPOL, em entrevista à agência estatal de notícias Anadolu, informou o Stockholm Center for Freedom....
  • Papa pede por cura em um Chipre dividido, arcebispo ortodoxo ataca a Turquia Papa encontra os líderes cristãos ortodoxos de Chipre. Pede por cura na ilha dividida. Líder cipriota turco convida papa a visitar o norte. Muitos dos participantes da missa são filipinos que trabalham no Chipre...
  • Ministro das finanças da Turquia, Lutfi Elvan, demite-se em meio à crise monetária O Ministro das Finanças e do Tesouro da Turquia, Lutfi Elvan, renunciou em meio a uma forte queda da lira turca, de acordo com um decreto presidencial emitido no jornal oficial turco na quinta-feira....
  • Documentário sobre femicídios na Turquia é a indicação ao Oscar do Reino Unido Um documentário relatando os esforços dos ativistas que trabalham para acabar com a violência contra as mulheres na Turquia foi escolhido como a entrada oficial do Reino Unido para a categoria de Melhor Longa Metragem Internacional no Oscar....
  • Homem sequestrado pela inteligência turca forçado a testemunhar contra deputados da oposição Segundo Gergerlioğlu, Yasin Ugan foi forçado a testemunhar sob tortura que os dois deputados eram filiados ao movimento Hizmet, um grupo baseado na fé inspirado nos ensinamentos do clérigo turco Fethullah Gülen, que tem sido alvo do presidente turco Recep Tayyip Erdoğan desde as investigações de corrupção de 17-25 de dezembro de 2013, que implicaram o então primeiro-ministro Erdoğan, seus familiares e seu círculo interno....
  • 8 morrem em fortes tempestades que assolaram o oeste da Turquia As províncias do oeste da Turquia, incluindo a cidade mais populosa do país, Istambul, foram duramente atingidas por condições climáticas adversas, com oito pessoas morrendo como resultado de acidentes relacionados ao clima em três províncias, noticiou a mídia turca na terça-feira....
  • Autoridades na Turquia investigam avisos de escassez de medicamentos após queda da lira As autoridades turcas estão sondando as discrepâncias entre os registros e os estoques reais de alguns medicamentos, disse o Ministério da Saúde na terça-feira, depois que consumidores, farmácias e chefes de indústria advertiram sobre as interrupções nos fornecimentos devido a uma queda da moeda....
  • “Nosso dinheiro não tem valor”: Aumenta a frustração na Turquia com a crise de Lira A insistência do Presidente Recep Tayyip Erdogan em direcionar a política monetária e manter as taxas de juros baixas está drenando a confiança, dizem os economistas....

Política agressiva de Erdogan

Política agressiva de Erdogan
março 04
16:09 2016

“O que está acontecendo na Turquia, estava indo tão bem, vinha sendo um exemplo de democracia naquela região lembrada pelos conflitos?”, é o que muitos amigos brasileiros me perguntam.

Tentar explicar a mudança de rumo da Turquia, das reformas para alcançar à democracia da União Europeia ao velho sistema autoritário (mas desta vez civil, não militar) e a mudança de postura do governo turco nos últimos anos é algo extremamente triste para um turco e difícil num espaço curto como este.

O primeiro-ministro Erdogan começou a seguir uma política agressiva por duas razões: primeira, a revelação de grandes esquemas de corrupção que envolve seus ministros, sua família e seus aliados, todas comprovadas com escutas telefônicas da polícia. A segunda, a ambição para ganhar as três eleições neste ano: municipal (ocorreu em 30 de março), presidencial (em 10 de agosto) e geral. A estratégia dele favorece, social e financeiramente, os apoiadores e intimida os opositores, usando recursos públicos que estão à sua disposição. A mídia que não o apoia não recebe nenhum anúncio do Estado, além de ser perseguida; as empresas que não apoiam o governo abertamente não têm chance de ficar com licitações publicas, além de receber fiscais com frequência.

O exemplo da mina em Soma: o dono da mina é um grande apoiador de Erdogan, e consequentemente vem “ganhando” licitação de grandes obras públicas. Em contrapartida, ele dá parte do carvão retirado da mina ao AKP (o partido de Erdogan) para distribuir na véspera das eleições à população pobre. Por causa dessa relação, o acidente que matou 301 trabalhadores naquela mina, não foi investigado profundamente.

Erdogan criou conceitos para justificar sua agressividade: “os inimigos externos” usam “os peões internos” para derrubá-lo. Na visita ao local do acidente de mina, Erdogan deu um soco num cidadão que perdeu seus parentes na tragédia e estava criticando o Governo, e depois ele justificou esse soco chamando o cidadão de “o peão de Israel na Turquia”.

Erdogan, consegue alterar ou criar leis por ter maioria no Parlamento e adapta o país ao seu jeito de governar. A “nova Turquia” de Erdogan é do tipo one-man democracy (“democracia de um homem só”), a famosa expressão irônica. A última grande mudança feita pelo Governo turco foi a lei da inteligência nacional (MIT). Com isso, qualquer um pode ser perseguido, escutado, sem ter denúncia alguma. Erdogan já vem fazendo isso, culpando o Hizmet, o movimento apolítico que mantém atividades sociais e educacionais tanto na Turquia quanto em mais de 150 países no mundo, inclusive no Brasil, sem sequer ter uma prova.

É muito irônico AKP ter surgido apresentando-se com compromissos para fim do autoritarismo militar e estabelecer a justiça, trazendo esse lema no nome: AKP-Partido de Desenvolvimento de Justiça. Parecia que realmente estava extinguindo o autoritarismo, mas ficou claro que está mudando do jeito de autoritarismo, de militar para civil.

Receio que a tensão na Turquia por causa da polarização do povo com o jeito agressivo de Erdogan se transforme num conflito social maior do que foi experimentado no acidente de mina em Soma. O momento que os governantes deveriam mostrar compaixão para os parentes dos 301 falecidos, mostraram socos.

Link para artigo no site do jornal Gazeta do Povo:

http://www.gazetadopovo.com.br/mundo/conteudo.phtml?tl=1&id=1476373&tit=A-politica-agressiva

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer