Últimas notícias
  • Forte terremoto atinge a Grécia, Chipre, Turquia e Egito Um forte terremoto atingiu várias ilhas na Grécia e outras regiões do Mediterrâneo Oriental, incluindo a região sul da Antália na Turquia, bem como cidades no Egito. ...
  • UE diz que Turquia ainda está “recuando” nas reformas e sombria nas chances de adesão O executivo da União Europeia disse na terça-feira que a candidatura da Turquia à adesão ao bloco havia "parado" em meio a sérias deficiências democráticas, em seu relatório anual mais crítico desde que Ancara iniciou as negociações de adesão há 16 anos. ...
  • Embaixada da Turquia nas Filipinas espionou 29 críticos de Erdoğan A Embaixada da Turquia nas Filipinas espionou os cidadãos turcos no país e encaminhou a lista de perfis ilegais para Ancara, o que levou ao lançamento de procedimentos judiciais infundados contra eles, informou o Nordic Monitor, citando documentos legais. ...
  • Lira turca atinge recorde de baixa enquanto Erdogan despede banqueiros centrais A lira turca afundou a uma baixa recorde em relação ao dólar americano na quinta-feira depois que o presidente Recep Tayyip Erdoğan demitiu três membros do banco central em um decreto no meio da noite, informou a Agence France-Presse. ...
  • Condições de trabalho degradantes expulsam médicos da Turquia Milhares de médicos estão deixando a Turquia como resultado dos baixos salários aliados à violência que enfrentam de pacientes zangados e seus familiares, uma situação só agravada pela pandemia do coronavírus e pela crise econômica resultante. ...
  • SADAT, “Exército paralelo” de Erdoğan, pode assassinar dissidentes O notório chefe da máfia turca, Sedat Peker, alegou em uma série de tweets que a SADAT, um grupo paramilitar ligado ao Presidente Recep Tayyip Erdoğan, poderia possivelmente realizar assassinatos de dissidentes que vivem na Turquia e no exterior num futuro próximo, noticiou a mídia local. ...
  • Deputado pede a libertação de paciente com câncer terminal Um deputado do Partido Democrata Popular (HDP), pró-curdo, pediu a libertação imediata de Ayşe Özdoğan, uma mulher criticamente doente que sofre de uma forma rara de câncer e foi enviada para a prisão para cumprir uma sentença de condenação por vínculos com o movimento Hizmet no início deste mês, informou a mídia local. ...
  • Outro Dia, Outro Expurgo no Banco Central da Turquia As cabeças estão rolando no banco central da Turquia, desta vez por não baixar as taxas de juros agressivamente o suficiente. Cortes mais profundos provavelmente virão, talvez logo na próxima semana. Este é um jogo perigoso quando a maior parte do mundo está se movendo na direção oposta. É improvável que uma moeda já maltratada se saia bem, e qualquer fragmento de credibilidade que a política monetária tenha deixado neste icônico mercado emergente será corroído. ...
  • O advogado do Twitter na Turquia tuita discurso de ódio contra o movimento Hizmet O advogado Gönenç Gürkaynak, que representa o Twitter na Turquia, usou de discurso de ódio contra apoiadores do movimento Hizmet numa série de tweets no sábado, perguntando se consideravam exterminar-se a si próprios, informou na segunda-feira o Stockholm Center for Freedom. ...
  • O Alto Custo de uma Turquia Imprevisível Faltando vinte meses para as eleições legislativas e presidenciais na Turquia, o debate político será feroz. O Ocidente poderá optar por não ver a sua relação com Ancara deteriorar-se ainda mais.  ...

Na Turquia, não é mais um passeio no parque

Na Turquia, não é mais um passeio no parque
junho 21
10:23 2013

As colunas desta semana marcharam ao largo dos protestos no Brasil. Um caminho preferencial foi falar da Turquia, onde, como no Brasil, uma questão específica (o projeto de demolição de um parque em Istambul) foi o fertilizante para protestos difusos. Vamos terminar a semana perguntando se na Turquia é o começo do fim.

Sempre é difícil manter um pique de coesão com causas tão dispersas, embora manifestantes turcos (ambientalistas, liberais, gente secular, ativistas gays, minorias religiosas, nacionalistas de direita, extremistas de esquerda e indignados em geral) tenham se aglutinado em torno de bandeiras de luta contrárias ao autoritarismo e à islamização sob o governo de Recep Erdogan.

Houve truculência policial, arrastão pelas forças de segurança, o discurso intimidador do populista Erdogan (se eles levam cem mil para as ruas, eu levo um milhão) e algumas concessões para tirar o gás dos protestos (enquanto era disparado o gás lacrimogêneo).

O parque Gezi não será arrasado enquanto o caso se arrastar nos tribunais sobre a legalidade de construção da réplica de um quartel otomano. E mesmo se Erdogan prevalecer, há a promessa de um referendo em Istambul. Alguns setores entre os manifestantes endureceram e há provas de paciência, como este novo método de protesto do “grito do silêncio”, de ficar plantado na rua, na praça. O movimento dos imóveis.

O governo também endurece, calculando que basta manter mobilizado seu núcleo duro de devotos (O partido de Erdogan, Justiça e Desenvolvimento, tem pouco mais da maioria dos eleitores e pode contar com um segmento aguerrido de pelo menos 1/3 deles). Mas a massa em um país democrático (e ainda é o caso da Turquia) não consegue ficar num estado de mobilização permanente (isto funciona para alguns fanáticos aparatos ideológicos e religiosos ou populações arregimentadas por sistemas totalitários).

Assim, os sinais na Turquia são de dispersão de um movimento que por algumas semanas conseguiu manter este estado de alta mobilização (e alta ansiedade). Claro que eu me protejo dizendo que estes processos refluem e depois podem irromper novamente.

Não foram apenas manifestantes que saíram machucados. Isto aconteceu também com Erdogan. Houve uma perda de popularidade e também a sensação de que seus dias gloriosos ficaram para trás (seu plano é concorrer à presidência no ano que vem e governar com poderes reforçados, após mudanças constitucionais).

Há da parte dele uma jogada: esta semana, num discurso para seus partidários, Erdogan se afastou um pouco do sua retórica de denuncismo dos manifestantes (vândalos, terroristas, inocentes a serviço de forças estrangeiras) para vender uma mensagem mais positiva de condução da Turquia. Ele falou de nova metas quinquenais, como aumentar a renda per capita em mais de 50% (para 16 mil dólares), criar quatro milhões de empregos e domar a inflação. Os tempos estão mudando, porém, para mercados emergentes como a Turquia.

Não será um passeio no parque para Erdogan, como já não é neste que ele quer destruir em Istambul.

***
Colher de chá para a Carmem (dia 21, 10:13), que ao menos deu colher de chá para os turcos nesta coluna. Os leitores estão no Brasil, hehehe, entendo.  E uma colher de chá dominical para a Andrea (dia 23, 20:26), tipo de comentário que me deixa animado e espero que os leitores também. Pega bem o espírito deste bazar. E em nome deste espírito, colher de chá também para os paladinos do pé atrás, Henrique e Maisvalia.

Fonte: http://www.caioblinder.com

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer