Últimas notícias
  • CoE insta “fortemente” as autoridades turcas a liberar Demirtaş O Comitê de Ministros do Conselho da Europa adotou na quinta-feira uma resolução provisória "instando fortemente" as autoridades turcas a assegurar a libertação imediata do líder curdo preso Selahattin Demirtaş....
  • A crise monetária da Turquia Após a demissão do ministro das finanças e sua substituição por um lealista em 2 de dezembro, a lira turca continuou seu declínio constante em relação ao dólar, elevando suas perdas do ano para quase 50%. A moeda turca está novamente sob ataque especulativo, semelhante aos episódios anteriores em julho de 2018 e outubro de 2020. Os cortes antecipados do Banco Central da República da Turquia (CBRT) na taxa de câmbio desde setembro resultaram em um êxodo de capital estrangeiro e em uma corrida na demanda por divisas entre os investidores domésticos. Enquanto isso, os preços globais de commodities e energia permanecem altos (apesar da recente queda nos preços do petróleo), e as expectativas em relação à inflação se deterioraram significativamente, levando a taxa de câmbio TL a cair de 8,30 para 13,60 para o dólar em menos de três meses....
  • Turquia aumentará sua presença na INTERPOL, diz membro recém-eleito do Comitê Executivo A Turquia aumentará sua presença na INTERPOL aumentando seu número de oficiais de ligação na Secretaria Geral e nomeando mais candidatos para cargos superiores dentro da organização, disse na quinta-feira Selçuk Sevgel, membro recém-eleito do Comitê Executivo da INTERPOL, em entrevista à agência estatal de notícias Anadolu, informou o Stockholm Center for Freedom....
  • Papa pede por cura em um Chipre dividido, arcebispo ortodoxo ataca a Turquia Papa encontra os líderes cristãos ortodoxos de Chipre. Pede por cura na ilha dividida. Líder cipriota turco convida papa a visitar o norte. Muitos dos participantes da missa são filipinos que trabalham no Chipre...
  • Ministro das finanças da Turquia, Lutfi Elvan, demite-se em meio à crise monetária O Ministro das Finanças e do Tesouro da Turquia, Lutfi Elvan, renunciou em meio a uma forte queda da lira turca, de acordo com um decreto presidencial emitido no jornal oficial turco na quinta-feira....
  • Documentário sobre femicídios na Turquia é a indicação ao Oscar do Reino Unido Um documentário relatando os esforços dos ativistas que trabalham para acabar com a violência contra as mulheres na Turquia foi escolhido como a entrada oficial do Reino Unido para a categoria de Melhor Longa Metragem Internacional no Oscar....
  • Homem sequestrado pela inteligência turca forçado a testemunhar contra deputados da oposição Segundo Gergerlioğlu, Yasin Ugan foi forçado a testemunhar sob tortura que os dois deputados eram filiados ao movimento Hizmet, um grupo baseado na fé inspirado nos ensinamentos do clérigo turco Fethullah Gülen, que tem sido alvo do presidente turco Recep Tayyip Erdoğan desde as investigações de corrupção de 17-25 de dezembro de 2013, que implicaram o então primeiro-ministro Erdoğan, seus familiares e seu círculo interno....
  • 8 morrem em fortes tempestades que assolaram o oeste da Turquia As províncias do oeste da Turquia, incluindo a cidade mais populosa do país, Istambul, foram duramente atingidas por condições climáticas adversas, com oito pessoas morrendo como resultado de acidentes relacionados ao clima em três províncias, noticiou a mídia turca na terça-feira....
  • Autoridades na Turquia investigam avisos de escassez de medicamentos após queda da lira As autoridades turcas estão sondando as discrepâncias entre os registros e os estoques reais de alguns medicamentos, disse o Ministério da Saúde na terça-feira, depois que consumidores, farmácias e chefes de indústria advertiram sobre as interrupções nos fornecimentos devido a uma queda da moeda....
  • “Nosso dinheiro não tem valor”: Aumenta a frustração na Turquia com a crise de Lira A insistência do Presidente Recep Tayyip Erdogan em direcionar a política monetária e manter as taxas de juros baixas está drenando a confiança, dizem os economistas....

A liberdade de expressão está sob ataque

A liberdade de expressão está sob ataque
maio 13
11:49 2016

Ameaças à liberdade de expressão de jornalistas, escritores e ativistas dos direitos humanos se multiplicam em diversos países do mundo

Para onde se olha, a liberdade de expressão está sob ataque. Na China, um jornalista independente, meu conhecido, sumiu no aeroporto – é um entre muitos detidos, censurados, intimidados. No Egito, um estudante italiano que pesquisava para seu doutorado na Universidade Cambridge foi torturado e assassinado, enquanto centenas de blogueiros e ativistas eram detidos. Na Turquia, dois destacados jornalistas foram condenados a 5 anos de prisão por publicar uma importante reportagem sobre fornecimento clandestino de armas turcas à Síria; dois outros pegaram 2 anos por reproduzir cartoons do semanário francês Charlie Hebdo. Ainda na Turquia, de 2014 para cá, foram abertos 1.845 processos contra pessoas que supostamente “insultaram” o presidente Recep Erdogan, esse sultão sensível.

O efeito Erdogan chegou à Alemanha, onde o governo, lamentavelmente, permitiu o prosseguimento de um processo contra Jan Böhmermann, conhecido comediante de TV, por ter lido um poema satírico contra o presidente turco. Na Polônia, rostos de jornalistas muito populares desapareceram subitamente da televisão pública para serem substituídos por apresentadores mais simpáticos ao novo partido dirigente Lei e Ordem.

Mesmo na Grã-Bretanha, a interpretação do Ministério do Interior das novas leis antiterrorismo põe em perigo a livre manifestação nas universidades. Há ainda temores reais pela independência da BBC, especialmente se o governo nomear quase a metade da mesa diretora unitária, como propôs em documento oficial.

Esse retrocesso contra a liberdade de expressão é especialmente deprimente para mim. Comecei a trabalhar num livro sobre livre manifestação há uns dez anos e durante os últimos cinco mantenho um site em 13 línguas, produzido na Universidade Oxford, que analisa a livre manifestação no mundo. Conheço pessoalmente algumas das pessoas que estão sendo perseguidas e, na maioria dos lugares, as coisas têm piorado incessantemente. Um indicador discreto, mas expressivo, dessa tendência é o crescente número de colaboradores do site que preferem escrever sob pseudônimo.

Nos bons dias de 2012, eu podia falar abertamente sobre nosso projeto num café de livraria em Pequim. Mas, no ano passado, o mesmo dono de livraria me pediu, amedrontado, que evitasse abordar temas sensíveis, embora eu estivesse falando de um livro meu já publicado na China com autorização do governo. Numa conferência sobre mídia online no país, ouvi um editor chinês chamado Jia Jia falando entusiasticamente sobre seus esforços para fazer jornalismo online de qualidade, apesar dos sabidos constrangimentos. Posteriormente, Jia Jia me mandou um e-mail informando que tinha se mudado para Hong Kong. Sim, vocês adivinharam: é ele o jornalista que desapareceu quanto estava para embarcar num voo de Pequim para Hong Kong. Foi detido e interrogado por mais de uma semana.

Egito. Quatro anos atrás, estive num evento público com blogueiros egípcios, ativistas e acadêmicos num cinema perto da Praça Tahrir, no Cairo, onde a Primavera Árabe florescera apenas um ano antes. Muitos dos participantes estão hoje presos, silenciados ou exilados. Um fotojornalista conhecido como Shawkan está preso há quase três anos e deve ser julgado na próxima semana, sujeito à pena de morte. Da prisão, ele divulgou uma carta em maiúsculas CONTINUEM GRITANDO, JORNALISMO NÃO É CRIME.

Ainda naquele distante 2012, fizemos uma mesa de discussão em Istambul, onde havia ainda esperanças residuais de que o partido governante Justiça e Desenvolvimento (AKP) pudesse voltar à tendência mais tolerante e pró-europeia de seus primeiros anos no poder. Jornalistas e acadêmicos que então puderam falar livremente estão hoje enfrentando multidões enfurecidas agitadas por tuítes do AKP, o fechamento ou ocupação de jornais importantes, processos e perseguição. Um deles, Can Dündar, editor do Cumhuriyet, foi ameaçado por um homem armado do lado de fora do tribunal que poderia condená-lo a 5 anos de prisão. Assim, tivemos de fazer a discussão sobre liberdade de expressão na Turquia não em Istambul, mas aqui em Oxford, onde o ex-editor do agora fechado jornal Radikal buscou refúgio.

Obviamente, os acontecimentos na Polônia não podem ser comparados aos da Turquia, muito menos aos do Egito ou da China. Mas, segundo o sindicato dos jornalistas poloneses, mais de 140 profissionais foram demitidos, forçados a sair ou rebaixados desde que as eleições levaram o partido Lei e Justiça ao poder. A televisão pública passou a se chamar “nacional” e a dedicar muito mais espaço à linha governista. A posição da Grã-Bretanha é melhor que a da Polônia, mas as reformas propostas pelo secretário da Cultura ameaçam a independência editorial da BBC.

Resistência. Existem muitas causas para esses retrocessos, mas elas se somam para promover algo como uma onda antiliberal. Que podemos fazer? Ficar atentos. Gritar. Garantir em casa a liberdade de expressão. Apoiar aqueles que, no exterior, a estão defendendo em condições muito mais difíceis. Meu livro Free Speech: Ten Principles For a Connected World (Livre Expressão: Dez Princípios para um Mundo Conectado) identifica os principais campos de batalha e apresenta uma série de princípios liberais básicos em torno dos quais podemos nos juntar – venha a ameaça de um governo autoritário, de superpoderes privados como o Facebook ou isolados trolls da internet.

E onde vemos o governo britânico se posicionar contra tudo isso? Quase em lugar nenhum. Informado por um amigo de que eu estava escrevendo esse artigo, Dündar, o editor turco sujeito a 5 anos de cadeia, mandou-me um e-mail: “Durante essa saga, minha atenção foi particularmente atraída pelo fato de que o governo britânico preferiu não dizer uma única palavra. Isso deve ser embaraçoso para o governo de um país que se orgulha de sua democracia”. Acho que os pares de Dündar na Rússia, na China e no Egito se sentem do mesmo modo.

No ano passado, o mais alto funcionário do Foreign & Commonwealth Office (FCO) disse na Comissão de Assuntos Exteriores da Câmara dos Comuns que direitos humanos “não estão entre nossas mais altas prioridades”. Agora, um relatório da comissão observa delicadamente que, “apesar de o ministro ter rejeitado veementemente a sugestão de que o FCO não dá prioridade aos direitos humanos, evidências escritas que recebemos indicam existir uma clara percepção de que isso ocorre”.

É hora de governo corrigir essa hmmm… percepção. Os que lutam pela liberdade de expressão no mundo deveriam ter mais apoio da terra de John Milton, John Stuart Mill e George Orwell.

TIMOTHY GARTON ASH

TRADUÇÃO DE ROBERTO MUNIZ

Fonte: www.estadao.com.br

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer