Últimas notícias

Fethullah Gülen: Muçulmanos devem combater o câncer extremista

Fethullah Gülen: Muçulmanos devem combater o câncer extremista
março 08
15:30 2016

Fethullah Gülen escreveu para The Wall Street Journal em  27 de agosto de 2015

Como o grupo que se autodenomina Estado Islâmico, conhecido como EI ou ISIS, continua a produzir uma carnificina no Oriente Médio, muçulmanos devem confrontar a ideologia totalitária que anima este e outros grupos terroristas. Todo ato terrorista executado em nome do Islam afeta profundamente todos os muçulmanos, alienando-os de seus concidadãos e aprofundando a percepção equivocada sobre os valores éticos de sua religião.

Não é justo culpar o Islam pelas atrocidades de radicais violentos. Porém, quando terroristas reivindicam o manto muçulmano, eles ostentam essa identidade, mesmo que apenas nominalmente. Portanto, membros da religião devem fazer o que for possível para prevenir que esse câncer se espalhe em nossas comunidades. Caso contrário, seremos parcialmente responsáveis pela mácula na imagem de nossa religião.

Primeiro, precisamos denunciar a violência e não nos tornar presas da vitimização. Ter sofrido opressão não é desculpa para causa-la ou para deixar de condenar o terrorismo. Que os terroristas estão cometendo pecados graves em nome do Islam não é meramente minha opinião; é a conclusão inevitável de uma leitura honesta das fontes primárias: o Alcorão e as descrições da vida do Profeta Muhammad (Maomé). Os princípios centrais dessas fontes – transmitidos há séculos pelos eruditos que se devotaram a estudar as práticas e dizeres do Profeta, e a “intenção do Autor” no Livro Sagrado – dissipa qualquer reinvindicação feita por terroristas sobre justificativas religiosas.

Segundo, é importante promover um entendimento holístico do Islam, já que a flexibilidade de acomodar as diversas origens de seus aderentes pode, às vezes, ser abusada. A ética central do Islam, contudo, não está sujeita a interpretação. Um de seus princípios afirma que tirar a vida de um único inocente é um crime contra toda humanidade (Alcorão, 5:32). Mesmo em um ato de defesa durante a guerra, a violência contra qualquer não-combatente, especialmente mulheres, crianças e clérigos, é notadamente proibida pelos ensinamentos do Profeta.

Devemos demonstrar esses valores, mostrando solidariedade às pessoas que buscam a paz no mundo. Dada a natureza da psicologia humana e as dinâmicas do jornalismo, obviamente, é menos provável que vozes convencionais cheguem às manchetes do que vozes extremistas. Porém, em vez de culpar a mídia, deveríamos encontrar meios inovadores para garantir que nossas vozes sejam ouvidas.

Terceiro, muçulmanos devem promover publicamente os direitos humanos, dignidade, vida e liberdade. Esses sãos os valores islâmicos mais básicos e nenhum indivíduo, líder político ou religioso tem a autoridade de removê-los. Viver a essência de nossa religião significa respeitar a diversidade cultural, social, religiosa e política. Deus indica o aprendizado mútuo como principal objetivo da diversidade (Alcorão, 49:13). Respeitar a cada ser humano como criação de Deus é respeitar a Deus(Alcorão, 17:70).

Quarto, muçulmanos devem prover oportunidades educacionais a cada membro de suas comunidades, onde o estudo de ciência, humanidades e artes estejainserido numa cultura de respeito por todas as coisas vivas. Governos no mundo muçulmano devem desenvolver currículos escolares que nutram valores democráticos. A sociedade civil tem um papel na promoção do respeito e da aceitação. Essa é a razão pela qual membros do Movimento Hizmet estabeleceram mais de 1.000 escolas, centros educacionais e instituições de diálogo em mais de 150 países.

Quinto, prover educação religiosa a muçulmanos é fundamental para privar os extremistas da ferramenta que eles utilizam para espalhar suas ideologias distorcidas. Quando a liberdade religiosa é negada, como tem acontecido há décadas no mundo muçulmano, a religião cresce nas sombras, sendo interpretada por figuras radicais e desqualificadas.

Finalmente, é imperativo que muçulmanos apoiem a igualdade de direitos para mulheres e homens. As mulheres deveriam receber oportunidades e ser livres das pressões sociais que negam sua igualdade. Muçulmanos têm um grande exemplo em Aisha, esposa do Profeta Muhammad, uma estudiosa altamente educada, professora e líder comunitária proeminente em sua época.

O terrorismo é um problema multifacetado, portanto as soluções deveriam tratar as facetas política, econômica, social e religiosa. Abordagens que reduzem o problema à religião prestam um desserviço a uma juventude em risco e ao mundo como o todo. A comunidade internacional faria bem em perceber que os muçulmanos são as vítimas primárias do terrorismo – literal e simbolicamente – e que podem ajudar a marginalizar terroristas e prevenir o recrutamento. Por isso, governos deveriam evitar declarações e ações que resultem na alienação de muçulmanos.

O extremismo violento não tem religião; sempre haverá pessoas que manipularão textos religiosos. Assim como cristãos não endossam a queima de alcorões ou as ações do Ku Klux Klan, e budistas não endossam atrocidades contra muçulmanos Rohingya, muçulmanos comuns não endossam a violência.

Historicamente, os muçulmanos contribuíram muito para o florescimento da civilização humana. Nossas maiores contribuições foram feitas nas épocas em que a religião acalentava o respeito mútuo, liberdade e justiça. Pode ser imensamente difícil restaurar a imagem maculada do Islam, mas muçulmanos podem ser os guiaspara paz e tranquilidade em suas sociedades.

Fonte: www.wsj.com

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer