Últimas notícias

Tribunal superior da Turquia sentencia o endosso e promoção do ISIS, tenta aderir à batalha jihadista e não ao terrorismo

Tribunal superior da Turquia sentencia o endosso e promoção do ISIS, tenta aderir à batalha jihadista e não ao terrorismo
janeiro 06
01:43 2023

Um jihadista turco, condenado duas vezes por acusações de terrorismo porque planejava juntar-se ao Estado islâmico no Iraque e na Síria (ISIS) e que divulgou propaganda em nome da organização terrorista sobre mídias sociais e se comunicou com membros do ISIS, foi dispensado pelo mais alto tribunal de apelação da Turquia. 

O jihadista, cuja identidade foi mantida em segredo pela Suprema Corte de Apelação (Yargıtay), foi condenado pelo 13º Tribunal Penal Superior de Istambul em 2018 por acusações de terrorismo e condenado a tempo na prisão. As provas coletadas durante a investigação mostraram que ele estava ativamente envolvido com membros conhecidos do ISIS, trocou comunicações com eles e perguntou como se juntar ao ISIS na Síria. 

Uma análise de suas contas na mídia social revelou que ele estava promovendo o ISIS na Internet e apoiando os líderes do ISIS. A Terceira Câmara da Suprema Corte de Apelações, que analisa casos de terrorismo, anulou a condenação em 2021, citando irregularidades processuais durante o julgamento. Não reviu o caso quanto ao mérito. 

O jihadista foi julgado de novo pelo tribunal inferior e condenado novamente. Ao apelar da segunda condenação, o Supremo Tribunal decidiu em 3 de outubro de 2022 absolver o jihadista, dizendo que a decisão do tribunal inferior estava errada. Desta vez, o tribunal estabeleceu um precedente ao rever o caso em sua substância e decidiu que a divulgação de propaganda em nome de uma organização terrorista e a investigação de formas de viajar para a Síria para aderir ao ISIS não pode ser considerada uma ofensa terrorista. 

O tribunal disse que “compartilhar fotos elogiando a Organização Terrorista Daesh, bem como cartazes simbolizando a organização e fotos de militantes da organização” apenas mostra que a pessoa simpatiza com o ISIS e não significa que a pessoa esteja organicamente ligada à estrutura da organização ISIS, também conhecida pela sigla árabe Daesh. Não considerou as comunicações do jihadista com os membros do ISIS e as investigações sobre a adesão ao grupo na Síria como provas suficientes para condená-lo. 

As decisões da Suprema Corte de Apelações que por duas vezes anularam as condenações do jihadista do ISIS, concluindo que a promoção e o endosso do ISIS e a tentativa de aderir ao ISIS na Síria não foram motivo de condenação por acusações de terrorismo:  

A decisão estabelece um perigoso precedente na Turquia, no qual a divulgação de propaganda em nome de uma organização terrorista, o contato com terroristas ISIS conhecidos e o planejamento de se juntar ao grupo em um país vizinho não são mais considerados delitos criminais. 

O código penal turco criminaliza “a difusão da propaganda ou a promoção de uma organização terrorista” na Lei Antiterrorista No. 371. O artigo foi frequentemente invocado na Turquia para suprimir vozes críticas e opiniões dissidentes que na verdade não incitam à violência e foi abusado pelo judiciário controlado pelo governo para punir jornalistas que não têm nada a ver com terrorismo ou violência. 

Em uma estranha reviravolta, o mesmo artigo foi frequentemente negligenciado nos casos ISIS, onde os promotores e juízes são discretamente ordenados pelo governo a ir com calma contra os suspeitos mesmo quando eles endossam o terrorismo e incitam à violência. 

A anulação da condenação do jihadista pela Terceira Câmara por duas vezes não é uma surpresa, dado o histórico dos juízes da Câmara. Uma pesquisa de casos nos últimos anos mostra que esses juízes decidiram, em muitos casos ISIS, anular as condenações e ordenar a libertação dos militantes jihadistas. 

O presidente turco Recep Tayyip Erdoğan é visto com os juízes do Supremo Tribunal de Recursos na cerimônia de abertura do novo ano judicial em 1º de setembro de 2022. 

Como resultado, a maior parte das condenações bem-sucedidas do ISIS, já raras nos tribunais inferiores, foi expulsa por juízes seniores que parecem seguir as diretrizes indulgentes do governo islâmico quando se trata de reprimir os grupos jihadistas. 

A câmara, anteriormente designada como 16ª, foi criada em 2014 com um projeto de lei especial endossado pelo governo do Presidente Recep Tayyip Erdoğan para transformar o principal tribunal de apelação do país. Em uma mudança bizarra, a nova câmara foi mandatada para analisar todos os casos de terrorismo, que haviam sido analisados pela 9ª Câmara durante décadas. O governo recrutou 140 novos juízes em 2014 e outros 100 em 2018 para dominar o tribunal de apelação. Os juízes que foram nomeados para a câmara foram cuidadosamente examinados pelo governo Erdoğan, e a bancada foi repleta de lealistas. 

As autoridades turcas não revelam o número de condenações bem-sucedidas em casos ISIS ou quantas condenações foram, de fato, mantidas no recurso. Eles se recusam a responder às perguntas parlamentares solicitando tais informações. Em vez disso, muitas vezes, eles apresentam números sobre o número de detenções e, em alguns casos, prisões, que em muitos casos resultam em absolvição e libertação. 

Milhares de militantes, tanto turcos como estrangeiros, têm usado o território turco para atravessar para a Síria com a ajuda de contrabandistas, a fim de lutar ao lado de grupos ISIS e da Al-Qaeda. A agência de inteligência turca MIT tem facilitado suas viagens. As autoridades turcas conheciam e monitoravam os contrabandistas de pessoas que ajudavam os jihadistas a entrar e sair da Síria através da fronteira turca, mas muitas vezes ignoravam suas atividades. 

por Abdullah Bozkurt 

Fonte: Turkey’s top court rules the endorsement, promotion of ISIS, attempts to join the jihadist battle not terrorism – Nordic Monitor  

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer