Últimas notícias

Divisão desenvolvida entre autoridades turcas devido a arquivos da INTERPOL rejeitados e motivados politicamente

Divisão desenvolvida entre autoridades turcas devido a arquivos da INTERPOL rejeitados e motivados politicamente
dezembro 07
12:41 2022

As autoridades turcas se envolveram em uma disputa doméstica sobre o que fazer com os pedidos de mandados de prisão internacionais por motivos políticos que a INTERPOL rejeitou, citando violações de sua constituição, revelou um comunicado interagências obtido pelo Nordic Monitor. 

O comunicado, assinado por Emrah Özkan da Direção Geral de Relações Exteriores do Ministério da Justiça em 2 de fevereiro de 2021, disse ao Ministério Público Chefe de Ancara que um pedido de Notificação Vermelha para um crítico do governo havia sido rejeitado pela INTERPOL. 

Ele disse que um pedido renovado feito pelo tribunal e transmitido pelo Ministério Público para uma Notificação Vermelha não seria apropriado ou necessário, dado que exatamente as mesmas acusações e os mesmos mandados de prisão foram adicionados para apoiar o segundo arquivamento da INTERPOL. 

O caso envolveu o cidadão turco Suat Yiğit (57), que se acredita participar do movimento Hizmet, um grupo crítico do governo do Presidente Recep Tayyip Erdoğan sobre uma série de questões, desde corrupção generalizada até a ajuda e cumplicidade da Turquia a grupos armados jihadistas. Yiğit enfrenta dois mandados de prisão pendentes, emitidos em 2016 e 2017, na Turquia por sua associação com o grupo no que é visto como uma acusação de motivação política que visava punir um crítico governamental que não tinha nada a ver com crime ou terrorismo. 

A 4ª Vara Criminal de Ancara, constituída por apoiadores de Erdoğan, havia enviado uma decisão ao Ministério da Justiça em 30 de janeiro de 2017, pedindo ao ministério que processasse o arquivamento da INTERPOL para que fosse emitido uma Notificação Vermelha para Yiğit. O ministério enviou o arquivamento ao departamento da Interpol/Europol do Ministério do Interior, que tem acesso ao banco de dados da INTERPOL. A Secretaria da INTERPOL rejeitou o arquivamento, dizendo que ele violava o princípio fundamental consagrado em sua constituição que proíbe os pedidos por motivos políticos. 

Isso não impediu o tribunal de Ancara de buscar um novo arquivamento na INTERPOL. O tribunal transmitiu uma nova decisão através do Ministério Público em 1º de fevereiro de 2021, basicamente repetindo as mesmas reivindicações e as chamadas provas para apoiar a Notificação Vermelha. Entretanto, o Ministério da Justiça, após analisar o dossiê enviado pelo tribunal, concluiu que não havia nada de novo que justificasse uma segunda tentativa com a INTERPOL. 

“Não há necessidade de apresentar um pedido duplicado”, advertiu o Ministério da Justiça, dizendo que um resultado positivo no processamento de uma Notificação Vermelha da INTERPOL só pode ser possível com novas provas que possam passar no escrutínio da Secretaria da INTERPOL. 

A Turquia também recorreu a um tratado de extradição com os EUA para buscar a entrega do Yiğit pelas autoridades americanas, mas esse pedido também fracassou, de acordo com outro comunicado. 

O segundo comunicado, assinado por Özkan em 5 de outubro de 2021, indicou que o Departamento de Estado norte-americano solicitou informações adicionais sobre a substância dos crimes alegadamente cometidos por Yiğit, bem como provas sólidas. Özkan disse ao Ministério Público de Ankara para apresentar o que ele descreveu como um “relatório de revisão do processo” sobre Yiğit, listando os supostos crimes em que Yiğit estava pessoalmente envolvido e provas concretas que o ligavam aos supostos crimes. 

Ele disse que a resposta do governo dos EUA deve ser compartilhada com a 4ª Vara Criminal de Ancara, que emitiu um mandado de prisão para Yiğit, instando a Promotoria a incluir provas adicionais que foram coletadas contra ele desde que o primeiro pedido de extradição foi apresentado nos EUA. 

O comunicado revela como o governo Erdoğan abusou do tratado com os EUA para apresentar pedidos de extradição frívolos que não continham provas sólidas. 

Na última década, a Turquia intensificou sua campanha para caçar adversários políticos, críticos e dissidentes além das fronteiras turcas, abusando agressivamente dos mecanismos internacionais, incluindo a INTERPOL, apresentando pedidos de extradição e pedindo mandados de prisão internacionais baseados em casos fictícios e acusações de motivação política. 

Como um dos mais prolíficos repressores transnacionais, o governo turco não só abusou do sistema de notificações da INTERPOL, mas também de suas mensagens e divulgações, especialmente de passaportes perdidos e roubados, a fim de manter a pressão sobre os críticos do governo no exterior e amordaçar os jornalistas críticos que ainda escrevem sobre assuntos turcos no exílio. 

Reconhecendo os pedidos flagrantemente abusivos e descaradamente absurdos da Turquia, a INTERPOL negou à Turquia o acesso a vários serviços fundamentais, como o banco de dados SLTD (Stolen and Lost Travel Documents) no passado. 

Ao justificar sua recusa às entradas da Turquia, a INTERPOL citou o artigo 3 de sua Constituição, que diz: “É estritamente proibido à Organização empreender qualquer intervenção ou atividades de caráter político, militar, religioso ou racial”. Acrescentou que todos os pedidos feitos pelo departamento da INTERPOL turca seriam eliminados e exortou-a a não apresentar novos pedidos. 

A Assembleia Parlamentar do Conselho da Europa (PACE) em setembro de 2017 declarou que a INTERPOL e seu sistema de Notificação haviam sido abusados pela Turquia na busca de objetivos políticos, para reprimir a liberdade de expressão ou para perseguir membros da oposição política além de suas fronteiras, na resolução número 2161, depois que a polícia espanhola deteve dois jornalistas críticos do governo com dupla cidadania sueca/turca e cidadania alemã/turca, após um aviso da INTERPOL emitido pela Turquia em agosto de 2017. 

Em 2020, um relatório publicado pelo Departamento de Estado americano sobre práticas de direitos humanos sublinhou que também havia relatos confiáveis de que o governo turco tentou usar as Notificações da INTERPOL para atingir indivíduos específicos localizados fora do país, alegando laços com o terrorismo ligados a uma tentativa de golpe de 2016 ou com o Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), proscrito, com base em poucas provas. 

O relatório também mencionou que, de acordo com a Freedom House, uma ONG que defende a democracia, a liberdade política e os direitos humanos, desde a tentativa de golpe de 2016, a Turquia fez o upload de dezenas de milhares de pedidos à INTERPOL para pessoas designadas pelo governo como participantes do movimento Hizmet. 

Houve também relatos de que indivíduos enfrentaram complicações relacionadas com a perda ou roubo errôneos de passaportes que o governo apresentou contra supostos participantes do movimento Hizmet nos anos que se seguiram diretamente à tentativa de golpe. Os indivíduos visados frequentemente não tinham um papel claramente identificado na tentativa de golpe, mas estavam associados ao movimento Hizmet ou tinham falado a favor dele. Os relatórios para a INTERPOL poderiam levar à detenção dos indivíduos ou poderia impedi-los de viajar. 

por Abdullah Bozkurt 

Fonte: A rift developed among Turkish authorities over rejected, politically motivated INTERPOL filings – Nordic Monitor  

Marcadores

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer