Últimas notícias

Turquia prende mulher síria, culpa PKK por ataque mortal Istambul

Turquia prende mulher síria, culpa PKK por ataque mortal Istambul
novembro 14
21:05 2022

Na segunda-feira, a Turquia acusou uma mulher síria de plantar uma bomba que matou seis pessoas em İstanbul, culpando o fora-da-lei Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) por realizar o ataque, informou a Agence France-Presse. 

Duas meninas, de 9 e 15 anos, estavam entre as mortas quando a bomba explodiu pouco depois das 16h00 (13h00 GMT) de domingo na Avenida İstiklal, lar de butiques inteligentes e consulados europeus. Mais de 80 outras pessoas foram feridas. 

“A pessoa que plantou a bomba foi presa”, disse o Ministro do Interior Süleyman Soylu em uma declaração transmitida pela agência oficial de notícias Anadolu no início da segunda-feira. 

“De acordo com nossas descobertas, a organização terrorista PKK é responsável”, disse Soylu. 

A PKK, listada como um grupo terrorista por Ancara e grande parte da comunidade internacional, tem conduzido uma rebelião mortal pela autodeterminação curda no sudeste da Turquia desde os anos 80. 

A polícia, citada pela televisão NTV, disse que a principal suspeita é uma mulher síria que trabalha para os militantes curdos. Quarenta e seis pessoas foram detidas no total, disse a polícia. 

Imagens da polícia compartilhadas com a mídia turca mostraram uma jovem mulher de camisola roxa sendo apreendida em um apartamento de Istambul. 

A polícia, citada pela NTV, nomeou-a como Alham Albashir e disse que ela foi presa às 2:50 da manhã em um subúrbio de Istambul. A mídia local disse que ela era uma agente de inteligência treinada do PKK. 

“Ordem de Kobane”. 

Não houve nenhuma reinvindicação de responsabilidade. 

“Acreditamos que a ordem do ataque foi dada por Kobane”, disse Soylu, referindo-se a uma cidade da Síria próxima à fronteira com a Turquia. 

Os militantes curdos filiados ao PKK controlam a maior parte do nordeste da Síria e, em 2015, os combatentes curdos expulsaram os militantes do Estado Islâmico do Iraque e do Levante (ISIL) da cidade. 

A NTV também compartilhou filmagens de uma jovem com calças e um lenço preto solto que fugiu para o meio da multidão no domingo à tarde. 

O Ministro da Justiça Bekir Bozdağ disse à televisão A Haber que uma mulher estava sentada em um banco por mais de 40 minutos, “então ela se levantou”, deixando uma bolsa. 

“Um ou dois minutos depois, ocorreu uma explosão”, disse ele. 

Na segunda-feira, todos os bancos haviam sido retirados da Avenida İstiklal, onde moradores colocaram cravos vermelhos no local da explosão, alguns enxugando lágrimas e outros falando de seu medo de novos ataques no período que antecedeu as eleições em junho próximo. 

“Precisamos de mais segurança”, disse İdris Çetinkaya, que trabalha em um hotel próximo e veio prestar seus respeitos. 

“Viva com medo” 

“A polícia acabou de revistar minha mala quando cheguei aqui, mas essa é a primeira vez em um ano. Milhões de pessoas vêm aqui, qualquer coisa pode acontecer a qualquer momento”, disse ele. 

A Avenida İstiklal foi anteriormente alvo durante uma campanha de ataques por bombas no país em 2015-16, que foram atribuídos principalmente ao ISIL e militantes curdos ilegais, matando quase 500 pessoas e ferindo mais de 2.000. 

No domingo, o presidente turco Recep Tayyip Erdoğan denunciou o “vil ataque” que teve o “cheiro de terror” pouco antes de partir para a cúpula do G20 na ilha de Bali, resort indonésio. 

Kemal Öztürk, um comerciante, está entre aqueles que temem outra explosão antes das eleições presidenciais e parlamentares dentro de sete meses. 

“Em um período eleitoral, isso pode acontecer. Pode acontecer aqui ou em qualquer cidade”, disse à AFP o comerciante de 42 anos. “Vivemos com medo”. 

İstiklal, no bairro histórico de Beyoğlu, é uma das ruas mais famosas de Istambul. Ela é totalmente pedonal por 1,4 quilômetros, ou cerca de uma milha. 

Cruzada por um antigo bonde e forrada de lojas e restaurantes, atrai grandes multidões no fim de semana. 

Muitas lojas fecharam cedo no bairro vizinho de Gálata, enquanto alguns transeuntes, que vieram correndo do local da explosão, tinham lágrimas nos olhos. 

O cão de guarda de rádio e televisão da Turquia, RTÜK, proibiu as emissoras de mostrar imagens da explosão, uma medida tomada anteriormente na sequência de ataques extremistas. 

O acesso às mídias sociais também foi restrito após o ataque. 

Condenação 

A condenação internacional chegou de todo o mundo após o ataque de domingo. 

Uma reação veio rapidamente da Grécia, que “inequivocamente” condenou a explosão e expressou condolências ao governo e ao povo da Turquia. 

Os Estados Unidos também a denunciaram, com a Secretária de Imprensa da Casa Branca Karine Jean-Pierre dizendo: “Estamos ombro a ombro com nossa Turquia aliada da OTAN na luta contra o terrorismo”. 

O presidente francês Emmanuel Macron disse em uma mensagem aos turcos: “Compartilhamos sua dor. Estamos ao seu lado na luta contra o terrorismo”. 

O presidente ucraniano Volodymyr Zelensky também tweetou em turco, “A dor do amigável povo turco é nossa dor”. 

O presidente russo Vladimir Putin, na segunda-feira, acrescentou suas próprias condolências em uma mensagem para Erdogan. 

“Reafirmamos nossa disponibilidade para a interação mais próxima com nossos parceiros turcos na luta contra todas as formas e manifestações de terrorismo”, disse ele no telegrama. 

Fonte: Turkey arrests Syrian woman, blames PKK for deadly İstanbul attack – Turkish Minute  

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer