Últimas notícias

Carta de ex-funcionários públicos revela maus tratos no centro de detenção em massa de Ancara

Carta de ex-funcionários públicos revela maus tratos no centro de detenção em massa de Ancara
setembro 21
15:25 2022

Uma carta escrita e assinada por 10 ex-funcionários públicos que afirmam ter sido severamente maltratados em um centro de detenção após uma tentativa de golpe na Turquia em 15 de julho de 2016 foi publicada pelo site de notícias Bold Medya. 

De acordo com a carta, eles foram mantidos 14 dias em um ginásio em Ancara que foi usado como centro de detenção em massa. O ginásio, dirigido pelo departamento de polícia de Ancara, foi usado como centro de internação após uma tentativa de golpe por seu departamento de contraterrorismo. 

Os detentos foram obrigados a limpar o sangue do chão, que acreditavam pertencer a vítimas anteriores de maus-tratos. Eles também testemunharam outros detentos sendo severamente espancados. 

A carta revelou que um detido que teve um ataque cardíaco foi obrigado a esperar meia hora antes que os policiais chamassem uma ambulância para levá-lo ao hospital. O homem tinha uma angiografia e foi levado de volta para o centro de internação no mesmo dia. Incapaz de suportar as condições, o homem desmaiou e bateu com a cabeça no chão. 

Outro detento que sofria de esclerose múltipla foi obrigado a sentar-se em sua cadeira de rodas por seis dias. 

Além disso, os detentos disseram que eram mais de 150 homens em uma sala e que não lhes foi fornecido o suprimento básico. Foram forçados a dormir no chão sem cobertores ou colchões e receberam apenas duas fatias de pão e um pedaço de queijo por dia. Além disso, o salão era pulverizado com algum tipo de desinfetante enquanto havia detentos no interior, causando problemas respiratórios. 

Os detentos reclamavam que suas famílias não eram notificadas de seu paradeiro e que não lhes era permitido ver seus advogados. Muitos advogados estavam sujeitos a ameaças se insistissem em se encontrar com seus clientes. 

O centro de detenção em Ancara tem estado no centro das alegações de tortura. Métodos severos de tortura como estupro, agressão sexual, espancamentos severos, privação de sono, posições de estresse, uso de água fria pressurizada, privação de comida e água e ameaças de matar ou estuprar foram recorridos no ginásio, onde 800 a 1.000 pessoas foram detidas ao mesmo tempo, fato evidenciado pelo relator especial da ONU sobre tortura e outros tratamentos ou punições cruéis, desumanos ou degradantes em um relatório baseado em sua missão na Turquia entre 27 de novembro e 2 de dezembro de 2016. 

Algumas das vítimas detidas no centro de detenção em massa tiveram a oportunidade de recontar as torturas que sofreram uma vez que foram apresentadas em tribunal. 

Nos últimos anos, a Turquia vem passando por uma crise de direitos humanos cada vez mais profunda. A falta de condenação por parte de altos funcionários e a prontidão para encobrir as alegações em vez de investigá-las resultaram em impunidade generalizada para as forças de segurança. 

Fonte: Letter by former public servants reveals mistreatment in Ankara’s mass detention center – Stockholm Center for Freedom (stockholmcf.org)  

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer