Últimas notícias

Terroristas do Hizbullah turco apoiados pelo Irã soltos após acordo com governo Erdoğan

Terroristas do Hizbullah turco apoiados pelo Irã soltos após acordo com governo Erdoğan
agosto 25
22:43 2022

Os membros condenados do Hizbullah turco acabaram por ser discretamente libertados da prisão em etapas, como parte de um acordo secreto que o grupo fez com o governo Islã político do Presidente Recep Tayyip Erdoğan. 

O Hizbullah turco, um grupo notoriamente mortífero que é apoiado pelo Irã e procura estabelecer um regime de mulá ao estilo iraniano na Turquia, garantiu a libertação dos membros que estavam cumprindo pena de prisão, incluindo penas perpétuas durante uma série de assassinatos nos anos 90 e início dos anos 2000 na Turquia. 

A Nordic Monitor soube que a libertação dos militantes do Hizbullah fazia parte de um acordo feito pelo grupo com o governo em troca de apoio político do Partido da Justiça e Desenvolvimento (AK), liderado pelo Presidente Erdoğan. 

Entre os que foram libertados estavam 19 membros do Hizbullah que estavam cumprindo penas de prisão perpétua agravadas pelo assassinato de 91 pessoas em uma onda de assassinatos realizada pelo grupo terrorista. Eles foram condenados em 2007 pelo Tribunal Penal Superior de Diyarbakır e condenados à prisão perpétua por assassinatos cometidos como parte da tentativa do grupo de derrubar a ordem constitucional na Turquia e substituí-la por um Estado islâmico ao estilo iraniano. As condenações foram mantidas pelo Supremo Tribunal de Apelações (Yargıtay) em 2010. 

O Presidente Recep Tayyip Erdoğan recebeu Zekeriya Yapıcıoğlu, líder da ala política do Hizbullah turco, Hür Dava Partisi (HÜDA-PAR), em 25 de maio de 2022 no gabinete presidencial. 

Contudo, antes das eleições locais de março de 2019, o governo Erdoğan ajudou a assegurar a libertação de todos os 19 membros condenados do Hizbullah em troca do apoio da frente política do Hizbullah, o Partido da Causa Livre (Hüda-Par). Alguns militantes condenados do Hizbullah haviam confessado os assassinatos, revelaram os locais de sepultura e até juraram continuar a fazer a mesma coisa se fossem soltos durante o julgamento. Sua libertação ocorreu após anistias concedidas anteriormente pelo governo Erdoğan para outros membros do Hizbullah, a partir de 2013. 

O Hizbullah turco foi criado nos anos 80, mas ganhou fama nos anos 90 quando recrutou a maioria dos curdos no sudeste da Turquia e foi apoiado por alguns elementos da inteligência turca, estabelecimentos militares e policiais contra o Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK). Eles foram brutais em seus assassinatos, sequestrando muçulmanos moderados e executando-os depois de torturá-los em cômodos construídos sob esconderijos. Na época, haviam sido acusados de matar cerca de 150 pessoas e deixar centenas de feridos. 

No entanto, enfrentou uma enorme repressão no início de 2001 e o assassinato de seu líder, Hüseyin Velioğlu, em um confronto com a polícia durante um ataque a um esconderijo em Istambul, em 17 de janeiro de 2000. O Hizbullah então adotou um perfil discreto e mudou as táticas para sobreviver à repressão. Tinha se reorganizado calmamente sob várias fundações, associações e outras entidades nos dois primeiros mandatos do governo Erdoğan. O grupo criou o partido político Hüda-Par em dezembro de 2012, com o apoio do governo Erdoğan, que preparou o caminho para a entrada do partido na política. 

Os esforços de lobby do Hizbullah para tirar seus membros da prisão deram frutos após investigações de corrupção que sacudiram o partido no poder em dezembro de 2013 e incriminaram o então primeiro-ministro Erdoğan e seu círculo interno. O grupo chegou a um acordo com Erdoğan em troca de apoio político antes das eleições locais de março de 2013. Alguns membros do Hizbullah foram libertados após as eleições. 

Mehmet Salih Kölge é um líder sênior do Hizbullah turco que foi condenado por uma série de assassinatos. 

A aliança tornou-se mais importante para Erdoğan quando o AKP perdeu sua maioria no Parlamento turco nas eleições de junho de 2015, pela primeira vez em seu governo de 13 anos. Para ajudar o partido de Erdoğan, o Hizbullah não apresentou candidatos independentes nas eleições e, em vez disso, apoiou os candidatos do AKP nas regiões curdas. Mais militantes do Hizbullah presos foram libertados da prisão, enquanto alguns membros do Hizbullah receberam postos-chave em agências governamentais, especialmente para preencher o vazio na burocracia após uma purga maciça de participantes do movimento Hizmet, um crítico do governo. 

Os demais membros presos do Hizbullah foram libertados entre janeiro e abril de 2019. Sua libertação não foi sequer coberta pela mídia turca, que é controlada em grande parte pelo governo Erdoğan. Aqueles que foram soltos – Mehmet Veysi Özel, Rıfat Demir, Şeyhmus Kınay, Mehmet Varol, Mehmet Garip Özer, Yusuf Begiç, Mehmet Beşir Acar, Abdulkerim Kaya, Mehmet Tahir Ak, Mahmut Demir, Yunus Avcı e Mehmet Feysel Bozkuş – estavam cumprindo penas de prisão perpétua agravadas, e suas convicções foram mantidas em recurso. 

Mehmet Salih Kölge, outro notório líder do Hizbullah que foi condenado por ordenar o assassinato de 91 pessoas, também estava entre aqueles que foram libertados da prisão com a ajuda do governo. De acordo com a decisão do Supremo Tribunal de Recursos, Kölge foi responsável por 157 ataques armados separados que mataram 81 pessoas e feriram 66. 

Agora o Hizbullah, com seu partido político, associações, fundações, veículos de mídia, grupos de caridade e outras redes, tem se expandido rapidamente na Turquia, especialmente entre os curdos, bem como em vários países europeus. 

por Abdullah Bozkurt 

Fonte: Iran-backed Turkish Hizbullah terrorists let go after a deal with the Erdoğan gov’t – Nordic Monitor  

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer