Últimas notícias

168 jornalistas turcos compareceram no tribunal em 3 meses

168 jornalistas turcos compareceram no tribunal em 3 meses
agosto 18
00:59 2022

Um total de 168 jornalistas apareceram em audiências em seus julgamentos na Turquia de abril a junho, de acordo com um relatório recente preparado pelo projeto Expression Interrupted e publicado pela mídia turca. 

O número de jornalistas na prisão passou de 56 para 67 nos últimos três meses. Das 116 audiências realizadas, a maioria envolveu acusações relacionadas ao terrorismo, que foram seguidas por acusações de insultar o presidente turco Recep Tayyip Erdogan. 

O relatório baseia-se em dados obtidos em julgamentos e no trabalho de monitoramento da mídia realizado pela Expression Interrupted. 

Enquanto nove jornalistas foram objeto de investigações neste período, 38 foram detidos. Pelo menos nove jornalistas foram vítimas de violência policial, ataques e ameaças, e seis jornalistas foram espancados por civis. 

O regulador de radiodifusão da Turquia, o Conselho Supremo de Rádio e Televisão (RTÜK), continuou a impor penalidades às estações de televisão críticas ao governo turco. Nos primeiros seis meses deste ano, a RTÜK penalizou 30 canais críticos, enquanto emitiu apenas três penalidades para estações pró-governamentais. 

Uma nova lei proposta pelo governo do Partido da Justiça e Desenvolvimento (AKP) e seu aliado, o Partido do Movimento Nacionalista (MHP), e aprovada em comitê em junho, também foi encontrada no relatório. 

De acordo com o AKP e o MHP, o projeto de lei foi elaborado para “combater a desinformação e as notícias falsas” e abrirá o caminho para sanções relativas aos postos de mídia social que são decididos pelos tribunais com o objetivo de produzir notícias falsas e desinformação. 

A legislação prevê penas de prisão entre um e três anos para quem divulgar publicamente informações falsas sobre segurança interna ou externa, ordem pública e saúde geral do país com o objetivo de criar ansiedade, medo ou pânico entre o público ou perturbar a paz pública. 

Se o crime foi cometido escondendo a identidade real do perpetrador ou no âmbito das atividades de uma organização criminosa, as penas serão aumentadas pela metade. 

O conteúdo que constitui um “crime” contra as atividades e o pessoal da Organização Nacional de Inteligência (MİT) seria aceito como motivo de prisão, de acordo com a nova legislação, o que também tornaria mais fácil bloquear o acesso às emissoras. 

Em uma declaração conjunta, associações de jornalistas disseram que a lei era uma “mancha negra” no jornalismo turco e conclamaram o público a demonstrar solidariedade e a se manifestar junto com os jornalistas. 

Especialistas jurídicos também expressaram preocupação com a nova lei, dizendo que qualquer pessoa que compartilhe conteúdo crítico ou informações que contradigam as reportagens oficiais poderia ser processada. 

O Comitê de Proteção aos Jornalistas (CPJ) disse no início de junho que a Turquia usaria a legislação como uma ferramenta extra para processar os jornalistas. 

Fonte: 168 Turkish journalists appeared in court in 3 months: report – Stockholm Center for Freedom (stockholmcf.org)  

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer