Últimas notícias

Editor turco que trabalha para a mídia crítica ao Presidente Erdoğan corre o risco de ser deportado da Noruega

Editor turco que trabalha para a mídia crítica ao Presidente Erdoğan corre o risco de ser deportado da Noruega
maio 14
01:20 2022

Um jornalista turco detido na Noruega, onde foi pedir asilo, está travando uma batalha legal contra a deportação para a Turquia. Se o jornalista for deportado, sua prisão é considerada certa, dadas as ações anteriores do governo turco. 

Zafer Yılmaz, 35, editor do site de notícias Kronos, sediado em Viena, que viveu na Áustria por quase 10 anos e cujo pedido de asilo na Áustria foi rejeitado anteriormente, foi detido na Noruega em 15 de abril. 

Yılmaz chegou à Noruega para solicitar o status de asilo uma segunda vez e para evitar a deportação para a Turquia. As autoridades norueguesas declararam que a decisão do tribunal austríaco é vinculativa para elas devido às regras de Schengen, rejeitando seu pedido, o Nordic Monitor tomou conhecimento. Ele agora está sob custódia, aguardando a conclusão de seu recurso de rejeição de seu pedido. 

Em 2018 Yılmaz solicitou proteção internacional e asilo em Viena, onde foi estudar pela primeira vez na universidade há 10 anos, devido à sua filiação ao movimento Gülen, um grupo crítico do governo turco. 

Fontes conscientes do assunto disseram ao Nordic Monitor que desde que o Yılmaz vive fora da Turquia há vários anos, ele não pôde apresentar documentos oficiais, tais como um mandado de busca ou um mandado de prisão emitido para ele. Acredita-se que as autoridades austríacas avaliaram que não havia risco de prisão ou maus-tratos para ele na Turquia. Entretanto, especialmente após um golpe abortado em 2016, o governo turco deteve centenas de milhares de pessoas filiadas ao movimento Gülen, que alega estar por trás da tentativa de golpe. De acordo com dados compilados a partir de estatísticas oficiais sobre condenações por terrorismo entre 2015 e 2020 pela Solidariedade com OUTROS, uma organização não governamental de direitos humanos com sede em Bruxelas, foram iniciadas investigações de terrorismo contra 1.977.699 pessoas por promotorias públicas em toda a Turquia. 

Após seu pedido de asilo ter sido rejeitado duas vezes pelo tribunal local, o Yılmaz apresentou um pedido ao Tribunal Constitucional Austríaco, alegando que seu pedido foi rejeitado devido a erros processuais por ele cometidos. Entretanto, a Corte Constitucional recusou seu pedido, uma vez que ele não se enquadrava em sua jurisdição. Assim, o jornalista enfrentou o risco de ser deportado para a Turquia e preso, apesar do fato de a Corte Europeia de Direitos Humanos ter decidido várias vezes que a deportação de cidadãos estrangeiros para países onde a tortura ou maus-tratos é um risco genuíno, viola a Convenção Europeia de Direitos Humanos. 

Yılmaz afirma que um intervalo de tempo entre a expiração de sua autorização de residência e seu pedido de asilo causou um mal-entendido e que as autoridades austríacas fizeram uma avaliação incorreta. Afirmando que ele foi para a Noruega como último recurso para evitar a deportação para a Turquia, ele solicitou que seus documentos que atendessem às condições de asilo fossem reavaliados. O advogado do Yılmaz também está tentando conseguir que ele seja libertado. Seus colegas se preocupam que enviá-lo de volta à Áustria significaria que ele seria enviado à Turquia desde que as autoridades austríacas tomaram a decisão de deportá-lo para a Turquia. 

Yılmaz está entre os fundadores do Free Journalists, uma organização não governamental fundada em Viena em 2016 para apoiar o jornalismo independente e jornalistas no exílio. Yılmaz é também um editor da Kronos, o braço de publicação dos Jornalistas Livres. Publicando em turco e alemão, a Kronos está particularmente interessada em violações dos direitos humanos e questões políticas na Turquia. De acordo com o Comitê de Proteção aos Jornalistas (CPJ), o acesso ao site da Kronos foi proibido 33 vezes pelos tribunais turcos, indicando que a Kronos já está na lista negra do governo turco e dos tribunais sob sua influência. O site também inclui notícias de jornalistas que fogem da Turquia para evitar prisão e maus-tratos. O fato de Yılmaz trabalhar para Kronos é razão suficiente para sua prisão e maus-tratos se ele for para a Turquia. 

Yılmaz foi um voluntário da instituição de caridade Kimse Yok Mu, que foi proibida pelo governo turco devido a sua filiação ao movimento Gülen. Há fotos mostrando Yılmaz participando das atividades de ajuda da instituição de caridade na Mauritânia em 2013. 

Kimse Yok Mu foi criada em 2004 em Istambul e desenvolveu rapidamente programas de ajuda internacionalmente reconhecidos em parceria com o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR). O grupo era a única agência de ajuda que tinha o status consultivo especial do Conselho Econômico e Social das Nações Unidas (ECOSOC) na época. 

Ela esteve ativa em 113 países durante anos e desenvolveu a capacidade de fornecer ajuda de emergência em zonas de desastre, bem como de reconstruir a infraestrutura nas comunidades, fornecendo assim assistência a longo prazo, que incluiu a construção de casas, hospitais, escolas e instalações de saúde. No entanto, foi incendiada pelo governo turco quando o Erdoğan começou a atacar o movimento Gülen. Primeiro, as licenças da Kimse Yok Mu para levantar, manter e usar fundos para obras de caridade foram suspensas em 22 de setembro de 2014, e a obra de caridade foi encerrada em 2016. Muitos funcionários foram presos ou enfrentou prisão e acusação com base em acusações duvidosas. Muitas pessoas foram posteriormente presas simplesmente porque fizeram uma doação para o grupo beneficente. O Nordic Monitor publicou anteriormente como os doadores eram secretamente perfilados pela inteligência turca.   

Outra situação de risco para Yılmaz é que foi emitido um mandado de prisão para sua irmã em 2018 por suposta afiliação com o movimento Gülen. Para os tribunais turcos, a afiliação de um membro da família com o movimento Gülen é motivo suficiente para investigar e processar outros membros da família. Muitas pessoas na Turquia ainda estão na prisão por causa de suas relações de parentesco. 

Doğan Ertuğrul, o editor-chefe da Kronos e um jornalista proeminente no exílio, afirma que Yılmaz participou do estabelecimento da Kronos e trabalhou como editor de software, design e gráfico do site. Ele acrescenta que o Yılmaz assumiu a responsabilidade de preservar a escrita e o arquivo fotográfico da Kronos e estava escrevendo histórias sobre tecnologia e estilo de vida. 

“A extradição de nosso colega para a Turquia significa o risco de detenção, prisão e maus-tratos. Portanto, ele não deve, definitivamente, ser deportado da Noruega. Exorto as autoridades e organizações de jornalismo e direitos humanos noruegueses a considerarem este risco”, diz Ertuğrul. 

Levent Kenez, outro jornalista que fugiu da Turquia, correu recentemente o risco de ser extraditado da Suécia para a Turquia. “Se você é um jornalista que se opõe ao governo, ser preso ao voltar para casa é algo que qualquer pessoa na Turquia pode facilmente prever hoje”, diz Kenez.  

Segundo Kenez, trazer oponentes do governo do exterior para a Turquia é um sinal de sucesso para as missões diplomáticas da Turquia. Ele diz que soube mais tarde que o processo de extradição iniciado contra ele no ano passado foi resultado da insistência da Embaixada da Turquia em Estocolmo. 

“Tenho certeza de que a Embaixada turca em Oslo tem acompanhado o caso Yılmaz e o apresentará como um sucesso se ele for deportado”. Eles podem até mesmo se envolver em uma rivalidade com a embaixada em Viena. Eles o apresentarão como a grande vitória do governo turco em meios de comunicação próximos ao governo”, acrescenta Kenez. 

De acordo com relatórios oficiais, 118 pessoas afiliadas ao movimento Gülen de 28 países foram deportadas para a Turquia. Todas elas foram presas mais tarde. Enquanto isso, a Organização Internacional de Polícia Criminal (INTERPOL) não processa os pedidos de Red Notice da Turquia porque eles têm motivação política. 

Em 2021 o Nordic Monitor publicou documentos secretos do Ministério das Relações Exteriores da Turquia revelando como os diplomatas turcos coletaram informações sobre as atividades dos críticos na Noruega, traçando o perfil de suas organizações e listando seus nomes como se fizessem parte de uma organização terrorista. 

Um documento oficial da Direção Geral de Assuntos Consulares do Ministério das Relações Exteriores, datado de 21 de outubro de 2016, confirma a atividade de espionagem clandestina na Noruega que há muito é suspeita. O documento mostra como foram espiados os críticos que vivem na Noruega há décadas, assim como aqueles que recentemente procuraram refúgio para escapar de uma repressão maciça na Turquia. 

Esta semana, a Turquia foi classificada em 149º lugar entre 180 países no Índice Mundial de Liberdade de Imprensa dos Repórteres Sem Fronteiras (RSF) 2022, com a proeminente organização de imprensa alertando sobre o crescente autoritarismo no país e o declínio do pluralismo da mídia. 

“O autoritarismo está ganhando terreno na Turquia, desafiando o pluralismo da mídia”. Todos os meios possíveis são usados para minar os críticos”, disse a organização de imprensa. 

por Nordic Monitor 

Fonte: Turkish editor working for media outlet critical of President Erdoğan is at risk of deportation in Norway – Nordic Monitor  

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer