Últimas notícias

Turquia rejeita relatório sobre direitos humanos dos EUA em meio a notícias de morte de detentos devido a espancamento severo e maus-tratos

Turquia rejeita relatório sobre direitos humanos dos EUA em meio a notícias de morte de detentos devido a espancamento severo e maus-tratos
abril 18
19:15 2022

O Ministério das Relações Exteriores turco rejeitou o relatório sobre direitos humanos de 2021 publicado pelo Departamento de Estado norte-americano na terça-feira em meio à notícia da morte de detentos que foram submetidos a maus-tratos e espancados severamente por guardas na Prisão Silivri de Istambul, informou o Centro de Liberdade de Estocolmo. 

As “alegações infundadas” sobre a Turquia no relatório “são infelizes e nós as rejeitamos totalmente”, disse o ministério em uma declaração na quinta-feira. 

O Departamento de Estado dos EUA divulgou seu relatório anual sobre os direitos humanos na Turquia, no qual enumerou violações generalizadas dos direitos em 2021. 

O relatório listou relatos confiáveis de mortes arbitrárias, mortes suspeitas de pessoas sob custódia, desaparecimentos forçados, tortura, prisão arbitrária e a contínua detenção de dezenas de milhares de pessoas por supostos vínculos com grupos “terroristas” ou discursos pacíficos legítimos como estando entre as questões significativas de direitos humanos no país. 

No mesmo dia, a Agência de Notícias Mezopotamya (MA) informou que dois detentos na prisão de Silivri perderam a vida após terem sido submetidos a espancamentos severos e maus-tratos por parte dos guardas prisionais. 

Imagens de Ferhat Yılmaz, um desses presos, surgiram na quarta-feira mostrando-o gravemente ferido em uma cama de hospital. 

O relatório dos EUA também abordou a questão da tortura e maus-tratos sob custódia, citando ONGs e políticos da oposição que “relataram que os administradores penitenciários usaram punitivamente buscas com tiras tanto contra prisioneiros quanto contra visitantes, particularmente nos casos em que o prisioneiro foi condenado por acusações de terrorismo”. 

“As organizações de direitos humanos e o CPT [Comitê de Prevenção da Tortura do Conselho da Europa] relataram que os prisioneiros frequentemente não tinham acesso adequado a água potável, aquecimento adequado, ventilação, iluminação, alimentação e serviços de saúde. As organizações de direitos humanos também observaram que a superlotação das prisões e as condições sanitárias precárias exacerbaram os riscos à saúde decorrentes da pandemia da COVID-19. As ONGs relataram que os prisioneiros temiam relatar problemas de saúde ou buscar cuidados médicos, uma vez que um resultado positivo da COVID-19 levaria a uma quarentena de duas semanas em solitária. A ONG Sociedade Civil no Sistema Penal relatou que as instalações prisionais não permitiam distanciamento social suficiente devido à superlotação e que os administradores penitenciários não prestavam serviços regulares de limpeza e desinfecção. As prisões também não forneciam desinfetante, luvas ou máscaras aos prisioneiros, mas as vendiam em comissários. De acordo com uma pesquisa realizada em março sobre prisioneiros pela ONG Media and Law Studies Association em cinco instalações, 56% dos entrevistados relataram não ter material higiênico suficiente durante a pandemia”, disse o relatório. 

Fonte: Turkey rejects US human rights report amid news of death of inmates due to severe beating, mistreatment – Turkish Minute  

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer