Últimas notícias

Turquia aumentará sua presença na INTERPOL, diz membro recém-eleito do Comitê Executivo

Turquia aumentará sua presença na INTERPOL, diz membro recém-eleito do Comitê Executivo
dezembro 03
18:57 2021

A Turquia aumentará sua presença na INTERPOL aumentando seu número de oficiais de ligação na Secretaria Geral e nomeando mais candidatos para cargos superiores dentro da organização, disse na quinta-feira Selçuk Sevgel, membro recém-eleito do Comitê Executivo da INTERPOL, em entrevista à agência estatal de notícias Anadolu, informou o Stockholm Center for Freedom.

Segundo Sevgel, chefe do departamento da INTERPOL-Europol da Polícia Nacional Turca, teve início um novo capítulo nas relações da Turquia com a INTERPOL, após a eleição de um funcionário turco para o Comitê Executivo da organização, após um longo hiato.

O governo turco tem criticado a INTERPOL por recusar a maioria de seus pedidos com base no artigo 3 da Constituição da organização, que estipula que “É estritamente proibido à Organização empreender qualquer intervenção ou atividades de caráter político, militar, religioso ou racial”.

Falando aos jornalistas sobre a Assembleia Geral da INTERPOL, que foi realizada em Istambul nos dias 23 e 25 de novembro, o Ministro do Interior Süleyman Soylu disse que a organização tem rejeitado os pedidos de Aviso Vermelho da Turquia desde um golpe abortado em 15 de julho de 2016 que seu governo culpa o movimento Hizmet.

De acordo com Soylu, desde a tentativa de golpe 982 dos pedidos de Aviso Vermelho da Turquia foram negados pela INTERPOL, em comparação com apenas 100 nos 20 anos entre 1996 e 2016.

De acordo com Sevgel, além das questões levantadas com respeito ao artigo 3 da Constituição da INTERPOL, funcionários da organização também citam a falta de reconhecimento do movimento Hizmet como organização terrorista pela União Europeia e pelas Nações Unidas.

O presidente turco, Recep Tayyip Erdoğan, tem como alvo os seguidores do movimento Hizmet, um grupo de fé inspirado nos ensinamentos do clérigo turco Fethullah Gülen, desde as investigações de corrupção de 17-25 de dezembro de 2013, que implicaram o então Primeiro Ministro Erdoğan, seus familiares e seu círculo interno.

Descartando as investigações como um golpe e conspiração do Hizmet contra seu governo, Erdoğan designou o movimento como uma organização terrorista e começou a alvejar seus membros. Ele prendeu milhares, incluindo muitos promotores, juízes e policiais envolvidos nas investigações, bem como jornalistas que fizeram reportagens sobre eles.

Erdoğan intensificou a repressão ao movimento após a tentativa de golpe em julho de 2016 que ele acusou Gülen de ser o mestre. Gülen e o movimento negam fortemente o envolvimento no golpe abortivo ou em qualquer atividade terrorista. Um total de 319.587 pessoas foram detidas e 99.962 presas em operações contra participantes do movimento Hizmet desde o golpe abortado.

Em um discurso em vídeo para a Assembleia Geral, Erdoğan disse que seu governo esperava o mesmo nível de cooperação que desfrutou em casos criminais por parte da Secretaria da INTERPOL e dos Estados membros também em casos relacionados ao terrorismo.

De acordo com um relatório do Stockholm Center for Freedom, o governo turco sob o Presidente Erdoğan utilizou o Sistema Internacional de Notificação, tais como Avisos Vermelhos e difusões, para atingir adversários políticos que nada mais fizeram do que criticar o governo.

Da mesma forma, também abusou do Banco de Dados de Documentos de Viagem Roubados e Perdidos da INTERPOL, arquivando dezenas de milhares de notificações para críticos e oponentes que, em muitos casos, nem mesmo tinham conhecimento de que seus passaportes haviam sido invalidados.

Na entrevista, Sevgel disse que apesar do fracasso na promulgação dos Avisos Vermelhos da INTERPOL, a Organização Nacional de Inteligência da Turquia (MİT), em cooperação com a Polícia Nacional Turca, conseguiu trazer 123 membros do movimento Hizmet para a Turquia.

Desde a tentativa de golpe, o governo Erdoğan tem empregado métodos extralegais para garantir o retorno de seus críticos após seus pedidos oficiais de extradição terem sido negados. A campanha do governo tem se baseado principalmente em rendições, nas quais o governo e MİT persuadem os estados relevantes a entregar indivíduos sem o devido processo, usando vários métodos. As vítimas enfrentaram uma série de violações dos direitos humanos, incluindo prisões arbitrárias, invasões domiciliares, tortura e maus-tratos durante essas operações. Um relato detalhado da repressão transnacional do governo Erdoğan pode ser encontrado no último relatório do SCF, “A Repressão Transnacional da Turquia”: Rapto, rendição e retorno forçado de Erdoğan Críticos”.

Em vários desses casos, o Grupo de Trabalho da ONU sobre Detenção Arbitrária (WGAD) concluiu que a prisão, detenção e transferência forçada para a Turquia de cidadãos turcos foram arbitrárias e em violação às normas e padrões internacionais de direitos humanos.

Fonte: Turkey will increase its presence at INTERPOL, newly elected Executive Committee member says – Turkish Minute

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer