Últimas notícias

Torturas e desaparecimentos na Turquia equivalem a crimes contra a humanidade

Torturas e desaparecimentos na Turquia equivalem a crimes contra a humanidade
setembro 24
17:44 2021

Os juízes do Tribunal da Turquia, um tribunal internacional simbólico, liderado pela sociedade civil, anunciaram na sexta-feira seu veredicto sobre as recentes violações dos direitos humanos na Turquia, dizendo que as torturas e sequestros perpetrados por funcionários do Estado turco desde julho de 2016 poderiam ser crimes contra a humanidade em um pedido apresentado a um órgão internacional apropriado, informou o Turkish Minute. 

O tribunal, criado sob a iniciativa do escritório de advocacia Van Steenbrugge Advocaten (VSA), sediado na Bélgica, reuniu-se em Genebra entre 21 e 25 de setembro. 

A juíza presidente Françoise Barones Tulkens declarou que o parecer não era juridicamente vinculativo, mas pode servir como fonte, com autoridade moral, para aumentar a conscientização. 

Tulkens disse que o tribunal recebeu relatos credíveis de tortura, acrescentando que os casos de sequestro perante os juízes equivaliam a desaparecimentos forçados. 

Com relação à liberdade de imprensa, Tulkens disse que o tribunal notou a situação dos jornalistas presos e a violência física e mental recorrente infligida aos membros da imprensa. O tribunal concluiu que a conduta da Turquia não cumpre com suas obrigações de direito internacional para garantir o acesso do público à justiça. 

Observando que a impunidade dos perpetradores de violações de direitos é uma prática enraizada no sistema de justiça criminal, o tribunal salientou que as vítimas de violações de direitos são deixadas traumatizadas pela falta de acesso à justiça. 

O painel de juízes do tribunal incluiu figuras notáveis como a Prof.ª Em.ª Dr.ª Françoise Barones Tulkens, ex-vice-presidente do Tribunal Europeu de Direitos Humanos (ECtHR); o juiz Dr. Johann van der Westhuizen, ex-juiz do Tribunal Constitucional da África do Sul; e o Prof. Dr. Giorgio Malinverni e Prof. Dr. Ledi Bianku, que atuaram como juízes do ECtHR. 

O painel de juízes ouviu o depoimento de testemunhas que foram vítimas de violações de direitos humanos. 

Durante as sessões do tribunal nesta semana, os juízes ouviram Mehmet Alp, um professor que foi repetidamente sequestrado e torturado pelas forças de segurança turcas; Erhan Doğan, outro professor que foi torturado sob custódia policial; Mustafa Özben, sequestrado pela inteligência turca; Eren Keskin, uma ativista de direitos humanos que foi detida e presa por causa de sua defesa; e Mesut Kaçmaz, que foi sequestrado pela inteligência turca. 

Os juízes também ouviram Tülay Açıkkollu, a viúva de Gökhan Açıkkollu, um professor de história de 42 anos que morreu após 13 dias de tortura e abusos na custódia policial em 2016; Ercan Kurkut, o irmão de Kemal Kurkut, um estudante curdo de 23 anos que foi morto por policiais turcos em 2017; e Sezin Uçar, o advogado de Gökhan Güneş, que foi sequestrado por pessoas que se identificavam como policiais em janeiro deste ano. 

Os jornalistas que vivem no exílio, Cevheri Güven e Meltem Oktay, o estilista de moda Barbaros Şansal, o político curdo Faysal Sarıyıldız, o ex-procurador Hasan Dursun e o ex-juiz Süleyman Bozoğlu também estavam entre as testemunhas. 

Vários destacados especialistas e organizações de direitos humanos forneceram relatórios ao Tribunal da Turquia. O grupo compreende Eric Sottas (Suíça), ex-secretário geral da Organização Mundial contra a Tortura (em cooperação com o Prof. Dr. Johan Vande Lanotte); Yves Haeck (Bélgica), professor da Universidade de Ghent e Emre Turkut (Turquia); o Coletivo de Advogados (Turquia); a Ordem dos Advogados de Ankara (Turquia) e Johan Heymans, advogado de direitos humanos; e Philippe Leruth (Bélgica), ex-presidente da Federação Internacional de Jornalistas. 

Entre os observadores do tribunal estavam Marie Arena, uma política belga e presidente da Subcomissão de Direitos Humanos do Parlamento Europeu; Kathleen Van Brempt, outra política belga e deputada do Parlamento Europeu (MEP); e Filipe Marques, presidente dos Juízes Europeus para a Democracia e Liberdades (MEDEL). 

O governo turco não aproveitou a oportunidade oferecida para responder por si mesmo.  

Falando com Bünyamin Tekin do Turkish Minute, Johan Vande Lanotte, professor de direito da Universidade de Gand que coordenou a iniciativa, disse que a ineficácia dos métodos convencionais de avaliação de violações de direitos na Turquia os levou a apresentar a ideia de criar um tribunal. 

Lanotte disse que as decisões dos órgãos da ONU, das instituições da União Europeia e as decisões do Tribunal Europeu de Direitos Humanos não resultaram em mudanças positivas no que diz respeito à conduta das autoridades turcas.  

“Nós examinamos os tribunais populares que aconteceram no passado”, disse Lanotte. “Normalmente, os juízes desses tribunais eram ativistas que já estavam investidos no assunto que deveriam decidir. Queríamos estabelecer um tribunal que tivesse juízes que não tivessem relação com o assunto, para que sua decisão não fosse afetada por seus interesses”. 

Lanotte, ele próprio apresentou um relatório perante os juízes, disse que a postura crítica dos juízes ajudou a iniciativa a compreender melhor os pontos fracos do trabalho dos relatores. 

“Trabalharemos mais para aperfeiçoar nosso trabalho”, disse Lanotte, acrescentando que o tribunal foi um teste importante para o VSA, que se esforçará para responsabilizar os autores de crimes contra a humanidade que trabalham para o Estado turco, usando vários meios. 

“Quando se trata de crimes contra a humanidade, as cortes nacionais, o Tribunal Penal Internacional e as várias versões da Lei Magnitsky são as opções”, disse Lanotte. 

Nos últimos anos, a Turquia vem passando por uma profunda crise de direitos humanos, e o Presidente Recep Tayyip Erdoğan, com o objetivo de consolidar seu governo unipessoal, vem minando sistematicamente os pilares fundamentais da já imperfeita democracia da Turquia. 

A repressão de Ancara após o golpe de Estado 

Alguns especialistas veem o tratamento da Turquia de um grupo baseado na fé como um genocídio em processo de fabricação. 

O movimento Hizmet é acusado pelo governo turco e pelo presidente Erdoğan de ter sido o mestre de uma tentativa de golpe de Estado em 15 de julho de 2016 e é rotulado como uma “organização terrorista”, embora o movimento negue envolvimento na tentativa de golpe ou em qualquer atividade terrorista. 

“A caça às bruxas cada vez mais difundida, o discurso sistemático e generalizado de ódio, a perseguição e o massacre contínuo dos membros do movimento Hizmet tornaram as condições na Turquia propícias para um genocídio deliberado, planejado e sistemático”, escreveu Bülent Keneş, um jornalista turco veterano no exílio, em seu livro de 2020, que diz tentar fazer soar o alarme para a comunidade internacional sobre os desenvolvimentos na Turquia que se aproximam de um verdadeiro genocídio contra o movimento Hizmet, um grupo baseado na fé visado pelo governo turco. 

“Mais de 130.000 pessoas foram demitidas de seus empregos no serviço público e privadas de seu sustento e de suas famílias”. Mais de 282.000 pessoas de todas as idades, por causa de suas atividades diárias, que são atos não criminosos de acordo com a lei e fazem parte de sua rotina normal, foram detidas e mais de 600.000 foram objeto de investigações. Pelo menos 77.000 pessoas foram encarceradas”, disse Keneş em uma entrevista de dezembro com a Turkish Minute. 

Dezenas de seguidores do movimento Hizmet foram forçados a fugir da Turquia para evitar uma repressão do governo após a tentativa de golpe. Algumas dessas pessoas tiveram que fazer viagens ilegais e arriscadas em jangadas para a Grécia porque seus passaportes haviam sido revogados pelo governo. 

De acordo com uma declaração do Ministro do Interior Süleyman Soylu em 20 de fevereiro, um total de 622.646 pessoas foram objeto de investigação e 301.932 foram detidas, enquanto outras 96.000 foram presas devido a supostas ligações com o movimento Hizmet desde o fracassado golpe. O ministro disse que há atualmente 25.467 pessoas nas prisões da Turquia que foram presas por supostos vínculos com o movimento. 

A prisão generalizada ou sistemática de indivíduos com supostos vínculos com o movimento Hizmet pode constituir crimes contra a humanidade, disse o Grupo de Trabalho sobre Detenção Arbitrária do Conselho de Direitos Humanos da ONU em um parecer anterior sobre a extradição de Arif Komiş, 44, Ülkü Komiş, 38, e seus quatro filhos da Malásia para a Turquia em agosto de 2019. 

Fonte: https://stockholmcf.org/acts-of-torture-enforced-disappearances-in-turkey-could-amount-to-crimes-against-humanity-tribunal-judges-say/  

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer