Últimas notícias

Qual é o verdadeiro objetivo da Turquia na região curda do norte do Iraque?

Qual é o verdadeiro objetivo da Turquia na região curda do norte do Iraque?
junho 17
18:41 2021

O papel crescente da Turquia no norte do Iraque não se correlaciona com qualquer tipo de aumento do “terrorismo”.

Nos últimos anos, a Turquia expandiu amplamente seu papel na região curda autônoma do norte do Iraque. Ele manteve bases e uma presença na área por décadas, desde a década de 1990, como resultado de sua capacidade de se expandir para o Iraque à medida que o estado iraquiano enfraquecia.

Ancara afirma estar lutando contra o Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) em uma guerra “anti-terror”. No entanto, o uso do terrorismo pelo PKK na Turquia foi reduzido a quase zero incidentes. Portanto  Ancara recorre a inventar histórias sobre “terrorismo” e culpar o PKK por incidentes aos quais provavelmente não está relacionado, a fim de justificar o papel cada vez maior da Turquia.

Na verdade, o que é interessante sobre o papel crescente da Turquia no norte do Iraque é que ele não se correlaciona com qualquer tipo de aumento do “terrorismo”. Não há ataques terroristas na Turquia, mas quanto menos ataques, mais a Turquia invadiu o Iraque e também a Síria. Isso significa que a guerra que a Turquia está travando provavelmente não tem nada a ver com uma ameaça real.

A Turquia, que frequentemente critica Israel pelo conflito com os palestinos, está envolvida em uma das guerras mais desproporcionais, usando poder de fogo massivo , drones e ocupação ilegal sob o direito internacional para atacar combatentes curdos, em alguns casos onde os supostos “terroristas” nem mesmo existem.

Isso leva a perguntas sobre qual é o verdadeiro objetivo da Turquia. Vozes pró-Ancara afirmarão que a Turquia enfrenta uma ameaça “existencial” do PKK. Talvez décadas atrás, quando a insurgência do PKK era maior e realmente existia na Turquia, esse era o caso. 

Entretanto em 2015, quando o  partido AKP da Turquia encerrou um cessar-fogo com o PKK e realizou duas eleições consecutivas para tentar reduzir o papel do HDP, um partido de esquerda e uma das principais representações curdas na turquia,  no parlamento um conflito crescente eclodiu.

Esta é uma história complexa. Autoridades ocidentais, incluindo os EUA, apoiaram a guerra da Turquia contra o PKK como parte da guerra global contra o terrorismo. Ao mesmo tempo, Ancara foi encorajada a permitir que os partidos da oposição desempenhassem um papel no país, de modo que curdos insatisfeitos que poderiam ter abraçado o PKK pudessem escolher as urnas em vez da resistência.

Muitos curdos apoiaram o AKP no início dos anos 2000, e houve uma grande abertura para a língua curda e outras questões curdas na Turquia. O HDP, que tem muitos apoiadores curdos, ultrapassou o limite de 10% para entrar no parlamento. Isso parecia ser o que todos queriam: eleições pacíficas e um novo capítulo nas relações curdas na Turquia.

Mas o Partido AKP no poder e o presidente turco Recep Tayyip Erdogan prosperam na guerra e na crise. Abandonando uma política de paz e “sem problemas com nossos vizinhos”, Erdogan passou a mobilizar o exército para operações na Síria e, cada vez mais, no Iraque, além de liderar uma breve guerra na Turquia contra o PKK em 2015 e 2016. O resultado foi que A Turquia começou a prender membros da oposição do HDP, esmagando ativistas curdos e logo estava limpando etnicamente os curdos de Afrin e enviando drones e F-16s para bombardear o Iraque.

Ancara foi apoiada por funcionários-chave do governo do ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump, que eram pró-Turquia. A Turquia também argumentou que as Forças Democráticas Sírias apoiadas pelos EUA na Síria estavam ligadas ao PKK. Para esse fim, a Turquia argumenta que o YPG, uma parte do SDF, são “terroristas YPG / PKK”.

A Turquia aumentou seus ataques ao YPG na Síria para pressionar os EUA a sair. Quando os EUA não quiseram sair, a Turquia aumentou as operações no Iraque, na esperança de isolar o YPG e o PKK, isolando o Iraque da Síria. Ademais a Turquia fez lobby para manter as fronteiras fechadas.

Isso se torna ainda mais complexo devido ao papel do Governo Regional do Curdistão no norte do Iraque. Liderada pelo Partido Democrático do Curdistão (KDP) e pela União Patriótica do Curdistão, a região do Curdistão é uma região autônoma de sucesso, com seus próprios aeroportos e forças de segurança. O aumento da luta da Turquia no Iraque tem o potencial de desestabilizar o KRG e corroer sua autonomia.

Para os críticos do PKK, isso ilustra como a presença de combatentes do PKK no Iraque, geralmente em uma área montanhosa chamada Qandil, mina a autonomia curda. Os críticos pedem ao PKK e à Turquia que mantenham sua luta na Turquia.

Mas para outros a história é mais complexa, afirmando que a Turquia e o KDP trabalham juntos. Durante anos, a Turquia foi uma importante tábua de salvação econômica para Erbil e o norte do Iraque, criando interesses compartilhados naturais entre o KRG e a Turquia. Mas os curdos sempre foram cautelosos com as ambições da Turquia, especialmente se Ancara usar a presença do PKK para aumentar sua influência.

A questão permanece quanto ao verdadeiro objetivo da Turquia. Ele afirma querer derrotar o PKK inteiramente, o que significaria mais bases. Mas as ameaças da Turquia não param com Qandil; quer bombardear o campo de refugiados de Sinjar e Makhmour e isolar e destruir a região curda da Síria, chamada Rojava. A Turquia disse abertamente à ONU no outono de 2019 que queria uma “zona tampão” ou “zona segura” na Síria, esboçando um mapa onde a Turquia assumiria o controle de todas as cidades curdas no nordeste da Síria, despovoaria e liquidaria vários milhões Refugiados árabes nessas áreas.

No norte do Iraque, o bombardeio da Turquia fez com que muitos vilarejos fossem despovoados. Mas o objetivo da Turquia aqui não é reassentar a área. Em vez disso, parece que a Turquia está incitando Erbil a um conflito maior com o PKK, na esperança de criar um conflito civil curdo. Esse conflito aconteceu na década de 1990 entre grupos curdos. A Turquia se beneficia quando os curdos lutam entre si e quando pode fingir estar lutando contra o “terrorismo” para aumentar sua ocupação e bases no exterior.

A questão é se o objetivo final da Turquia no norte do Iraque é reduzir a autonomia do KRG ou estimular o KDP a lutar contra o PKK e, ao fazê-lo, na opinião da Turquia, acabar com a presença do PKK nas montanhas, ou pelo menos mudar o conflito.

A Turquia aparentemente não compartilha muitos interesses com Bagdá, porque Ancara geralmente não se dá bem com as milícias pró-Irã no Iraque que são apoiadas por Bagdá.

Enquanto a Turquia se dá bem com o regime iraniano, a retórica das milícias apoiadas pelo Irã no Iraque é que  vêem a Turquia como um agressor. Muitos deles têm péssimas lembranças dos dias em que Ancara permitiu que dezenas de milhares de membros do ISIS entrassem na Síria e invadissem o Iraque.

Eles sabem que o regime de Ancara se sente confortável com jihadistas do estilo ISIS, que limpariam etnicamente os xiitas.

Isso significa que Ancara prefere o KRG para equilibrar Bagdá, pelo menos no curto prazo. Mas o papel de Ancara também parece minar o KRG ao mesmo tempo.

Ancara ainda não definiu seus objetivos finais no Iraque, e resta saber quais serão seus próximos passos.

Fonte: https://www.jpost.com/middle-east/what-is-turkeys-real-goal-in-northern-iraqs-kurdish-region-analysis-671162

Marcadores

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer