Últimas notícias

Funcionários envolvidos na deportação ilegal de professores turcos são indiciados pelo tribunal Kosovar

Funcionários envolvidos na deportação ilegal de professores turcos são indiciados pelo tribunal Kosovar
maio 25
18:48 2021

Um tribunal em Pristina, capital de Kosovo, aceitou a acusação frente três funcionários envolvidos na deportação ilegal de seis professores turcos para a Turquia em 29 de março de 2018, informou o Turkish Minute.

De acordo com os relatórios, as três pessoas acusadas são Driton Gashi, ex-chefe da Agência de Inteligência de Kosovo; Valon Krasniqi, diretor do Departamento de Cidadania e Migração do Ministério do Interior; e Rrahman Sylejmani, chefe da Direcção de Migração e Estrangeiros da Polícia de Fronteira do Kosovo.

Gashi e Krasniqi são acusados de “abuso de posição ou autoridade oficial”, enquanto Sylejmani é acusado de “abuso de posição ou autoridade oficial” e “privação ilegal de liberdade”.

O tribunal rejeitou recentemente um pedido dos advogados dos réus para rejeitar a acusação, sublinhando em sua decisão que havia evidências suficientes para apoiar as alegações de que os réus estavam envolvidos na deportação ilegal de seis professores turcos para a Turquia em 2018.

Os seis professores – Kahraman Demirez, Mustafa Erdem, Hasan Hüseyin Günakan, Yusuf Karabina, Osman Karakaya e Cihan Özkan – foram presos a pedido da Turquia por supostas ligações com o movimento Hizmet, um grupo religioso inspirado pelo clérigo muçulmano Fethullah Gülen, e transportados à força para a Turquia.

Gashi foi demitido após a deportação ilegal dos cidadãos turcos, que o então primeiro-ministro, Ramush Haradinaj, afirmou ter acontecido sem seu conhecimento.

O presidente turco Recep Tayyip Erdoğan tem procurado seguidores do movimento Hizmet desde as investigações de corrupção de 17 a 25 de dezembro de 2013, que envolveram o então primeiro-ministro Erdoğan, seus familiares e seu círculo interno.

Descartando as investigações como um golpe  e conspiração contra seu governo por parte do Hizmet, Erdoğan designou o movimento como uma organização terrorista e começou a ter como alvo seus membros. Intensificando a repressão ao movimento após uma tentativa de golpe em 15 de julho de 2016, no qual o presidente turco  acusou Gülen de ser o mentor. Gülen e o movimento negam veementemente o envolvimento no golpe  ou em qualquer atividade terrorista.

O Grupo de Trabalho das Nações Unidas sobre Detenção Arbitrária (WGAD) concluiu em setembro que a prisão, detenção e transferência forçada de professores para a Turquia por agentes do Estado turco e kosovar foram arbitrárias e violaram as normas e padrões internacionais de direitos humanos.

Fonte: https://stockholmcf.org/officials-involved-in-illegal-deportation-of-turkish-teachers-indicted-by-kosovar-court/

Marcadores

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer