Últimas notícias

Forças de segurança turcas prendem mais de 20 ativistas curdas na província do sudeste

Forças de segurança turcas prendem mais de 20 ativistas curdas na província do sudeste
abril 07
18:24 2021

As forças de segurança na província de Diyarbakir (Amed), no sudeste da Turquia, invadiram uma fundação feminina , as casas de vários de seus membros e  de uma jornalista na manhã de segunda-feira, prendendo pelo menos 20 pessoas, segundo a fundação.

Os motivos das prisões são desconhecidos.

“Por volta das 6h, nossa fundação foi invadida pelas forças de segurança. As casas de várias de nossas amigas também foram invadidas ”, disse Adalet Kaya, chefe da Rosa Women’s Foundation, a repórteres em Diyarbakir, acrescentando que estão sob“ pressão ilegal ”do governo por suas recentes atividades feministas, como sua oposição a Retirada da Turquia da Convenção de Istambul no mês passado.

“Nós, como mulheres curdas … estamos sob ataque há um ano: quatro operações e duas batidas. Todos estavam relacionados às nossas atividades ”, disse ela.

De acordo com a fundação, 22 mulheres curdas foram presas nas batidas de segunda-feira, principalmente da Rosa – que foi invadida em 22 de maio de 2020 por suas supostas ligações com o Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK).

O PKK é um grupo armado que luta pelo aumento dos direitos dos curdos na Turquia. É designada como organização terrorista por Ancara.

As prisões de segunda-feira também incluíram Beritan Canozer, jornalista do Jinnews, que cobre notícias sobre mulheres curdas na Turquia. Membros do Partido Democrático dos Povos (HDP), partido que atua em favor da causa Curda, também foram presos.

Tanto Jinnews quanto Rosa estão oficialmente ligados ao HDP, que tem sofrido intensa pressão do governo turco por sua suposta ligação com o PKK nos últimos anos.

A Coalizão para Mulheres no Jornalismo (CFWIJ), que defende os direitos das mulheres e jornalistas LGBTQ, condenou a prisão de Canozer.

“Exigimos que o estado turco liberte Beritan imediatamente. Descobrimos que essas tentativas brutais têm como objetivo intimidar e silenciar jornalistas na Turquia. Instamos as autoridades turcas a encerrar esses ataques contra repórteres. Jornalismo não é crime ”, disse.

Ayse Acar Basaran, porta-voz do Conselho das Mulheres do HDP, condenou as batidas, dizendo aos repórteres que as batidas contra “nossos amigos … não podem nos fazer recuar na luta pelos direitos das mulheres”.

Fonte: https://www.rudaw.net/english/middleeast/turkey/05042021

Marcadores

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer