Últimas notícias

Na mira de Erdoğan: jornalista preso Mehmet Baransu

Na mira de Erdoğan: jornalista preso Mehmet Baransu
março 11
17:59 2021

Encarcerado pelos  últimos seis anos, alvo de  dezenas de sentenças de prisão, acusado em vários processos criminais, em alguns dos quais enfrenta prisão perpétua, Mehmet Baransu é uma das principais vítimas da repressão ao jornalismo na Turquia.

Antes de sua prisão em 2 de março de 2015, ele se tornou o alvo direto do então primeiro-ministro e atual presidente Recep Tayyip Erdoğan e de seu governo. Efgan Ala, um subsecretário de primeiro-ministro na época, havia instruído a polícia a “arrombar a porta de sua casa e deter Baransu”, algo que está gravado na memória de muitos jornalistas alvos do governo.

O que fez de Baransu o principal inimigo de Erdoğan foi sua reportagem sobre a morte de 34 civis em um ataque aéreo. Em 2011, os F-16 da força aérea turca atingiram 34 civis curdos, entre eles jovens, no distrito de Uludere (Roboski em curdo), no sudeste da Turquia. A reportagem de Baransu foi publicado com o título “O estado bombardeou seu povo” e documentou que informações imprecisas fornecidas pela Organização de Inteligência Nacional (MİT) foram a razão para o ataque aéreo. O serviço secreto era chefiado por Hakan Fidan, a quem Erdoğan se referia como seu confidente. O primeiro-ministro ficou visivelmente irritado com o relatório, desencadeando ataques verbais diretos contra Baransu. Os dias seguintes não trariam boas notícias para Baransu nem para seu jornal, Taraf.

Quando foi preso, ele cobria um suposto esquema de corrupção envolvendo Erdoğan e altos funcionários de seu partido, o que mais tarde se tornaria a causa de um racha entre Erdoğan e o movimento Hizmet. Antes disso, suas reportagens se concentravam principalmente nas Forças Armadas Turcas (TSK), e algumas de suas publicações haviam dominado o debate nacional.

A publicação de uma série de reportagens que produziu entre 2007 e 2010, que na época eram amplamente acolhidas pelos segmentos progressistas da sociedade, foram consideradas atos criminosos a partir de 2011. Jailed Journos, uma plataforma de solidariedade com jornalistas presos, lançou a hashtag #FreeMehmetBaransu no Twitter. Cerca de 137.000 mensagens foram postadas com a hashtag. Seus entes queridos e colegas pediram sua libertação, o que não parece provável que aconteça sob o governo de Erdoğan.

Recusa em divulgar fontes

Dois dos julgamentos de Baransu foram concluídos em 2020, com ele recebendo uma sentença de prisão combinada de 36 anos e sete meses. Nas audiências, ele enfrentou intensa pressão para divulgar as fontes de informação de suas reportagens, o que se recusou a fazer, apesar de ter passado anos atrás das grades.

Uma de suas reportagens, que lhe rendeu 19 anos e seis meses de prisão, foi sobre cerca de 23 toneladas de arroz geneticamente modificado que foi trazido do Extremo Oriente para a Turquia. Retirado anteriormente da alfândega dos EUA devido a um problema com as autoridades, o produto foi comprado por uma empresa turca e contrabandeado para a Turquia sob documentação fraudulenta. A reportagem de Baransu incluiu resultados de laboratório demonstrando que o arroz foi geneticamente modificado, e a notícia abalou o governo de Erdoğan, já que o importador, Mahmut Aslan, era próximo o suficiente de Erdoğan para utilizar seus jatos particulares durante suas viagens ao exterior. Nos dias seguintes, Baransu escreveu sobre as pressões exercidas pelos ministros da Agricultura, Comércio e Justiça para que a investigação fosse arquivada, a pedido direto do próprio Erdoğan.

Posteriormente, o governo demitiu 77 pessoas, incluindo policiais e promotores que estavam envolvidos na investigação do arroz. Muitos deles foram presos posteriormente. Um deles foi Baransu, acusado de divulgar informações confidenciais. O caso então mudou de curso e se tornou um processo relacionado ao terrorismo. De acordo com o governo, todos os que realizaram a investigação eram membros do movimento Hizmet e deveriam ser julgados por terrorismo. Anos depois, o caso foi encerrado, em 19 de julho de 2020, e Baransu foi condenado a 19 anos, seis meses atrás das grades. Antes da audiência final, os advogados do presidente Erdoğan solicitaram em seu nome incluí-lo como demandante no julgamento.

A segunda condenação de Baransu foi por causa de uma reportagem sobre um documento do Conselho de Segurança Nacional (MGK). De acordo com a reportagem, uma reunião do MGK em agosto de 2004, realizada com a participação do presidente, primeiro-ministro, membros do gabinete e generais de alto escalão da época, foi concluída com um acordo sobre um plano de ação para erradicar o grupo Hizmet. Baransu publicou o documento MGK confidencial em 28 de novembro de 2013.

No momento da publicação da reportagem, o governo de Erdoğan e o movimento Hizmet estavam envolvidos em uma disputa por instituições educacionais, e o governo havia começado a fechar os cursos preparatórios para vestibular do movimento (dershane em turco). De acordo com Baransu, as tensões datavam de muito antes, quando Erdoğan havia fechado um acordo com o estabelecimento militar para eliminar o movimento Hizmet.

A declaração inicial do governo foi que eles assinaram os documentos sob pressão dos militares e que nunca implementaram suas disposições. Depois de 2016, no entanto, Erdoğan, em meio à repressão generalizada ao movimento, mudou o curso e assumiu abertamente o documento de 2004.

O primeiro ministro, MGK e MİT, entraram com queixas criminais em conjunto contra Baransu. Após um julgamento de anos, Baransu foi condenado a 17 anos e um mês de prisão em novembro de 2020, sob a acusação de revelar documentos confidenciais do estado.

O jornal Taraf e Baransu

As reportagens contundentes de Baransu que dominaram a agenda nacional foram publicadas no jornal Taraf, que operou sob a liderança editorial do jornalista Ahmet Altan, que também está atualmente preso. O conhecido romancista acaba de passar seu 71º aniversário atrás das grades. A família Altan resume a árdua batalha pela democracia na Turquia. O pai de Ahmet Altan, Çetin Altan, também passou anos na prisão, muitas vezes por causa de suas tensões com a “aristocracia” militar.

Ahmet Altan também foi o fundador do jornal Taraf, que serviu como um pioneiro na luta contra a hegemonia militar sobre a política. Desde o ano de 2007, quando foi lançado, Taraf se concentrou na interferência dos militares na política, bem como em escândalos no exército. Baransu era um dos repórteres favoritos de Altan devido a suas reportagens que tratavam dessas questões.

Uma reportagem que deixou sua marca na história

Uma reportagem de Baransu em 2009, intitulado “Como quatro soldados morreram: ele tirou o pino e entregou a granada”, que lhe valeu os mais prestigiosos prêmios de jornalismo da Turquia. A reportagem também fez parte de uma lista das melhores notícias que deixaram uma marca na história, compilada pela professora da Universidade de Columbia, Anya Shiffrin.

A reportagem dizia respeito a quatro soldados rasos do exército mortos em uma explosão ocorrida na província de Elazığ, que o Estado-Maior Geral havia anunciado ao público como um acidente ocorrido durante o treinamento. De acordo com o relatório de Baransu, no entanto, aconteceu quando um comandante deu uma granada de mão com o pino puxado para um recruta que havia adormecido durante o serviço de guarda, como punição. Depois de ter que segurar a alavanca de segurança por horas, o soldado deixou a granada escorregar de sua mão e morreu, junto com outras três pessoas, na explosão que se seguiu.

O relatório trouxe enorme prestígio para Baransu. Depois disso, ele publicou relatórios consecutivos sobre escândalos nas forças armadas. Ele também escreveu relatórios sobre detalhes do golpe de Ergenekon e Sledgehammer, planejando julgamentos que levaram à prisão de dezenas de policiais.

Alguns alegaram que eram burocratas próximos ao grupo Hizmet que estavam vazando a informação para Baransu. O editor-chefe Ahmet Altan sustentou que as reportagens eram inteiramente precisas, que era impossível refutá-los e que o debate sobre quem vazou a informação era uma cortina de fumaça para desviar a atenção do público de enormes crimes e corrupção.

Ordens para derrubar sua porta

A luta contra o estabelecimento militar serviu à agenda política de Erdoğan até 2010 e, durante esse tempo, os funcionários de Erdoğan apoiaram frequentemente as reportagens de Taraf. Depois de 2010, em meio à transformação de Erdoğan em um autocrata e sua inclinação para uma ideologia neo-otomana, o jornal, assim como Baransu, tornaram-se bodes expiatórios. Durante quatro anos, Baransu relatou muitos escândalos envolvendo o governo de Erdoğan.

Em 2014, Erdoğan estava convencido de que Baransu precisava ser preso. O então subsecretário do primeiro-ministro, Efgan Ala, ligou para o governador de Istambul, Hüseyin Avni Mutlu, e o instruiu a colocar Baransu sob custódia, derrubando sua porta da frente. A instrução de Ala foi coincidentemente registrada como parte de uma investigação de corrupção.

Pouco depois, Erdoğan realizou seu desejo. Em 2 de março de 2015, Baransu foi preso. Ahmet Altan também seria posteriormente preso. Baransu, que passou seu sexto ano na prisão, ainda está sendo julgado em vários casos, além das sentenças de prisão existentes que totalizam 36 anos e sete meses.

Grupos profissionais de defesa da imprensa na Turquia têm o cuidado de excluir o nome de Baransu de suas reportagens para não atrair a ira de Erdoğan.

Na Turquia de Erdoğan, Baransu encabeça a lista de assuntos a serem evitados a todo custo.

Fonte: https://www.turkishminute.com/2021/03/03/caught-in-erdogan-crosshair-imprisoned-journalist-mehmet-baransu/

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer