Últimas notícias

Quantos feminicídios na Turquia são encobertos como suicídios?

Quantos feminicídios na Turquia são encobertos como suicídios?
março 08
12:54 2021

No ano passado, 300 mulheres foram assassinadas na Turquia, de acordo com uma organização pelos direitos das mulheres. O número de casos não registrados pode ser muito maior, já que o feminicídio costuma ser registrado como suicídios.

O horrível assassinato de mulheres é muito comum na Turquia e as notícias de tais crimes chocam repetidamente grande parte do país. O assassinato em maio de 2018 de Sule Cet, de 23 anos, morador de Ancara, é algo que se alojou particularmente na memória coletiva da Turquia: a jovem foi estuprada no escritório por dois homens bêbados, um deles seu chefe. Depois, ela foi jogada para fora da janela do prédio. Os homens disseram à polícia que Cet havia tirado sua própria vida – embora o legista tivesse detectado um pescoço quebrado, lágrimas na região anal da vítima e sedativos em seu sangue – evidências dificilmente consistentes com suicídio.

O julgamento durou seis meses e foi acompanhado por manifestações e expressões de solidariedade de mulheres. O caso também foi acompanhado com grande compaixão nas redes sociais. A pressão pública trouxe resultados, com o tribunal de Ancara condenando o criminoso à prisão perpétua e seu cúmplice a quase 19 anos de prisão.

Naquela época, grupos de direitos das mulheres esperavam que a atenção que o caso atraiu levasse a uma mudança na sociedade – não apenas com o apoio da sociedade civil, mas também do sistema judicial turco.

O caso de Sule Cet foi uma exceção?

Infelizmente, nada parece ter mudado muito desde então, com vários novos casos em que alegações de suicídio foram usadas na tentativa de encobrir o feminicídio. Mais recentemente, a trágica morte de Ayten Kaya, de 35 anos, da cidade de Diyarbakir, no sudeste da Turquia, ganhou as manchetes. Kaya foi encontrada enforcada em sua própria casa. Os investigadores concluíram que ela havia cometido suicídio. O Ministério Público Estadual encerrou o caso.

Mas a família da mulher não aceita essa versão. Eles acreditam que ela foi assassinada e dizem que a conclusão oficial estava cheia de buracos e contradições.

A autópsia não registrou a hora da morte, por exemplo. E todo o seu corpo estava coberto de hematomas – dificilmente compatíveis com a morte por enforcamento. A autópsia também mostrou que a mulher tinha hematoma de três dias no corpo. Seu marido, um trabalhador rural sazonal, estivera em casa exatamente três dias antes. No entanto, apesar das inúmeras objeções, os promotores estaduais decidiram não reabrir o caso.

Ativistas pelos direitos das mulheres culpam o judiciário

A advogada Gurbet Gozde Engin é membro do ramo Diyarbakir da Rosa, uma associação de mulheres. Ela relata que mais quatro mulheres morreram em circunstâncias semelhantes durante as semanas após a morte de Ayten Kaya e diz que os promotores se recusaram a investigá-las. “Nos casos em que mulheres morreram em circunstâncias em que o suicídio parece muito duvidoso, deve ser possível direcionar as investigações para outra direção. Não é apenas um crime matar, também é um crime declarar que o feminicídio é suicídio.”

Hatice Coruk, da associação de mulheres Kadin Kultur Evi Dernegi, culpa todo o sistema de justiça: “Temos que ser mais desconfiados sempre que um feminicídio é classificado como suicídio. É cada vez mais um disfarce para o feminicídio.” Leyla Soydinc, da Mor Cati Kadin Siginagi Vakfi, uma associação feminina com sede em Istambul, também vê um problema estrutural. “Em um sistema de justiça dominado por homens, muitos dos crimes cometidos [contra as mulheres] ficam impunes”.

Ela diz que os homens podem ter certeza de que serão considerados inocentes pelo sistema de justiça assim que enquadrarem o feminicídio como suicídio. “Para fazer um suicídio ostensivo parecer mais plausível, o arquivo do caso diz coisas como ‘não estava de bom humor, tive problemas psicológicos’.”

300 feminicídios, 171 mortes suspeitas

As campanhas nas redes sociais sobre o tema e a ação determinada dos grupos de defesa dos direitos das mulheres colocam cada vez mais o governo e o judiciário sob pressão. Mas ambos abafaram esse problema por muito tempo e até agora foi impossível discernir qualquer vontade política real de combater a violência contra as mulheres. Isso, apesar do fato de que 300 feminicídios foram registrados em 2020, de acordo com números publicados pela organização chamada We Will Stop Femicides. A organização diz que outras 171 mulheres foram encontradas mortas em circunstâncias suspeitas na Turquia durante o mesmo período. Alguns desses casos também incluíam supostos suicídios.

Muitas mulheres turcas apostam suas esperanças de mudança na Convenção de Istambul do Conselho da Europa. O tratado de prevenção e combate à violência contra a mulher e à violência doméstica data de 2014, sendo que a convenção obriga os signatários a criarem um marco para isso. A Turquia ratificou o acordo há cinco anos, apoiando-o legalmente ao aprovar uma lei para prevenir a violência contra as mulheres e proteger a família.

Mas, na prática, os críticos dizem que as normas legais da Convenção de Istambul não foram adotadas e que as medidas previstas de apoio e proteção às mulheres não foram realizadas. A violência e a discriminação contra as mulheres só podem ser evitadas se o judiciário e as agências de aplicação da lei da Turquia realmente implementarem a convenção.

Fonte: https://www.dw.com/en/how-many-femicides-in-turkey-are-covered-up-as-suicides/a-56752194

Marcadores

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer