Últimas notícias

Por trás do pânico WhatsApp na Turquia: a experiência ByLock

Por trás do pânico WhatsApp na Turquia: a experiência ByLock
janeiro 13
18:35 2021

Dezenas de milhares de pessoas na Turquia começaram a deixar o aplicativo de mensagens WhatsApp para outros aplicativos mundiais, como Telegram, Signal ou o BiP desenvolvido nacionalmente. A ansiedade em relação ao WhatsApp foi causada principalmente por rumores que circulavam entre o público turco de que o conteúdo da correspondência privada seria compartilhado com as autoridades da Turquia sob novas configurações de privacidade que estão prestes a acontecer. Além disso, a detenção em massa de dezenas de milhares de pessoas nos últimos anos por causa do suposto uso de outro aplicativo de mensagens, o ByLock, também é visto como um motivo de preocupação subjacente.

Em 4 de janeiro, o WhatsApp anunciou mudanças em seus termos de uso e política de privacidade a partir de 8 de fevereiro. A mudança torna impossível para os usuários não divulgarem seus dados para o proprietário do WhatsApp no Facebook, o que é na verdade uma implementação de uma política de dados no as obras desde 2016.

No entanto, a notícia se espalhou na Turquia quando o WhatsApp foi habilitado para coletar mensagens privadas e entregar o conteúdo ao governo turco. O debate chegou aos principais tópicos de tendência do Twitter na Turquia, e muitas pessoas anunciaram que estavam removendo o WhatsApp ou excluindo todas as suas mensagens anteriores.

A reação decorre do encarceramento em massa de pessoas nos últimos anos sobre o suposto uso do aplicativo de mensagens ByLock, que estava disponível na Apple Store até 2014 e no Google Play antes de 2016. Relatórios afirmam que o serviço de inteligência da Turquia (MIT), invadiu o servidor do aplicativo na Lituânia e copiou seu conteúdo. Outros alegaram que a MIT pagou à empresa proprietária do servidor para fazer isso. Posteriormente, as investigações foram iniciadas sobre os usuários do ByLock na Turquia, e o uso do aplicativo foi interpretado pelos tribunais turcos como filiação ao movimento Hizmet, que o governo turco acusa de orquestrar um golpe fracassado em julho de 2016 e listar como terrorista organização. O governo alega que o aplicativo foi usado exclusivamente por membros do grupo.

De acordo com dados do Ministério do Interior, no final de 2019, um total de 82.894 pessoas enfrentaram investigações pelo uso do ByLock e as autoridades estavam investigando 14.791 outras. Dezenas de milhares dessas pessoas foram presas.

Em muitos dos casos, as autoridades turcas não conseguiram acessar o conteúdo da correspondência dos detidos no ByLock.

Governo promove BiP

A maioria das pessoas que saiu do WhatsApp geralmente prefere Telegram ou Signal. No entanto, outro aplicativo de mensagens popular é o BiP, que pertence à operadora GSM Turkcell, da qual o governo turco detém a maioria das ações. Funcionários próximos ao presidente Recep Tayyip Erdoğan, bem como à mídia pró-Erdoğan, têm defendido o aplicativo, usando o frequente slogan publicitário de Erdoğan “doméstico e nacional”.

No entanto, BiP não oferece criptografia de ponta a ponta, como WhatsApp ou Signal. É por isso que é mais fácil interceptar a correspondência escrita e as chamadas de voz dos usuários.

O aplicativo produzido na Turquia solicita acesso a muito mais dados do que o WhatsApp solicita para o Facebook com sua atualização mais recente.

Surpreendentemente, um dos que criticaram o BiP foi o veemente jornalista pró-Erdoğan Ismail Kılıçarslan.

“Por nossos dados pessoais e privacidade,o BiP promete um estado policial inteiro, nada menos”, disse Kılıçarslan. “Todos os nossos dados pessoais são coletados para otimização de publicidade, enquanto cada coisa que escrevemos uns para os outros está à disposição dos funcionários de segurança. Isso está incluído nos termos com os quais concordamos quando instalamos o BiP. ”

O genro de Erdoğan entre os que estão excluindo o WhatsApp

A militância dos círculos pró-Erdoğan em favor da exclusão do WhatsApp e da instalação do BiP para substituí-la foi recebida com ceticismo e apreensão. Alguns acreditam que o governo está insistindo no BiP para poder acessar dados pessoais com mais facilidade e controlar a rede de mensagens em caso de agitação social ou crise.

A tag do Twitter ‘WhatsAppSiliyoruz’ (Estamos excluindo o WhatsApp) foi especialmente apoiada por pessoas próximas a Erdoğan, uma das quais era Selçuk Bayraktar, genro de Erdoğan, dono de uma grande empresa que opera na indústria de defesa.

Bayraktar twittou que estava saindo do WhatsApp e sugeriu uma lista de alternativas. BiP estava no topo da lista.

Declaração do Facebook

O Facebook, empresa dona do WhatsApp, divulgou um comunicado sobre as mudanças planejadas nas configurações de privacidade, anunciando que a atualização não traz nada de novo ao compartilhamento de dados do WhatsApp com o Facebook e não afeta a forma como os usuários interagem entre si. A empresa disse que a nova política foi comunicada através do WhatsApp para permitir que os usuários a revisem antes de entrar em vigor no próximo mês.

Fonte:https://www.turkishminute.com/2021/01/12/turkey-whatsapp-panic-the-bylock-experience/

Marcadores

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer