Últimas notícias

Refugiadas enfrentam estupro, abuso e graves violações de direitos na Turquia

Refugiadas enfrentam estupro, abuso e graves violações de direitos na Turquia
dezembro 28
18:19 2020

Refugiados que entram na Turquia pela fronteira com o Irã enfrentam violações de direitos humanos que vão desde estupro e assédio sexual a abuso físico e privação de cuidados de saúde adequados, de acordo com um relatório do site de notícias Duvar.

A Diretoria Geral de Gestão da Migração disse que havia 1.698 refugiados registrados em Van; no entanto, a maioria desses refugiados não conseguiu receber cuidados de saúde adequados devido às barreiras linguísticas e à pobreza.

De acordo com o jornalista Hale Gönültaş, que foi pessoalmente à cidade de Van para avaliar a situação, além da falta de atendimento, os refugiados também foram submetidos a crueldade e tratamento desumano.

Os refugiados que foram registrados na diretoria receberam carteiras de identidade temporárias com números de segurança social. Esses cartões permitem o acesso a serviços de saúde gratuitos; no entanto, a instituição de previdência social não ativou os cartões no ano passado, tornando difícil para os refugiados acesso aos hospitais.

A incapacidade de receber cuidados de saúde fez com que refugiados com COVID-19 e outras doenças graves tivessem de esperar em casa com esperança de melhorar. Gönültaş disse que as famílias de refugiados viviam em alojamentos pequenos e apertados e que cada família tinha em média cinco filhos, o que fez com que o COVID-19 se propagasse mais facilmente.

“A maioria das pessoas infectadas com COVID-19 não consultou um médico ou recebeu remédios e não fez um exame de acompanhamento”, disse Gönültaş.

Na Turquia, se os refugiados conseguem atravessar a fronteira sem serem detectados pelas forças de segurança, eles têm o direito de solicitar asilo no representante distrital da Direção-Geral de Gestão da Migração. No ano passado, os representantes em Van disseram aos refugiados que não estavam fazendo mais nenhum registro e os estavam enviando para outras cidades.

No entanto, refugiados não registrados são considerados ilegais na Turquia e não têm o privilégio de viajar entre as cidades. As empresas de ônibus pedem identificação ou autorização de residência, e os refugiados que não podem fornecer documentos às vezes viajam no compartimento de bagagem dos ônibus.

De acordo com Gönültaş, os refugiados pagam muito dinheiro por essas viagens de ônibus perigosas. Se forem apanhados pelas forças de segurança, são encaminhados para um centro de repatriação, onde aguardam a devolução ao país de origem.

Gönültaş disse que há relatos de mulheres refugiadas que disseram ter sido estupradas e abusadas em centros de repatriação. “A iraniana Z.N. foi alegadamente estuprada no centro de repatriação de Van por dois oficiais ”, disse Gönültaş. “Ela contou ao tradutor o que havia acontecido com ela, que alertou as autoridades, e seu caso  foi notícia na mídia .”

A reclamação de Z.N. foi investigada pela promotoria. Gönültaş disse que as imagens das câmeras de segurança mostraram que policiais entraram em seu quarto, embora fosse proibido.

A investigação também revelou vestígios de DNA de um dos policiais nas roupas de Z.N. Ambos os policiais foram presos, mas Z.N desapareceu durante o julgamento. Gönültaş disse que a mulher reapareceu no mesmo centro de repatriação meses depois, onde foi mantida incomunicável.

“Embora ela tenha sofrido um trauma, ela não foi examinada por um médico ou enviada para o hospital”, disse Gönültaş. “Ela foi mantida durante meses no mesmo centro onde foi estuprada.”

De acordo com Gönültaş, o centro queria enviar Z.N. discretamente de volta ao Irã enquanto o julgamento dos oficiais continuava. Nesse ínterim, nenhum dos advogados que a representam pode contatá-la. No entanto, com a ajuda de seus advogados e da  associação profissional de advogados de Van, ela foi finalmente enviada para uma cidade diferente, onde seus parentes residiam.

Z.N. não foi a única mulher refugiada que foi estuprada durante a jornada por uma vida melhor e mais segura. Uma mulher ruandesa que entrou na Turquia pela fronteira com o Irã foi estuprada por três contrabandistas.

A mulher apresentou queixa e um dos contrabandistas foi preso. No entanto, quando a  associação de advogados tentou alcançar a mulher, eles não conseguiram encontrá-la, o que os levou a supor que ela foi deportada discretamente.

Gönültaş disse que muitas mulheres refugiadas foram ameaçadas para ficarem em silêncio sobre abusos e estupros. As mulheres que foram entrevistadas pela associação de advogados recusaram-se a registrar queixa porque homens em posições de autoridade ameaçaram deportá-las se o fizessem.

Fonte: https://stockholmcf.org/refugee-women-face-rape-abuse-and-gross-rights-violations-in-turkey/

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer