Últimas notícias

Deputada do AKP nega buscas íntimas em prisões da Turquia e acusa a oposição de aterrorizar o parlamento

Deputada do AKP nega buscas íntimas em prisões da Turquia e acusa a oposição de aterrorizar o parlamento
dezembro 22
10:10 2020

Na esteira da indignação nas redes sociais sobre as buscas em prisões e centros de detenção da Turquia, a vice-presidente do Partido da Justiça e Desenvolvimento (AKP), Özlem Zengin, negou as acusações e acusou o deputado que os trouxe as denuncias  ao plenário de terrorismo a legislatura. 

O deputado do Partido Democrático dos Povos (HDP) Ömer Faruk Gergerlioğlu, também um proeminente ativista dos direitos humanos, tem levantado queixas no parlamento sobre as buscas íntimas nas prisões, dizendo que o governo do AKP, que chegou ao poder exigindo liberdade para mulheres muçulmanas usarem lenço de cabeça, agora está dizendo às mulheres para tirarem as roupas íntimas.

“Nunca acreditei na existência de revistas em quadrinhos na Turquia. Simplesmente não existe tal coisa ”, disse Zengin numa entrevista ao serviço turco Euronews na quinta-feira.

Uma campanha de mídia social denunciando as buscas íntimas está em andamento no Twitter, com muitas pessoas, tanto mulheres quanto homens, relatando experiências de buscas íntimas indevidas durante a detenção ou visitas à prisão.

“Não fique quieto contra a revista íntima” foi amplamente compartilhado com a hashtag turca #CiplakAramayaSessizKalma por ativistas e mulheres que foram vítimas de assédio em prisões ou sob custódia policial. A campanha de mídia social foi lançada para aumentar a conscientização sobre o aumento da  violência sexual em prisões contra presidiários, detidos e também familiares de presidiários.

Zengin disse que o ministro do Interior, Süleyman Soylu, já respondeu às alegações no parlamento, acusando Gergerlioğlu de usar táticas “Fetö” e de aterrorizar o parlamento, ao levantar tais reivindicações.

Fetö é um termo cunhado pelo governo turco para se referir ao movimento Hizmet como uma organização terrorista, já que o governo do AKP acusa o movimento de ser o mentor de um golpe fracassado na Turquia. O movimento nega veementemente qualquer envolvimento no golpe fracassado e quaisquer atos de terrorismo.

“Como diabos isso pôde acontecer? E eles estão falando sobre mulheres religiosas (que foram submetidas a revistas íntimas)? Sou uma pessoa que dedicou toda a sua vida aos direitos das mulheres. Podemos tolerar a busca de uma mulher dessa maneira? Deve haver algum motivo ”, disse Zengin.

Desde a tentativa de golpe, os seguidores do movimento Hizmet têm sido alvo de uma repressão massiva na Turquia, com o governo turco e meios de comunicação pró-governo demonizando seus membros.

De acordo com uma declaração do ministro do Interior turco Soylu em 26 de novembro, um total de 292.000 pessoas foram detidas, enquanto outras 96.000 foram presas devido a supostas ligações com o movimento Hizmet desde o golpe fracassado. O ministro disse que atualmente há 25.655 pessoas nas prisões da Turquia que foram presas por causa de ligações com o movimento.

As mulheres que foram submetidas as revistas intimas são principalmente aquelas que foram detidas ou presas sob a acusação de terrorismo devido à sua suposta filiação ao movimento Hizmet. Nesta categoria de prisioneiros  incluem-se professoras, médicas e donas de casa que trabalharam em organizações ligadas a movimento, assinantes de jornais ligados ao movimento ou doadores que apoiaram organizações de ajuda filiada ao Hizmet, pois estas atividades são todas consideradas pelas autoridades turcas como  evidências de filiação ao movimento Hizmet, portanto, terrorismo.

Gergerlioğlu frequentemente menciona as violações dos direitos humanos vividas por vários grupos.

O relato mais recente de uma revista íntima que ele trouxe à atenção do público ocorreu na província do Egeu de Uşak, onde um grupo de estudantes mulheres que foram detidas devido a supostas ligações com o movimento Gülen foram revistadas antes de serem internadas em um centro de detenção no final de agosto.

Gergerlioğlu disse que as jovens ainda estavam psicologicamente abaladas pela experiência, já que foram submetidas a procedimentos  humilhantes, durante os quais os guardas riam delas.

Desde a negação de Zengin das buscas íntimas nas prisões e centros de detenção da Turquia, mais e mais mulheres compartilharam vídeos nas redes sociais nos quais relataram suas experiências com estes procedimentos humilhantes e como foi difícil para elas viver com o trauma que infligiram.

Fonte: https://www.turkishminute.com/2020/12/18/deputy-denies-strip-search-in-turkish-prisons-accuses-prominent-mp-of-terrorizing-parliament/

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer