Últimas notícias

Comentários sobre presos políticos geram ameaças de morte para líderes da oposição turca

Comentários sobre presos políticos geram ameaças de morte para líderes da oposição turca
novembro 30
18:23 2020

O número de ameaças de morte dirigidas contra figuras da oposição na Turquia aumentou depois de declarações feitas por políticos da oposição condenando a prisão de figuras políticas de alta importância.

Kemal Kılıçdaroğlu, chefe do principal partido da oposição, o Partido Republicano do Povo (CHP), recebeu uma série de ameaças severas por criticar a prisão de Selahattin Demirtaş, líder do Partido Democrático do Povo (HDP) pró-curdo .

Em 17 de novembro, Kılıçdaroğu criticou o Partido da Justiça e Desenvolvimento (AKP) da Turquia por “libertar o líder da máfia e traficantes de drogas” enquanto prendia “prisioneiros de consciência”.

Não muito depois desse discurso, ele foi ameaçado pelo infame mafioso Alaattin Çakıcı, que o acusou de traição por defender Demirtaş. Em uma carta, escrita à mão, cheia de obscenidade, Çakıcı alertou o líder do CHP para “ser sensato”.

Çakıcı foi preso em 2004 por várias acusações, incluindo assassinato, mas foi libertado em abril como parte de uma lei de anistia para reduzir a população carcerária durante o COVID-19. Sua libertação era há muito requisitada pelo líder do Partido do Movimento Nacionalista (MHP), Devlet Bahçeli, cujo partido considera Çakıcı um herói, por ter envolvimento em execuções extrajudiciais de membros do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) e seus apoiadores.

Desde a ameaça de Çakıcı contra Kılıçdaroğlu, outras figuras da oposição turca foram alvos de ataques violentos ou profundamente partidários da mídia pró-AKP.

Melih Gökçek, ex-prefeito do AKP de Ancara por mais de duas décadas até 2018, acessou o Twitter no fim de semana e compartilhou um vídeo com membros do CHP e outros partidos da oposição. No vídeo, esses parlamentares estavam assumindo posições críticas sobre as decisões de política externa turca, incluindo a compra do sistema de mísseis russo S-400.

Anexado ao vídeo, Gökçek escreveu em maiúsculas “AQUI ESTÁ A REAL FACE DA OPOSIÇÃO!”

O colunista do jornal Türkiye Fuat Uğur escreveu um artigo no sábado, no qual descreve como a mídia pró-governo falou sobre conspirações para matar Kılıçdaroğlu. Ele escreveu sobre um cenário particular em que o líder do CHP poderia ser ferido.

 “Um dos pró-cripto kamikazes da  FETO apontará o gatilho para Kemal Kılıçdaroğlu , assim como o assassinato de Karlov ”, escreveu Uğur. “No entanto, após o assassinato não resolvido, a pessoa a ser acusada será Alaattin Çakıcı, que é parente de Devlet Bahçeli, o líder do MHP, que é parceiro da Aliança do Povo no poder . “Em outras palavras, seria criada a percepção de que o assassinato advém de uma disputa politica.” disse o colunista do Türkiye Fuat Uğur, fazendo paralelos entre sua conspiração e o  assassino do embaixador russo Andrey Karlov em 2016, cujo agressor foi acusado de ser um gülenista pelo presidente Recep Tayyip Erdogan e seu governo após o ato.

Essas ameaças derivam em parte de um partidarismo geral que aumentou nos últimos meses em meio a desafios econômicos e de política externa. No início de novembro, Erdoğan prometeu iniciar reformas econômicas e judiciais para ressuscitar uma Lira anêmica. Ele também abriu a porta reaproximação tanto com a União Europeia quanto com os Estados Unidos.

Após os comentários de Kılıçdaroğlu sobre Demirtaş, o Ministério Público de Ancara anunciou que preparou um resumo do processo que levaria à remoção de sua imunidade parlamentar para que ele pudesse ser julgado por “elogiar um crime e um infrator”. O ímpeto foi supostamente uma reclamação apresentada pelo MHP contra o líder do CHP.

Bahçeli acusou Kılıçdaroğlu de simpatizar com o PKK e defendeu Çakıcı como um “ülkücü” ou um membro dos Lobos Cinzentos, uma organização ultranacionalista turca com ligações ao MHP. Ele também se referiu ao mafioso acusado como seu “camarada”.

“Kılıçdaroğlu não pode mudar a agenda que trabalha contra ele…” Bahçeli tuitou em 18 de novembro. “A cooperação com o PKK certamente arcará com o custo democrático de seu diálogo com a FETO.”

FETO é a abreviatura para a Organização Terrorista Fethullah Gülen, uma nomenclatura que o governo turco criou em sua campanha de expurgo generalizado no país para se referir ao Movimento Hizmet. Apoiadores de Fethullah Gülen, um dos primeiros aliados de Erdogan que vive hoje em exílio, são acusados ​​de orquestrar a tentativa de golpe fracassada de julho de 2016 contra Erdoğan.

O vice-líder do CHP, Engin Özkoç, criticou o MHP por atuar como “carrasco” para Erdogan e o AKP ao  pressionar por acusações contra Kılıçdaroğlu.

 “O MHP tem que voltar às realidades do país e buscar soluções para os problemas das pessoas. Aqueles que tentam silenciar a oposição nunca devem esquecer que nem o presidente de  nosso partido, Kemal Kılıçdaroğlu, nem os legisladores desistirão de dizer a verdade e proteger os interesses do povo”, disse Özkoç.

De acordo com Özkoç, retirar de  Kılıçdaroğlu  sua imunidade parlamentar  para que ele pudesse ser processado por declarações políticas seria a primeira vez na história da república turca. Qualquer decisão de retirar a imunidade de um parlamentar seria feita pelo porta-voz da Grande Assembleia Nacional, cujo assento é atualmente preenchido pelo membro do AKP, Mustafa Şentop.

A moção para suspender a imunidade de Kılıçdaroğlu foi enviada ao gabinete do Presidente do Parlamento, mas precisaria ser votada para entrar em vigor. A votação não acontecerá até que os legisladores decidam incluí-la na agenda.

Desde agosto, 1.020 moções sobre 175 deputados aguardavam na comissão parlamentar de justiça. A maioria está nos dois maiores blocos de oposição, com 54 deputados do Partido Democrático dos Povos (HDP) de oposição pró-curda enfrentando 774 moções e 95 deputados do CHP de centro-esquerda enfrentando 225.

No início de junho, três deputados da oposição perderam seus estatutos parlamentares quando a assembleia geral decidiu votar as moções sobre eles. Em novembro de 2017, 12 deputados do HDP foram detidos e nove deles – incluindo o próprio Demirtaş – foram presos depois que uma emenda constitucional retirou todas as imunidades parlamentares.

Fonte : https://ahvalnews.com/kemal-kilicdaroglu/remarks-over-political-prisoners-prompt-death-threats-turkeys-opposition-leaders

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer