Últimas notícias

Erdoğan chama Demirtaş de “terrorista” e nega a existência de um problema curdo na Turquia

Erdoğan chama Demirtaş de “terrorista” e nega a existência de um problema curdo na Turquia
novembro 27
16:12 2020

O presidente turco Recep Tayyip Erdoğan referiu-se ao político curdo Selahattin Demirtaş, preso político desde novembro de 2016, como um terrorista e negou a existência de um problema curdo na Turquia.

Os comentários de Erdoğan ocorreram em uma reunião de seu Partido da Justiça e Desenvolvimento (AKP) na quarta-feira, enquanto criticava os recentes comentários do ex-peso pesado do AKP Bülent Arınç, que pediu a libertação da prisão de Demirtaş, bem como do empresário e ativista de direitos humanos Osman Kavala dizendo que estão presos com base em acusações legalmente fracas.

Em comentários televisionados na semana passada, Arınç também disse que leu um livro escrito por Demirtaş na prisão, intitulado “Devran”, e que ele entendeu melhor as agonias vividas pela população curda do país. “Talvez suas ideias sobre Demirtaş não mudem, mas você vai entender o que os curdos passaram. Suas ideias sobre os curdos podem mudar ”, acrescentou  Arınç.

Em resposta às declarações Erdoğan comentou, sem mencionar o nome de Arınç:  “Estou ofendido com a sugestão de que todos leiam um livro escrito por um dos terroristas”.

Na terça-feira, a pedido de Erdogan, Arınç anunciou sua renúncia do Conselho Consultivo Superior Presidencial depois que seus comentários sobre Demirtaş e Kavala foram criticados pelo presidente turco.

Em resposta à declaração de Arınç no domingo, Erdoğan recusou-se a dar-lhe apoio, dizendo que os planos recentemente anunciados por seu governo para fazer novas reformas econômicas e judiciais levaram tentativas de provocar o povo.

Demirtaş, que era co-presidente do Partido Democrático do Povo Curdo (HDP) quando foi preso, está atrás das grades desde então, apesar da existência de uma decisão do Tribunal Europeu dos Direitos Humanos (ECtHR) em novembro de 2018 que determinou que a prisão preventiva de Demirtaş foi um ato político e exige sua libertação.

Os tribunais turcos recusaram-se a implementar a decisão do tribunal europeu e um tribunal regional de apelações posteriormente manteve uma sentença de prisão concedida a Demirtaş por disseminar propaganda terrorista. Demirtaş concorreu contra Erdoğan como candidato presidencial nas eleições de 2014 e 2018.

Em comentários que aparentemente vão agradar ao aliado eleitoral de seu partido, o Partido do Movimento Nacionalista (MHP), Erdoğan também disse em seu discurso que não há problema curdo na Turquia, o que representou mais uma mudança de atitude em relação à existência desse problema.

Em um desvio marcante de seus comentários em um discurso histórico que proferiu na província de Diyarbakır no sudeste da Turquia  em 2005, no qual  pela primeira vez, reconheceu a existência de um problema curdo na Turquia.  Erdoğan em discurso na quarta disse: “Eles falam sobre um problema curdo. Que tipo de problema curdo é esse? No meu discurso em Diyarbakır em 2005, disse que não há problema curdo neste país e, se houver, sou responsável por isso e iremos corrigi-lo.”

As observações de Erdoğan também foram uma distorção  de suas próprias palavras, já que ele havia de fato reconhecido a existência de um problema curdo na Turquia naquela época.

No discurso proferido em 12 de agosto de 2005, Erdoğan, então primeiro-ministro, reconheceu pela primeira vez, em nome do Estado turco, que a Turquia tinha um problema frequentemente referido como a questão curda. Ele havia prometido que a Turquia buscaria resolver a questão por meios pacíficos e democráticos. “A questão curda é uma questão de toda a nação turca. Vamos resolvê-lo com mais democracia e maior bem-estar”, disse na época.

A questão curda da Turquia existe desde os primeiros anos da república.

Durante os 18 anos em que está no poder, o AKP tomou algumas medidas para expandir os direitos dos curdos, mas elas são vistas principalmente como movimentos simbólicos, como o lançamento de uma estação de TV curda e a restauração de nomes de alguns locais que estavam originalmente em curdo.

Os curdos ainda estão privados do direito de receber educação em sua língua materna e não há referência a eles como cidadãos iguais na Constituição turca, duas das principais demandas da população curda do país, entre muitas outras. Além disso, dezenas de membros do maior partido pro curdo da Turquia, o HDP, estão presos sob acusações de terrorismo

Texto original disponível em: https://www.turkishminute.com/2020/11/25/erdogan-calls-demirtas-a-terrorist-denies-existence-of-a-kurdish-problem-in-turkey/

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer