Últimas notícias

Turquia bloqueia inspeção da UE em navio de carga que viaja para a Líbia

Turquia bloqueia inspeção da UE em navio de carga que viaja para a Líbia
novembro 25
17:48 2020

A Turquia bloqueou um navio militar alemão de inspecionar um navio de carga turco suspeito de transportar armas para a Líbia.

Na noite de domingo, a fragata alemã Hamburg parou o cargueiro de bandeira turca, Roseline A, como parte de uma missão da União Europeia chamada Operação Irini

 Mas a busca teve que ser abandonada depois que Ancara protestou e negou permissão para o navio ser revistado.

O Ministério das Relações Exteriores da Turquia denunciou a inspeção como “não autorizada e enérgica” e disse que todos os tripulantes do cargueiro foram revistados à força.

Dessa forma o vice-ministro Sedat Onel convocou o embaixador italiano, o Encarregado de Negócios da Embaixada da Alemanha e o enviado da UE à Turquia para protestar formalmente contra o incidente.

A Alemanha rejeitou as reclamações da Turquia e afirma que todos os protocolos foram seguidos na missão, acrescentando que nenhuma arma ou material ilícito foi encontrado no navio.

Na terça-feira, a ministra da Defesa da Alemanha, Annegret Kramp-Karrenbauer, rejeitou as acusações da Turquia e disse que seu protesto contra o embarque do navio era injustificado.

“Os soldados se comportaram corretamente e agiram absolutamente de acordo com o mandato da missão europeia Irini”, disse Kramp-Karrenbauer em uma entrevista coletiva.

A Operação Irini foi lançada pela UE em 31 de março para controlar e fazer cumprir a Resolução do Conselho de Segurança das Nações Unidas que proíbe o envio de armas para a Líbia.

A missão usa meios aéreos, via satélite e marítimos para ajudar a “trazer estabilidade na Líbia e paz para sua população”.

A Líbia está dividida entre duas facções em conflito desde a queda de Muammar Kadafi em 2011: o governo de unidade de Trípoli (GNA), reconhecido pela ONU, que é apoiado pela Turquia, e as forças orientais lideradas pelo marechal Khalifa Haftar.

Os lados rivais assinaram um cessar-fogo permanente na sexta-feira, mas permanece o ceticismo sobre se o acordo será cumprido.

 Por que a Turquia bloqueou a revista?

A equipe alemã da missão Irini embarcou no navio de carga Roseline A para procurar armas suspeitas às 17:54 (15:54 CET) no domingo.

A equipe encontrou o navio em águas internacionais, a cerca de 200 quilômetros ao norte do porto de Benghazi, de acordo com um comunicado à imprensa.

O navio havia partido de Yarimca, na Turquia, em 20 de novembro, e estava navegando em direção a Misrata, na Líbia…

O capitão do cargueiro cooperou e compartilhou informações detalhadas sobre a carga e a viagem do navio, de acordo com o Ministério das Relações Exteriores da Turquia.

Ancara diz que as forças alemãs, com armas em mãos, abordaram o navio de helicóptero e conduziram uma busca que durou várias horas.

“Todo o pessoal, inclusive o capitão, foi revistado à força, a tripulação  foi concentrada e detida em um só lugar e os contêineres foram revistados à força, com um soldado armado em pé à frente do capitão”, disse o Ministério de relações exteriores em nota.

Imagens divulgadas pela Agencia de Noticias Demiroren  afirmam mostrar soldados alemães revistando a tripulação do navio, que é obrigada a permanecer com as mãos na cabeça na sala de controle.

A Turquia diz que a inspeção foi realizada sem o consentimento deles, nem do capitão do navio, e violou o direito internacional.

“Esta intervenção, que foi iniciada sob uma suspeita ambígua e continuou até meia-noite, foi encerrada apenas com as persistentes objeções de nosso país.”

Lamentamos a detenção do nosso navio, que parece não ter violado o embargo de armas, sendo impedido de prosseguir sua rota por horas em severas condições climáticas, e o fato da tripulação  ter sido tratada como criminoso durante a inspeção”.

 “Protestamos contra esse ato de uso não autorizado e forçado”, afirmou o ministério, acrescentando que se reserva o direito de buscar indenização por eventuais danos e perdas.

Na terça-feira, o ministro da Defesa, Hulusi Akar, renovou as críticas às ações da fragata alemã, dizendo que o incidente foi “contra as leis e práticas internacionais”.

Nenhum material militar foi encontrado a bordo

A Alemanha rejeitou as alegações da Turquia e diz que a missão seguiu todos os protocolos.

De acordo com um porta-voz em Berlim, os militares advertiram as autoridades turcas de sua intenção de inspecionar o navio e, na ausência de qualquer objeção, procederam ao embarque após quatro horas, de acordo com a prática marítima internacional

“Se não houver objeção dentro de um período de quatro horas, isso é considerado como consentimento tácito”, disse um porta-voz do Ministério da Defesa ao Euronews.

“A fragata Hamburgo agiu de acordo com as instruções do comando de operação e de acordo com as regras estabelecidas no mandato para a operação.”

A decisão de fazer a busca não foi tomada pelos militares alemães, mas pelo quartel-general da Operação Irini em Roma, acrescentou o porta-voz.

“A situação a bordo [Roseline A] foi cooperativa”, afirmou também o Comando do Bundeswehr no Twitter.

Berlin confirmou que a inspeção foi posteriormente cancelada pela liderança da missão, uma vez que Ancara vetou a busca, e disse que a equipe permaneceu a bordo até que pudessem retornar com segurança à fragata.

“Após consulta ao comando do navio, a equipe de embarque permaneceu a bordo até o amanhecer para poder retornar com segurança a Hamburgo”, disse o Ministério.

Em outra declaração, a Operação Irini disse que a inspeção foi realizada “de acordo com as resoluções relevantes do Conselho de Segurança da ONU” e que a missão permitiu buscas em águas internacionais.

“Fizemos esforços de boa fé para obter o consentimento do Estado de bandeira”, disse a UE.

“Não tendo recebido resposta do Estado de bandeira, o Comandante do navio e sua tripulação assumiram uma atitude cooperativa para com a equipe de embarque.”

 “Quando o Estado de bandeira deixou claro que negava a autorização para inspecionar a embarcação, a Operação IRINI suspendeu as atividades”.

Todos os lados concordaram que nenhum material ou armas ilícitas foram encontrados a bordo do Roseline A durante a breve inspeção.

A Turquia disse que o navio estava transportando alimentos, tintas e materiais de ajuda humanitária do Porto de Ambarli para Misrata.

O cargueiro de 148 metros foi autorizado a continuar sua viagem para a Líbia e deve chegar ao porto às 21h CET de segunda-feira

A Operação Irini também diz que todos os cuidados recomendados do COVID-19 foram observados durante a inspeção.

As reivindicações turcas de um “padrão discriminatório”

De acordo com as orientações da Operação Irini, as equipes militares podem embarcar em um navio para inspeção “contra a vontade da tripulação” sem o consentimento do Estado de bandeira.

Onde o embarque é resistido, uma equipe de forças especiais pode “forçar o acesso” e realizar uma operação de busca com foco na segurança e eficiência.

O incidente de domingo foi o segundo exemplo de tensões entre a Turquia e as forças navais de um país aliado da OTAN.

Em junho, a Otan lançou uma investigação depois que a França disse que uma de suas fragatas foi “destacada” três vezes por um radar  naval turco quando tentou se aproximar de um navio civil de bandeira turca,  suspeito de envolvimento no tráfico de armas.

A Turquia considera que a missão da UE é tendenciosa e acusa a UE de bloquear armas para o governo de Trípoli, ignorando as fornecidas a Khalifa Haftar por seus aliados.

“A neutralidade da Operação Irini … está atualmente em discussão”, disse o Ministério das Relações Exteriores da Turquia.

 “É uma operação que não controla o apoio de armas ao golpista Haftar e é usada arbitrariamente para punir o legítimo governo líbio”.

 “Este  padrão discriminatório e tratamento ilegal aplicado aos navios que transportam do nosso país para a Líbia nunca é aceitável”.

Os países membros da Operação Irini – incluindo Alemanha e França – emitiram um comunicado conjunto na segunda-feira ameaçando aplicar sanções contra “todas as partes líbias ou internacionais” que possam pôr em risco o frágil processo de paz em curso no país.

Segundo a UE, Irini ajudou a documentar as violações do embargo por parte da Turquia e da Rússia, dois países também envolvidos no conflito.

A inspeção do Roseline A foi a quinta atividade de embarque desde o lançamento da missão.

O bloco também sancionou um armador turco culpado de violação do embargo em setembro, congelando seus bens.

Annegret Kramp-Karrenbauer sublinhou que “a Turquia ainda é um parceiro importante para nós na OTAN”, mas reconheceu que o país representa um “grande desafio” para os esforços europeus devido às suas políticas e agenda internas.

Texto Original Disponível em:  https://www.euronews.com/2020/11/23/turkey-blocks-an-eu-mission-inspection-of-a-cargo-vessel-travelling-to-libya

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer