Últimas notícias

Turquia e Kosovo violaram direitos fundamentais de professores deportados, diz a ONU

Turquia e Kosovo violaram direitos fundamentais de professores deportados, diz a ONU
novembro 20
17:27 2020

O Grupo de Trabalho das Nações Unidas sobre Detenção Arbitrária (GTDA) concluiu que a prisão, detenção e transferência forçada de seis professores turcos por agentes dos Estados kosovar e turco em Kosovo em 29 de março de 2018 foi arbitrária e violou as normas e padrões internacionais de direitos humanos , de acordo com um comunicado de imprensa visto pelo Turkish Minute na quarta-feira.

Kahraman Demirez, Mustafa Erdem, Hasan Hüseyin Günakan, Yusuf Karabina, Osman Karakaya e Cihan Özkan foram presos em Kosovo a pedido da Turquia em março de 2018, devido a supostas ligações com escolas financiadas pelo movimento Hizmet e um golpe fracassado em 2016. O movimento Hizmet nega qualquer envolvimento.

O GTDA considerou que a privação de liberdade de seis cidadãos turcos pelas autoridades kosovares e turcas era uma violação dos direitos à igualdade e à não discriminação, o direito à vida, liberdade e segurança, o direito a um recurso efetivo, o direito à liberdade de arbitrariedade prisão e detenção, o direito a um julgamento justo e o direito à liberdade de opinião e expressão.

Portanto o grupo da ONU apelou a Ancara para libertar os seis indivíduos imediatamente e aos governos turco e Kosovar para conceder às vítimas o direito exequível a compensação e outras reparações, de acordo com o direito internacional.

 “No contexto atual da pandemia global da doença coronavírus (COVID-19) e da ameaça que ela representa em locais de detenção, o Grupo de Trabalho apela ao Governo da Turquia para tomar medidas urgentes para garantir a libertação imediata dos seis indivíduos, ”Dizia o comunicado de imprensa do GTDA.

De acordo com o relatório da ONU, toda a operação foi planejada e executada pela Agência de Inteligência do Kosovo, que havia assumido a autoridade policial e assumido o controle de escritórios de polícia, contrariando as normas de procedimentos legais nacionais e internacionais.

 “Os funcionários da agência de Inteligência também emitiram ordens para os oficiais de controle de fronteira no aeroporto e foi a Agência, e não o Ministério do Interior, que obteve as passagens aéreas e cuidou de toda a logística da transferência.”

Dessa forma os senhores Demirez, Erdem, Günakan, Karabina, Karakaya e Özkan foram entregues às autoridades turcas no Aeroporto Internacional de Pristina, disse o relatório.

Dias depois da deportação dos seis homens, o primeiro-ministro de Kosovo, Ramush Haradinaj, demitiu o ministro do Interior e chefe do serviço secreto do país porque não foi informado que os seis seriam deportados para a Turquia.

Um relatório da comissão parlamentar concluiu que a deportação foi ilegal e que a constituição foi violada 31 vezes durante as prisões.

A oposição de Kosovo acusou o presidente Hashim Thaci de ordenar as deportações por causa de suas relações estreitas com o presidente turco Recep Tayyip Erdoğan. Thaci negou qualquer acusação.

Günakan, um dos seis, foi condenado a oito anos de prisão.

Ancara disse que os seis eram recrutadores para uma rede dirigida pelo clérigo Fethullah Gülen nos Estados Unidos e ajudaram pessoas acusadas de ligações com sua rede a deixar a Turquia durante uma operação de segurança na qual dezenas de milhares de pessoas foram demitidas ou presas.

Em seu auge, o movimento Hizmet operou escolas em 160 países, do Afeganistão aos Estados Unidos. Desde a tentativa de golpe, a Turquia pressionou aliados para fechar os estabelecimentos administrados pelo movimento.

Texto original disponível em: https://www.turkishminute.com/2020/11/19/exclusive-turkey-kosovo-violated-fundamental-rights-of-expelled-teachers-un-body-says/

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer