Últimas notícias
  • SADAT, “Exército paralelo” de Erdoğan, pode assassinar dissidentes O notório chefe da máfia turca, Sedat Peker, alegou em uma série de tweets que a SADAT, um grupo paramilitar ligado ao Presidente Recep Tayyip Erdoğan, poderia possivelmente realizar assassinatos de dissidentes que vivem na Turquia e no exterior num futuro próximo, noticiou a mídia local. ...
  • Deputado pede a libertação de paciente com câncer terminal Um deputado do Partido Democrata Popular (HDP), pró-curdo, pediu a libertação imediata de Ayşe Özdoğan, uma mulher criticamente doente que sofre de uma forma rara de câncer e foi enviada para a prisão para cumprir uma sentença de condenação por vínculos com o movimento Hizmet no início deste mês, informou a mídia local. ...
  • Outro Dia, Outro Expurgo no Banco Central da Turquia As cabeças estão rolando no banco central da Turquia, desta vez por não baixar as taxas de juros agressivamente o suficiente. Cortes mais profundos provavelmente virão, talvez logo na próxima semana. Este é um jogo perigoso quando a maior parte do mundo está se movendo na direção oposta. É improvável que uma moeda já maltratada se saia bem, e qualquer fragmento de credibilidade que a política monetária tenha deixado neste icônico mercado emergente será corroído. ...
  • O advogado do Twitter na Turquia tuita discurso de ódio contra o movimento Hizmet O advogado Gönenç Gürkaynak, que representa o Twitter na Turquia, usou de discurso de ódio contra apoiadores do movimento Hizmet numa série de tweets no sábado, perguntando se consideravam exterminar-se a si próprios, informou na segunda-feira o Stockholm Center for Freedom. ...
  • O Alto Custo de uma Turquia Imprevisível Faltando vinte meses para as eleições legislativas e presidenciais na Turquia, o debate político será feroz. O Ocidente poderá optar por não ver a sua relação com Ancara deteriorar-se ainda mais.  ...
  • Lançada investigação sobre assassinatos políticos antes das eleições de 2023 Um promotor turco iniciou uma investigação sobre as reivindicações, recentemente manifestadas por altas figuras da oposição, de que os assassinatos políticos podem ocorrer na Turquia à medida que as eleições de 2023 se aproximam, informou a mídia local na quarta-feira. ...
  • AKP e MHP rejeitam moção para investigar os atentados de 2015 em Ancara  Partido da Justiça e Desenvolvimento da Turquia (AKP) e seu aliado, o Partido do Movimento Nacionalista (MHP), rejeitaram uma moção parlamentar para investigar o ataque terrorista mais mortal da história da Turquia, que custou a vida de mais de 100 pessoas em Ancara em 2015, noticiaram os meios de comunicação turcos. ...
  • Turquia registra 30.563 novos casos de COVID-19, o maior desde 30 de abril A Turquia registrou 30.563 novos casos de COVID-19 na segunda-feira, o maior número de infecções diárias desde 30 de abril, os dados do Ministério da Saúde mostraram. ...
  • Fugindo do Talibã: A luta de um policial afegão para entrar na Turquia Com a crescente preocupação com uma crise humanitária no Afeganistão, as autoridades da Turquia intensificaram a segurança em suas fronteiras e advertiram que não aceitarão um afluxo de migrantes e refugiados afegãos. ...
  • Iraque prende chefe financeiro do ISIL procurado pelos EUA na Turquia O Iraque capturou Sami Jasim al-Jaburi, o suposto chefe financeiro do Estado islâmico no Iraque e no Levante (ISIL) que era procurado pelos Estados Unidos, em uma operação no exterior, informou na segunda-feira a Agence France-Presse, citando as autoridades iraquianas. ...

Os grupos salafistas da Turquia estão pegando em armas?

Os grupos salafistas da Turquia estão pegando em armas?
outubro 13
16:29 2020

Relatos de aumento da posse privada de armas entre grupos islâmicos radicais Salafi lançaram luz sobre os riscos do aumento do salafismo e do armamento individual na Turquia.

A preocupação em torno do armamento de grupos salafistas foi desencadeada quando o televangelista muçulmano Ahmet Mahmut Unlu – também conhecido como Ahmet Hodja – ganhou as manchetes no início de setembro quando alertou as autoridades turcas sobre o armamento crescente entre as associações salafistas. “São cerca de 2.000 associações. Eles estão pegando em armas”, disse Unlu em uma entrevista televisionada em 9 de setembro, alertando que os grupos estavam “se preparando para uma guerra civil”. Unlu disse que pode citar mais de 200 associações.

O alerta de Unlu levou o Ministério do Interior da Turquia a iniciar uma investigação sobre o assunto, com o ministro do Interior turco, Suleyman Soylu, dizendo em 1º de outubro que o Unlu em breve seria convidado a testemunhar na frente das autoridades sobre suas alegações.

Embora os comentários do Unlu tenham desencadeado uma discussão pública mais ampla sobre o assunto, as preocupações sobre a presença salafista na Turquia não são novas. De acordo com um relatório de inteligência de 2015, a ideologia Salafi tem cerca de 20.000 apoiadores na Turquia.

O aviso também reflete uma luta de poder mais ampla entre as comunidades religiosas tradicionais da Turquia e grupos salafistas. Por exemplo, em 2019, um grupo de salafistas armados atacou membros de uma ordem religiosa ultraconservadora conhecida como Ismailaga e feriu alguns deles na província costeira de Izmir, no Egeu, na Turquia.

Segundo o teólogo Cemil Kilic, o principal motivo dessa luta são as diferenças ideológicas.

Kilic disse que o salafismo, que constitui a base ideológica de grupos terroristas islâmicos radicais como a Al-Qaeda, o Estado Islâmico e o Boko Haram, rejeita as ordens islâmicas.

“O salafismo visa sectos religiosos, acreditando que eles minam o Islã. “Eles são contra o sufismo, santuários, xeques e dervixes. Eles pensam que os sectos da Turquia não sejam radicais e que sejam grupos de interesse [buscando seus interesses]”, disse Kilic ao Al-Monitor. “Eles também consideram o AKP não islâmico”, acrescentou.

De acordo com Kilic, refugiados sírios, afegãos e paquistaneses com crenças salafistas desempenharam um papel importante no avanço da ideologia salafista na Turquia. Kilic disse que o salafismo se fortaleceu especialmente nas regiões predominantemente curdas do sudeste e leste da Turquia, com organizações salafistas alcançando os habitantes locais, abrindo casas de chá, associações e fundações.

Ayhan Akcan, psiquiatra que faz parte do conselho da Umut Foundation, uma importante ativista contra o armamento individual, disse que a verdadeira questão não é quem está pegando em armas; em vez disso, é a extensão do armamento não registrado na Turquia. Akcan disse que cerca de 26 milhões têm acesso a armas de fogo na Turquia, com apenas 4 milhões delas legalmente permitidas. “Noventa por cento das armas privadas não são registradas. Isso significa nove em cada 10”, disse ele ao Al-Monitor. Diante desses números, seria ingênuo pensar que apenas grupos salafistas estão pegando em armas.

O governo, entretanto, não considerou o aumento como uma ameaça até recentemente. A principal proposta da oposição de lançar um inquérito parlamentar sobre o assunto foi rejeitada por membros do Partido da Justiça e Desenvolvimento em 2017. Além disso, o governo aumentou o número máximo de balas permitido para cada arma autorizada de 200 para 1.000 em 2018.

A mudança “jogou lenha na fogueira” em um país onde a polarização é abundante, de acordo com o contra-almirante aposentado Turker Erturk. “Isso significa que você pode comprar 3.000 balas se tiver três armas. Este é um passo perigoso”, disse Erturk ao Al-Monitor. Ele observou que o número de balas que os oficiais do exército aposentados podem obter ainda é limitado a 200. “O que isso significa? Os soldados aposentados são menos confiáveis ​​do que os civis?” Erturk perguntou.

A leniência do governo com o armamento civil começou após a tentativa de golpe de 15 de julho. Ersin Kalaycioglu, professor de ciência política da Universidade Sabanci de Istambul, observou que dezenas de armas distribuídas a civis no período pós-tentativa de golpe nunca foram devolvidas.

“Provavelmente o governo agora está informado sobre a gravidade da situação e sentiu a necessidade de agir”, disse ele ao Al-Monitor.

Os esforços recentes do governo para conter o armamento privado entre grupos radicais são um passo na direção certa, Kalaycioglu acrescentou: “Esta é a primeira vez que o governo está tratando desse assunto”.

O especialista em segurança Abdullah Agar disse que armamento privado entre qualquer grupo organizado representa riscos para a segurança interna.

Salientando que todos os grupos organizados e ilegais, como o Estado Islâmico ou o Partido dos Trabalhadores do Curdistão, têm uma tendência a aumentar seus armamentos, Agar disse ao Al-Monitor: “Isso constitui um risco, independentemente do número de armamentos”.

Ele disse que todas essas organizações são propensas à manipulação por meio de ações táticas, que por sua vez podem levar a distúrbios civis, como aconteceu no Iraque em 2006, quando a Al-Qaeda atacou uma mesquita xiita em Samarra.

Agar também disse que o contrabando de armas da Síria e do Iraque para a Turquia atingiu níveis graves. “Esses contrabandistas estão manipulando as pessoas na direção de seus interesses”, disse ele.

Se a investigação do governo sobre o armamento privado será limitada às organizações salafistas ou não, permanece uma questão em aberto. As operações policiais contra grupos salafistas podem ter aliviado as preocupações das ordens religiosas na Turquia, mas a presença de milhões de armas de fogo e rifles não registrados ainda continua a ser uma preocupação para a paz e segurança social na Turquia.

Fonte: Are Turkey’s Salafi groups taking up arms? 

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer