Últimas notícias

As forças armadas da Turquia estão sobrecarregadas?

As forças armadas da Turquia estão sobrecarregadas?
outubro 13
16:43 2020

Se a Turquia intervir em Nagorno-Karabakh, seria apenas a última entrada na lista crescente de aventuras militares de Ancara.

Na escalada do conflito entre a Armênia e o Azerbaijão sobre o disputado enclave de Nagorno-Karabakh no Cáucaso, a maioria das potências globais pediu um cessar-fogo negociado em vez de apoiar um dos lados.

A maioria dos poderes, isto é, exceto a Turquia. Quase imediatamente após o início dos confrontos no final de setembro, Ancara veio em auxílio de seus aliados no Azerbaijão, fornecendo armas, propaganda e supostamente combatentes transferidos da Síria. Em vez de trabalhar por um mínimo de estabilidade, Ancara parece decidida a apoiar Baku – enfurecendo seus aliados da OTAN.

A busca da Turquia por uma maior influência no Cáucaso, particularmente em uma região contestada por armênios e turcos étnicos, não é surpreendente. Se o presidente turco Recep Tayyip Erdogan de fato decidir desdobrar seus militares em Nagorno-Karabakh – que é internacionalmente reconhecido como território azerbaijano soberano, apesar de ser o lar de uma população de maioria armênia e de ser ocupado e considerado um estado independente pela Armênia desde uma guerra no 1990 – seria apenas a mais recente em uma série de complicações estratégicas da Turquia que se estendendo do Mediterrâneo à Ásia Central.

Aqui está uma visão geral de todos os lugares onde os militares da Turquia estão ativos neste exato momento.

1. Líbia

Na guerra civil na Líbia, que começou em 2014, a Turquia apoia o Governo de Acordo Nacional (GNA) apoiado pelas Nações Unidas, que tem sede em Trípoli, mas mantém controle nominal sobre o país. O GNA está enfrentando o Exército Nacional da Líbia, que é liderado pelo general Khalifa Haftar e baseado em Benghazi. As forças de Haftar são apoiadas pela Rússia, França, Egito e Emirados Árabes Unidos.

O envolvimento da Turquia na Líbia está intimamente ligado ao seu papel na guerra civil síria, bem como suas escaramuças com outros estados mediterrâneos, como Grécia e Chipre, por causa das ricas reservas de gás natural e petróleo do mar. Além de fornecer à GNA armas e tecnologia de drones, Ancara enviou milhares de militantes sírios a Trípoli para lutar em seu nome.

2. Síria

Embora a Turquia tenha se envolvido ostensivamente na guerra civil síria em 2011 para se opor às forças do presidente sírio Bashar al-Assad e em 2015 para lutar contra o Estado Islâmico, seu papel no conflito se tornou, de muitas maneiras, uma extensão de sua guerra doméstica contra militantes curdos.

Os curdos no norte da Síria, muitos dos quais fazem parte das Unidades de Proteção do Povo (YPG), têm sido essenciais para repelir as forças do Estado Islâmico. A Turquia, no entanto, pretende combater os militantes curdos dentro e fora de suas fronteiras. Ancara considera o YPG uma extensão do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), que a Turquia considera uma organização terrorista.

Desde 1984, os militares turcos têm a intenção de reprimir a insurgência do PKK em seu sudeste, onde os curdos há muito exigem mais autonomia cultural e política para os 15 milhões de minorias curdas da Turquia. Um tênue cessar-fogo de dois anos entre o governo turco e o PKK desabou em 2015, e estima-se que pelo menos 3.589 curdos e 1.261 forças turcas foram mortos no conflito desde então.

Agora, a Turquia ocupou efetivamente faixas do norte da Síria e continua a realizar ofensivas contra os curdos da região, enquanto busca criar uma zona chamada de segurança para impedir que ondas adicionais de refugiados entrem na Turquia.

3. Chipre do Norte

A Turquia interveio no Norte de Chipre em 1974 e estabeleceu um estado de facto: a República Turca do Norte de Chipre. Não é reconhecido pela comunidade internacional, que considera a República de Chipre como a única entidade soberana da ilha (exceto duas bases militares pertencentes ao Reino Unido). Nicósia, a capital cipriota, continua dividida.

O ex-secretário-geral da ONU, Kofi Annan, tentou resolver a disputa entre a Turquia e a República de Chipre em uma série de negociações de paz no início dos anos 2000, mas estas não levaram a nenhum resultado significativo.

4. Mediterrâneo Oriental

Nos últimos meses, a marinha turca tem atuado em águas reconhecidas pela comunidade internacional como pertencentes à Grécia, um movimento impulsionado pela sede de gás natural da Turquia. Os movimentos irritaram os membros da OTAN, que temem uma escalada das tensões entre os dois inimigos históricos.

Os movimentos da Turquia no Mediterrâneo Oriental são impulsionados pela chamada política da Pátria Azul, que contesta vários acordos internacionais e reivindica muitas ilhas e águas gregas como pertencentes à Turquia.

O impasse adquiriu importância cada vez maior devido às tentativas da União Europeia de incentivar a Turquia a impedir que migrantes não autorizados cruzem o mar vindos da Turquia de barco.

5. Catar e Iraque

A Turquia anunciou em 2019 a conclusão de uma base militar no Catar, um marco para um país que, de outra forma, tem poucos aliados no Golfo. (O Catar é o único membro do Golfo da coalizão apoiada pela Turquia que apóia a GNA na Líbia.) A base da Turquia no Catar se junta às bases existentes em Bashiqa, Iraque – localizada no Curdistão iraquiano – e Mogadíscio.

Fonte: Turkey Seeks Regional Hegemony as It Mulls Nagorno-Karabakh Campaign 

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer