Últimas notícias
  • SADAT, “Exército paralelo” de Erdoğan, pode assassinar dissidentes O notório chefe da máfia turca, Sedat Peker, alegou em uma série de tweets que a SADAT, um grupo paramilitar ligado ao Presidente Recep Tayyip Erdoğan, poderia possivelmente realizar assassinatos de dissidentes que vivem na Turquia e no exterior num futuro próximo, noticiou a mídia local. ...
  • Deputado pede a libertação de paciente com câncer terminal Um deputado do Partido Democrata Popular (HDP), pró-curdo, pediu a libertação imediata de Ayşe Özdoğan, uma mulher criticamente doente que sofre de uma forma rara de câncer e foi enviada para a prisão para cumprir uma sentença de condenação por vínculos com o movimento Hizmet no início deste mês, informou a mídia local. ...
  • Outro Dia, Outro Expurgo no Banco Central da Turquia As cabeças estão rolando no banco central da Turquia, desta vez por não baixar as taxas de juros agressivamente o suficiente. Cortes mais profundos provavelmente virão, talvez logo na próxima semana. Este é um jogo perigoso quando a maior parte do mundo está se movendo na direção oposta. É improvável que uma moeda já maltratada se saia bem, e qualquer fragmento de credibilidade que a política monetária tenha deixado neste icônico mercado emergente será corroído. ...
  • O advogado do Twitter na Turquia tuita discurso de ódio contra o movimento Hizmet O advogado Gönenç Gürkaynak, que representa o Twitter na Turquia, usou de discurso de ódio contra apoiadores do movimento Hizmet numa série de tweets no sábado, perguntando se consideravam exterminar-se a si próprios, informou na segunda-feira o Stockholm Center for Freedom. ...
  • O Alto Custo de uma Turquia Imprevisível Faltando vinte meses para as eleições legislativas e presidenciais na Turquia, o debate político será feroz. O Ocidente poderá optar por não ver a sua relação com Ancara deteriorar-se ainda mais.  ...
  • Lançada investigação sobre assassinatos políticos antes das eleições de 2023 Um promotor turco iniciou uma investigação sobre as reivindicações, recentemente manifestadas por altas figuras da oposição, de que os assassinatos políticos podem ocorrer na Turquia à medida que as eleições de 2023 se aproximam, informou a mídia local na quarta-feira. ...
  • AKP e MHP rejeitam moção para investigar os atentados de 2015 em Ancara  Partido da Justiça e Desenvolvimento da Turquia (AKP) e seu aliado, o Partido do Movimento Nacionalista (MHP), rejeitaram uma moção parlamentar para investigar o ataque terrorista mais mortal da história da Turquia, que custou a vida de mais de 100 pessoas em Ancara em 2015, noticiaram os meios de comunicação turcos. ...
  • Turquia registra 30.563 novos casos de COVID-19, o maior desde 30 de abril A Turquia registrou 30.563 novos casos de COVID-19 na segunda-feira, o maior número de infecções diárias desde 30 de abril, os dados do Ministério da Saúde mostraram. ...
  • Fugindo do Talibã: A luta de um policial afegão para entrar na Turquia Com a crescente preocupação com uma crise humanitária no Afeganistão, as autoridades da Turquia intensificaram a segurança em suas fronteiras e advertiram que não aceitarão um afluxo de migrantes e refugiados afegãos. ...
  • Iraque prende chefe financeiro do ISIL procurado pelos EUA na Turquia O Iraque capturou Sami Jasim al-Jaburi, o suposto chefe financeiro do Estado islâmico no Iraque e no Levante (ISIL) que era procurado pelos Estados Unidos, em uma operação no exterior, informou na segunda-feira a Agence France-Presse, citando as autoridades iraquianas. ...

Ataques a trabalhadores sazonais curdos na Turquia destacam o racismo contínuo

Ataques a trabalhadores sazonais curdos na Turquia destacam o racismo contínuo
setembro 16
16:46 2020

O norte da Turquia é bem conhecido pelo chá e também pelas avelãs, que respondem por 70% da produção de plantas oleaginosas em todo o mundo. Durante a temporada de colheita, os agricultores trazem trabalhadores sazonais, a maioria dos quais curdos ou sírios. Muitos deles trabalham em condições difíceis, muitas vezes sem contrato, e às vezes são vítimas de racismo. Quando um vídeo mostrando um grupo de homens batendo em trabalhadores sazonais curdos, entre eles uma adolescente, apareceu online, isso reacendeu um debate nacional sobre racismo.

Um vídeo filmado em 4 de setembro mostra um grupo de oito homens em Ortaköy Sütmahalle, um vilarejo na província turca de Sakarya, espancando um grupo de trabalhadores sazonais contratados na região de Mardin, a 1.200 quilômetros de distância, para colher avelãs. Os telespectadores ficaram particularmente horrorizados com a imagem de um desses homens agredindo uma garota de 14 anos. Segundo nota do pai, a adolescente ficou traumatizada com o ocorrido.

O grupo de 16 trabalhadores que foi atacado era todos da região de Mardin e a maioria deles eram membros da mesma família. Kasim Demir, o pai da menina mostrada no vídeo, disse à BBC: “Os homens foram atrás das crianças. Eu não os vi bater na minha filha. Se eu os tivesse visto bater nas mulheres, as coisas teriam sido diferentes.” Ele acrescentou que o ataque foi de natureza racista e que eles sofreram abusos por causa de sua identidade curda.

Um membro da família, Baris Demir, disse à agência de imprensa curda Mésopotamie que entre os perpetradores estavam o filho e o sobrinho do proprietário da fazenda de avelãs. Demir acrescentou que a violência começou após uma briga no local onde os funcionários sazonais trabalhavam:

“Quando fomos para a fazenda naquela manhã, o dono nos insultou e nos chamou de “matilha”. Quando saímos, ele nos ameaçou, dizendo “Você acha que está em casa aqui? Esta [terra] pertence a nós. “Então, oito pessoas empunhando cassetetes vieram e nos atacaram.”

A família deixou o local imediatamente e voltou para Mardin de microônibus na manhã seguinte.

Ataques anteriores contra curdos em Sakarya

Depois que a história foi publicada na mídia turca, dois agressores foram presos antes de serem libertados sob certas condições. Vários representantes do partido no poder, o AKP (Partido da Justiça e Desenvolvimento), alegaram que o ataque não tinha qualquer conotação racista e que era apenas uma “disputa entre camponeses”.

Representantes da comunidade curda, incluindo Abdulhakim Daş, presidente da plataforma das Associações do Sudeste (DGD), disseram que “este ataque é a manifestação prática de uma mentalidade racista cultivada [neste país] ao longo do século passado”.

Em outubro de 2019, um grupo de seis pessoas linchou um trabalhador sazonal curdo de 19 anos chamado Sirin Tosun, depois que ele se atreveu a falar em curdo. Tosun foi então baleado na cabeça e morreu após 54 dias na UTI.

Em dezembro de 2018, em Sakarya, um curdo foi morto no meio da rua quando ia buscar o filho no barbeiro. Os homens que atacaram o pai perguntaram de onde ele era e ele disse que era curdo antes de ser morto.

“A população local desta região é conhecida por sentimentos ultranacionalistas”

Özgür Çetinkaya frequentemente trabalha com trabalhadores sazonais na Turquia em sua função de líder de projeto para a cooperativa “Oficina de Desenvolvimento” (Kalinma atölyesi), que promove o modelo cooperativo e publica regularmente relatórios sobre o trabalho agrícola sazonal.

“Atos de racismo contra trabalhadores sazonais, em sua maioria sírios ou curdos, ocorrem regularmente na região do Mar Negro, no norte da Turquia. A população local desta região é conhecida por nutrir sentimentos ultranacionalistas. Lembro-me, por exemplo, que o governador da província de Ordu (nordeste) proibiu os trabalhadores sazonais curdos de trabalhar durante a colheita alguns anos atrás [entre 2003 e 2008].

A violência entre os agricultores e os trabalhadores sazonais que eles empregam não é rara. Muitas vezes começa com uma briga por salários ou condições de trabalho. Na Turquia, os trabalhadores sazonais não têm um contrato, apenas um acordo verbal. Se o agricultor não pode pagar ou se ele corta o salário ou paga tarde – todas as ocorrências comuns – isso cria tensão.”

Tensões aumentadas por baixos salários e difíceis condições de trabalho

“Essas tensões são agravadas pela frustração das famílias empobrecidas que passam todo o verão trabalhando, inclusive as crianças, para que possam sobreviver ao inverno em sua região, onde há muito pouco trabalho. Essas pessoas costumam trabalhar de 12 a 13 horas por dia sem equipamento adequado debaixo do sol. Eles carregam cargas pesadas e dormem em galpões ou tendas, muitas vezes com muito pouco conforto.”

“Muitas vezes estão endividados e parte do seu salário [que equivale a 65 a 90 liras turcas por dia, o equivalente a sete a 10 €, enquanto o salário mínimo legal é de 115 liras ou 13 € por dia] é pago ao intermediário que lhes encontra trabalho.”

A empresa italiana Ferrero, que produz notavelmente a famosa pasta de Nutella, é a maior compradora das avelãs colhidas por trabalhadores sazonais no norte da Turquia. Para pressionar por melhores condições de trabalho para esses trabalhadores agrícolas e o uso generalizado de trabalho infantil, a empresa multinacional iniciou programas de treinamento para produtores de avelãs. A Ferrero também lançou um processo para rastrear a origem das avelãs. Mas, como a BBC revelou em 2019, essas iniciativas não fazem o suficiente para resolver os problemas de trabalho infantil e salários que estão bem abaixo do salário mínimo. 

Fonte: Attacks on Kurdish seasonal workers in Turkey highlight continued racism 

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer