Últimas notícias

Comitê europeu anti-tortura relata abuso em prisões turcas

Comitê europeu anti-tortura relata abuso em prisões turcas
agosto 10
20:53 2020

O Comitê do Conselho da Europa para a Prevenção da Tortura e Penas ou Tratamentos Desumanos ou Degradantes (CPT) publicou na quarta-feira relatórios sobre sua visita periódica de 2017 e visita ad hoc de 2019 à Turquia, levantando várias alegações de abuso de detidos nas mãos das autoridades turcas.

“O principal objetivo das visitas de 2017 e 2019 foi examinar o tratamento e as condições de detenção das pessoas detidas pela polícia e gendarmaria”, disse o Conselho da Europa em um comunicado. “Para esse fim, a delegação do CPT entrevistou centenas de pessoas que estavam ou estiveram recentemente sob custódia policial, incluindo por suspeita de crimes relacionados ao terrorismo, na área de Ancara, Diyarbakır e Istambul.”

Os relatórios observaram problemas contínuos de tratamento arbitrário, maus-tratos, condições insalubres nas prisões, superlotação, tortura e assédio por parte de funcionários, descrevendo os detalhes de várias dessas alegações.

“A CPT também continua preocupada com a existência de restrições legais ao acesso a advogado durante a fase inicial da custódia policial para determinados crimes graves, e destaca a importância para a prevenção de maus tratos de garantir esse acesso desde o início da custódia policial ”, observou o relatório de 2019.

“Além disso, apesar das recomendações específicas repetidamente feitas pelo Comitê após visitas anteriores, o sistema de controles médicos obrigatórios no início e no final da custódia da polícia permaneceu fundamentalmente falho”, acrescentou.

“Além disso, o CPT observa com grande preocupação que, da mesma forma que em visitas anteriores à Turquia, os serviços de saúde nas prisões visitadas não tinham recursos suficientes. Por exemplo, na prisão de Silivri nº 5 e na prisão de Maltepe nº 3, com cerca de 2.800 e 2.500 reclusos, respectivamente, havia apenas um médico e cinco enfermeiras. Na Prisão nº 1 de Şanlıurfa tipo T, havia apenas um médico e quatro enfermeiras para quase 1.600 prisioneiros ”.

“Além disso, várias pessoas alegaram que foram ameaçadas para não mostrarem os ferimentos por policiais presentes durante os controles médicos.”

O relatório de 2019 disse que “o problema da superlotação carcerária permaneceu agudo e o aumento constante no tamanho da população carcerária já observado em meados dos anos 2000 continuou. … Consequentemente, um grande número de presos nesses estabelecimentos não tinha cama própria e tinha que dormir em colchões colocados no chão.”

Ele também acrescentou que “todos os prisioneiros foram mantidos em confinamento solitário na maior parte do tempo (ou seja, 159 horas de 168 horas por semana, incluindo 24 horas por dia nos fins de semana). De acordo com o Comitê, tal situação não é aceitável. ”

A comissão também sublinhou que os seus apelos anteriores para uma revisão do regime de detenção da Turquia foram ignorados pelo governo.

Fonte: European anti-torture committee reports allege abuse in Turkish detention facilities 

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer