Últimas notícias
  • Forte terremoto atinge a Grécia, Chipre, Turquia e Egito Um forte terremoto atingiu várias ilhas na Grécia e outras regiões do Mediterrâneo Oriental, incluindo a região sul da Antália na Turquia, bem como cidades no Egito. ...
  • UE diz que Turquia ainda está “recuando” nas reformas e sombria nas chances de adesão O executivo da União Europeia disse na terça-feira que a candidatura da Turquia à adesão ao bloco havia "parado" em meio a sérias deficiências democráticas, em seu relatório anual mais crítico desde que Ancara iniciou as negociações de adesão há 16 anos. ...
  • Embaixada da Turquia nas Filipinas espionou 29 críticos de Erdoğan A Embaixada da Turquia nas Filipinas espionou os cidadãos turcos no país e encaminhou a lista de perfis ilegais para Ancara, o que levou ao lançamento de procedimentos judiciais infundados contra eles, informou o Nordic Monitor, citando documentos legais. ...
  • Lira turca atinge recorde de baixa enquanto Erdogan despede banqueiros centrais A lira turca afundou a uma baixa recorde em relação ao dólar americano na quinta-feira depois que o presidente Recep Tayyip Erdoğan demitiu três membros do banco central em um decreto no meio da noite, informou a Agence France-Presse. ...
  • Condições de trabalho degradantes expulsam médicos da Turquia Milhares de médicos estão deixando a Turquia como resultado dos baixos salários aliados à violência que enfrentam de pacientes zangados e seus familiares, uma situação só agravada pela pandemia do coronavírus e pela crise econômica resultante. ...
  • SADAT, “Exército paralelo” de Erdoğan, pode assassinar dissidentes O notório chefe da máfia turca, Sedat Peker, alegou em uma série de tweets que a SADAT, um grupo paramilitar ligado ao Presidente Recep Tayyip Erdoğan, poderia possivelmente realizar assassinatos de dissidentes que vivem na Turquia e no exterior num futuro próximo, noticiou a mídia local. ...
  • Deputado pede a libertação de paciente com câncer terminal Um deputado do Partido Democrata Popular (HDP), pró-curdo, pediu a libertação imediata de Ayşe Özdoğan, uma mulher criticamente doente que sofre de uma forma rara de câncer e foi enviada para a prisão para cumprir uma sentença de condenação por vínculos com o movimento Hizmet no início deste mês, informou a mídia local. ...
  • Outro Dia, Outro Expurgo no Banco Central da Turquia As cabeças estão rolando no banco central da Turquia, desta vez por não baixar as taxas de juros agressivamente o suficiente. Cortes mais profundos provavelmente virão, talvez logo na próxima semana. Este é um jogo perigoso quando a maior parte do mundo está se movendo na direção oposta. É improvável que uma moeda já maltratada se saia bem, e qualquer fragmento de credibilidade que a política monetária tenha deixado neste icônico mercado emergente será corroído. ...
  • O advogado do Twitter na Turquia tuita discurso de ódio contra o movimento Hizmet O advogado Gönenç Gürkaynak, que representa o Twitter na Turquia, usou de discurso de ódio contra apoiadores do movimento Hizmet numa série de tweets no sábado, perguntando se consideravam exterminar-se a si próprios, informou na segunda-feira o Stockholm Center for Freedom. ...
  • O Alto Custo de uma Turquia Imprevisível Faltando vinte meses para as eleições legislativas e presidenciais na Turquia, o debate político será feroz. O Ocidente poderá optar por não ver a sua relação com Ancara deteriorar-se ainda mais.  ...

Último refúgio dos jornalistas da Turquia, mídias sociais na mira de Erdogan

Último refúgio dos jornalistas da Turquia, mídias sociais na mira de Erdogan
julho 22
21:01 2020

Para o jornalista turco Emre Kızılkaya, as mídias sociais é uma necessidade. Ele usa plataformas como o Twitter desde 2008, twittando durante os protestos do Parque Gezi em Istambul em 2013 e quando soldados invadiram o prédio do seu jornal após a tentativa frustrada de golpe de 2016.

Mas se os legisladores turcos atenderem aos apelos do presidente Recep Tayyip Erdogan neste mês por maior controle sobre as mídias sociais, Kızılkaya e outros jornalistas poderão perder uma das últimas plataformas que lhes permitem reportar livremente.

Um projeto de lei – apresentado pela primeira vez em abril e apoiado por Erdogan – exige que grandes plataformas, como Twitter, Facebook e Google, nomeiem um representante legal na Turquia para lidar com solicitações judiciais para remover conteúdo ou fornecer a identidade dos usuários. As empresas que deixarem de nomear um representante dentro de 30 dias após a entrada em vigor da legislação enfrentarão gradualmente multas e reduções de largura de banda de até 90%, disse um legislador turco a repórteres.

As propostas são uma preocupação

Jornalistas locais e especialistas em direito digital dizem que as propostas são uma preocupação em um país com espaço limitado para jornalismo independente e onde a mídia social desempenha um papel fundamental na divulgação e compartilhamento de notícias.

“Eu verifico o pulso do público nas mídias sociais”, disse Kızılkaya, vice-presidente do comitê nacional do International Press Institute na Turquia e editor de projetos na Journo, uma plataforma de notícias sem fins lucrativos. “A mídia social faz parte da história. Controlá-lo significaria reescrever a história. ”

Erdogan pediu mais controles nas mídias sociais em 1º de julho, um dia depois que os usuários postaram comentários ofensivos quando sua filha e genro anunciaram o nascimento de seu filho. A polícia deteve indivíduos que supostamente estavam por trás de 11 das 19 contas que criticavam a família.

“Essas plataformas não se adequam a esta nação”, disse Erdogan a membros de seu Partido da Justiça e Desenvolvimento (AKP). “Queremos fechá-las, controlá-las, levando [um projeto de lei] ao parlamento o mais rápido possível.”

Erdogan pediu aos legisladores que acelerassem a legislação. Os legisladores disseram terça-feira que estavam submetendo um projeto de lei de nove artigos ao parlamento. Ele deve ser debatido pela assembleia geral na próxima semana.

Ozlem Zengin, uma legisladora do partido no poder, disse a repórteres que o projeto de lei “equilibraria liberdades com direitos e leis”, acrescentando: “Nosso objetivo é pôr um fim aos insultos, xingamentos e assédios feitos pelas mídias sociais”.

Os partidos de oposição disseram estar preocupados com o fato de as medidas limitarem ainda mais o acesso às mídias sociais e notícias independentes, informou a Associated Press.

A liberdade de imprensa está sob ataque na Turquia há anos. Após um golpe militar fracassado em 2016, o governo de Erdogan fechou mais de 150 agências de notícias e prendeu mais de 100 jornalistas, muitas vezes sob acusações relacionadas ao terrorismo.

Jornalistas considerados pró-oposição ou que criticam Erdogan podem acabar no tribunal, inclusive sob a acusação de “insultar o presidente”, e as autoridades bloquearam temporariamente o acesso a sites populares, como YouTube, Wikipedia e Twitter.

O Repórteres Sem Fronteiras diz que a Turquia está realizando uma “caça às bruxas” contra críticos do governo e jornalistas independentes. O órgão de vigilância da mídia com sede em Paris coloca o país na posição 154 entre 180 países, sendo 1 o mais livre em seu Índice de Liberdade de Imprensa Mundial.

Com as redes tradicionais sob ataque, a mídia social se tornou um recurso importante para jornalistas e organizações de mídia, disse Kızılkaya. Empresários pró-governo começaram a assumir os meios de comunicação, que tiveram seu público diminuído. Agora, muitos jornalistas independentes e veículos menores confiam nas mídias sociais para o seu trabalho.

“Pode ser uma das razões pelas quais o governo quer expandir seu controle nas mídias sociais”, disse Kızılkaya. “Colocando de forma simples, o domínio digital é o último refúgio do jornalismo independente na Turquia”.

As plataformas de mídia social são populares entre a população de 84 milhões do país. Em abril, a Turquia tinha 37 milhões de usuários regulares do Facebook – aqueles que acessam suas contas pelo menos uma vez por mês – e 13,6 milhões no Twitter, segundo dados do Statista, um grupo alemão de pesquisa on-line.

A legislação não é a primeira tentativa de Ancara para tentar controlar as mídias sociais.

Nos primeiros seis meses de 2019 – pela informação mais recente disponível – o Twitter recebeu 388 ordens judiciais para pedidos de remoção e 5.685 solicitações de agências governamentais, policiais ou outras organizações, mostra o relatório de transparência da plataforma. O Twitter afirmou que atendeu total ou parcialmente a 5% dos pedidos.

No mês passado, o Twitter removeu permanentemente mais de 7.300 contas que determinou que eram “falsas e comprometidas”. A análise descobriu que contas falsas, bem como alguns perfis associados às críticas do presidente que foram invadidas, foram usadas ​​para promover apoio ao AKP e a Erdogan, disse o Twitter.

‘Máquina de propaganda’

Em resposta, o diretor de comunicações presidencial chamou a plataforma de “máquina de propaganda” e rejeitou as alegações de que as contas estavam apoiando o partido no poder.

O projeto de lei tem implicações preocupantes, disse Raman Jit Singh Chima, diretor de políticas da Ásia e consultor sênior internacional da organização de direitos digitais Access Now, à VOA. Essa legislação envia uma “declaração simbólica” às organizações de notícias, disse ele.

“[Os governos] estão dizendo ‘Olha, cumpra a solicitação que estamos fazendo a você. Caso contrário, vamos chegar a você com uma lei, mudar a lei para torná-lo mais responsável ou mais caro para você operar”, disse ele.

Outros grupos de direitos, incluindo o International Press Institute e o European Centre for Press and Media Freedom, condenaram a lei proposta como uma tentativa de “restringir ainda mais as liberdades”.

“A Turquia é obrigada a garantir o direito à liberdade de expressão e acesso à informação”, dizia uma declaração conjunta.

Kızılkaya disse que, embora as medidas sejam preocupantes, ele tem esperança no futuro do jornalismo independente.

“Os jornalistas de próxima geração da Turquia estão ávidos e são capazes de criar um ambiente melhor para a liberdade de imprensa”, disse Kızılkaya. “Eles se apegam ao jornalismo e insistem em fazê-lo na Turquia para o bem público.”

Mehmet Toroglu contribuiu para este relatório de Washington.

Fonte: Erdogan Eyes Social Media: The Last Refuge for Turkey’s Journalists

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer