Últimas notícias

Na Turquia, você fala a verdade por sua conta e risco

Na Turquia, você fala a verdade por sua conta e risco
julho 17
21:06 2020

“Desde o início, esse foi um julgamento politicamente motivado, com o objetivo de silenciar aqueles que estavam no banco dos réus e enviar uma mensagem para o resto da sociedade: lute pelos direitos humanos ou fale a verdade por sua conta e risco”.

Palavras de Idil Eser, ex-diretor da Anistia da Turquia e um dos 11 defensores dos direitos humanos que passaram quase três anos lutando contra acusações forjadas na Turquia.

Amanhã a espera terminará. Eles ficarão sabendo do veredito em um julgamento que nunca deveria ter ocorrido e, no entanto, se algum deles for considerado culpado, poderá enfrentar até 15 anos de prisão.

Quase três anos atrás, dezenas de policiais invadiram um hotel na pitoresca ilha de Büyükada, perto de Istambul, onde 10 dos 11 estavam participando de um workshop sobre direitos humanos.

Computadores e telefones foram apreendidos e eles foram presos e entuxados em uma van da polícia. Eles – e outro homem, o ex-presidente da Anistia Internacional Taner Kılıç, detido um mês antes – foram acusados ​​de crimes de “terrorismo”.

A promotoria alega que a reunião no hotel onde foram presos foi uma “reunião secreta para organizar uma revolta do tipo Gezi”, a fim de fomentar o “caos” no país.

Ao longo das 11 últimas audiências, as alegações de serem membros ou auxiliar organizações terroristas feitas contra todos os 11 réus foram repetidamente e categoricamente refutadas, inclusive pelas evidências do próprio estado. A tentativa da promotoria de apresentar atividades legítimas de direitos humanos como atos ilegais falhou totalmente.

Depois de mais de 14 meses na prisão, Taner Kılıç foi finalmente libertado em agosto de 2018. Oito dos outros passaram quase quatro meses atrás das grades. Mas milhares de outros presos na profunda e abrangente repressão da dissidência na Turquia permanecem na prisão.

De fato, este julgamento – conhecido como caso Büyükada – é emblemático da onda de repressão que assola a Turquia há quase quatro anos. No final deste mês, a proeminente figura da sociedade civil Osman Kavala marcará seu milésimo dia na prisão com o que ele chamou de “acusações fantásticas”. O autor e ex-editor de jornal Ahmet Altan está chegando ao quarto ano de prisão em setembro. Ambos foram apontados como críticos do governo.

Faz quatro anos desde a tentativa fracassada de golpe que levou à repressão, e ela não mostra sinais de diminuir.

Muitas prisões da Turquia estão superlotadas, com dezenas de milhares em prisão preventiva ou condenadas por acusações relacionadas ao terrorismo. Da mesma forma, os tribunais estão inundados de casos e o medo se tornou a nova norma.

“Na Turquia, defender as liberdades de outras pessoas pode custar as suas próprias liberdades”

Nils Muiznieks, diretor da Anistia Internacional na Europa

Após a sangrenta tentativa de golpe de Estado em julho de 2016, sob o disfarce de um estado de emergência de dois anos, o governo lançou um ataque contínuo à sociedade civil. Surpreendentes 130.000 funcionários do serviço público foram arbitrariamente demitidos e mais de 1.300 organizações não-governamentais e 180 meios de comunicação foram fechados. O jornalismo independente foi praticamente destruído.

Em tais circunstâncias, o trabalho de ativista de direitos humanos se torna mais vital do que nunca e, ao mesmo tempo, mais arriscado.

Esse veredito é importante, não apenas para mulheres e homens no banco dos réus e suas famílias, mas para todos que valorizam os direitos humanos.

Os defensores dos direitos humanos em todo o mundo tornaram-se cada vez mais um alvo. Só a crise do Covid-19 em si já viu uma preocupante reversão de direitos em todo o mundo, com mais de 80 países declarando estados de emergência e muitos adotando medidas fora do comum que afetaram os direitos, incluindo a liberdade de expressão e a liberdade de falar o que se pensa.

“Esse veredito é importante, não apenas para mulheres e homens no banco dos réus e suas famílias, mas para todos que valorizam os direitos humanos”

Nils Muiznieks, recém-nomeado diretor da Anistia Internacional para a Europa

Os ativistas no banco dos réus na Turquia nesta semana estavam cientes dos riscos que estavam correndo. Eles sabiam como a defesa dos direitos humanos estava sendo cada vez mais criminalizada. E eles sabiam que defender a liberdade de outras pessoas na Turquia poderia custar-lhes as suas próprias liberdades.

Infelizmente, devido às restrições de viagens, não serei um desses corajosos ativistas em Istambul, mas eu – e dezenas de milhares em todo o mundo – estarei com eles em espírito.

“Foi uma provação longa e difícil”, diz Idil Eser. “Estamos esperando o melhor, mas estamos prontos para o pior.”

Fonte: In Turkey you speak the truth at your peril

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer