Últimas notícias

Mensagens de hostilidade aumentam lembrando o passado violento na Turquia

Mensagens de hostilidade aumentam lembrando o passado violento na Turquia
junho 11
15:41 2020

A crescente polarização da Turquia ao longo de linhas conservadoras e seculares está mostrando sinais de ser uma “bomba-relógio” e é um lembrete perigoso do passado violento da Turquia, escreveu o colunista Burak Bekdil para Algemeiner.

Bekdil disse que essa polarização, entre apoiadores e oponentes do presidente turco Recep Tayyip Erdoğan, “durante os 18 anos de governo islamista ininterrupto está mostrando sinais de ser uma bomba-relógio. Hoje, na Turquia, o “outro político” não é apenas um rival, mas um traidor, um inimigo interno”.

Bekdil disse que essa inimizade era um lembrete do período entre 1976 e 1980 na Turquia, quando a violência política praticada por grupos de extrema esquerda e extrema-direita matou mais de 5.000 pessoas – que só chegaram ao fim com o golpe militar de 1980.

Bekdil disse que o uso de mortalhas em 2014 pelos apoiadores de Erdoğan que foram às ruas enviou uma mensagem de que estavam prontos para matar e morrer por seu líder.

Bekdil também mencionou um plano proposto em outubro de 2016 pela diretoria geral de assuntos religiosos da Turquia, a Diyanet, para formar grupos de jovens como parte das mesquitas da Turquia. Bekdil descreveu isso como um receio de que seria uma “versão turca da Juventude Hitlerista do Partido Nazista”. Apesar de que os grupos da juventude não foram formados, Bekdil disse que “as mídias sociais estão repletas de ‘guerreiros do Islã’ organizados que ameaçam derramamento de sangue”.

Bekdil também citou vários outros incidentes – incluindo ameaças de um comentarista e âncora no canal de TV pró-Erdoğan Akit que: “Se começarmos a matar civis, começaremos com… [ele nomeou três bairros de Istambul conhecidos por seus estilos de vida seculares liberais]… Existem muitos traidores para serem mortos. Até no parlamento.”

Em abril de 2019, o principal líder da oposição, Kemal Kılıçdaroğlu, foi atacado por uma multidão enfurecida pró-Erdogan e quase foi morto. O principal agressor, um agricultor membro oficial do Partido da Justiça e Desenvolvimento de Erdoğan (AKP), não cumpriu pena na prisão.

Bekdil disse que, apenas um mês antes da tentativa de linchamento, um repórter da Akit TV disse no ar: “A meu ver a opinião pública turca quer que o Kılıçdaroğlu e seus afins sejam executados, enforcados.

Mais recentemente, um usuário de mídia social disse ao prefeito de Istambul Ekrem İmamoğlu – um membro do Partido Popular Republicano de Kılıçdaroğlu – que faria o prefeito beber seu próprio sangue. O usuário de mídia social foi detido, mas depois liberado rapidamente.

Em maio, uma comentarista de televisão disse: “Apoiamos nosso líder (Erdoğan). Não vamos deixar ninguém prejudicá-lo. Minha família sozinha pode matar 50 pessoas. Eu tenho minha lista [de inimigos] pronta. Existem até três a cinco vizinhos na lista. Quando perguntado se esse discurso constituía uma ofensa, o chefe da vigilância disse: “Bem … não vamos exagerar nessa questão”.

Bekdil disse que Erdoğan esperava que a polarização tivesse um efeito de aumento de votos, consolidando seu apoio principal.

“Ele provavelmente está certo. Ele está errado, no entanto, se acha que será capaz de controlar as consequências quando uma alma insana de seus fanáticos cometer um ato violento irrevogável”, disse Bekdil.

Fonte: Turks turn on each other in dangerous reminder of violent past – columnist

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer