Últimas notícias

Centenas detidos na Turquia por repressão à críticas da incursão na Síria

Centenas detidos na Turquia por repressão à críticas da incursão na Síria
novembro 04
11:41 2019

Centenas de pessoas foram detidas na Turquia por comentar ou denunciar a recente ofensiva militar da Turquia no nordeste da Síria e estão enfrentando acusações criminais absurdas à medida que o governo intensifica sua repressão a vozes críticas, disse a Anistia Internacional em um relatório publicado na quinta-feira.

O relatório, intitulado “Não podemos reclamar”, revela como a ofensiva do mês passado – Operação Fonte da Paz – foi acompanhada por uma onda de repressão na Turquia que varreu qualquer pessoa que se desviasse da linha oficial do governo. Jornalistas, usuários de mídias sociais e manifestantes foram acusados ​​de “terrorismo” e submetidos a investigação criminal, detenção arbitrária e proibição de viagens. Se processados ​​e considerados culpados, eles podem enfrentar longas sentenças na prisão.

“Enquanto os tanques atravessavam a fronteira com a Síria, o governo aproveitou a oportunidade para lançar uma campanha doméstica para erradicar as opiniões divergentes da grande mídia, das mídias sociais e das ruas. A discussão crítica sobre questões de direitos e política curdos ficou ainda mais fora dos limites ”, disse a diretora européia da Anistia Internacional, Marie Struthers.

“A linguagem em torno da incursão militar foi fortemente policiada, e centenas de pessoas que expressaram suas opiniões divergentes sobre a operação militar da Turquia foram detidas e estão enfrentando investigações sob as leis antiterrorismo”.

Em 10 de outubro, um dia após o início da ofensiva, a RTÜK, órgão regulador de radiodifusão da Turquia, avisou os meios de comunicação que haveria tolerância zero a “qualquer transmissão que possa impactar negativamente o moral e a motivação dos […] soldados ou enganar os cidadãos através de informações incompletas, falsificadas ou parciais que atendam aos objetivos do terrorismo”.

Dois jornalistas foram detidos no mesmo dia. Hakan Demir, do jornal diário Birgün, foi questionado sobre um tweet na conta oficial do do jornal no Twitter, baseado em um relatório da NBC afirmando que “aviões de guerra turcos começaram a realizar ataques aéreos em áreas civis”.

Enquanto isso, Fatih Gökhan Diler, editor-gerente do site de notícias Diken, foi detido após a publicação de um artigo com a manchete “Reivindicação do SDF: dois civis perderam a vida”. Ambos os jornalistas foram acusados ​​de “incitar a inimizade e o ódio” antes de serem libertados com proibições de viajarem ao exterior até sair o resultado de investigações criminais.

A polícia também invadiu a casa do jornalista e defensor dos direitos humanos Nurcan Baysal às 5 da manhã de 19 de outubro.

A jornalista Özlem Oral foi detida no mesmo dia e interrogada por tweets que criticavam a Operação Fonte da Paz, que foram postados em uma conta no Twitter nem mesmo era dela. Ela foi libertada no dia seguinte com uma proibição de viajar para o exterior, obrigada a se reportar regularmente a uma delegacia local e a não deixar Istambul, onde vive.

Em 27 de outubro, o advogado e colunista Nurcan Kaya foi detido no aeroporto de Istambul por criticar a ofensiva, twittando: “Sabemos por experiência que tudo o que você chama de operação de paz é um massacre.” Ela foi libertada após questionamento, no mesmo dia, mas recebeu uma proibição de viagens internacionais.

Somente na primeira semana da ofensiva, 839 contas de mídia social estavam sendo investigadas por “compartilhar conteúdo criminoso”, com 186 pessoas supostamente levadas sob custódia policial e 24 em prisão preventiva, segundo dados oficiais.

A Operação Fonte da Paz também tem sido usada pelo governo como pretexto para intensificar sua repressão contra políticos e ativistas da oposição. Vários deputados estão atualmente sujeitos a investigações criminais, incluindo Sezgin Tanrıkulu, que está enfrentando uma investigação criminal por comentários que fez na mídia e um tweet que dizia: “O governo precisa saber disso, é uma guerra injustificada e uma guerra contra os curdos. “

De acordo com advogados da Ordem dos Advogados da província de Şanlıurfa, pelo menos 54 pessoas foram presas por agentes de contraterrorismo nos dias 9 e 10 de outubro. Entre eles estavam membros do Partido Democrático dos Povos Curdos (HDP) e membros de sindicatos esquerdistas da oposição.

Na primeira semana da ofensiva militar, pelo menos 27 pessoas, muitas das quais afiliadas ao HDP, foram detidas na província de Mardin por acusações relacionadas ao terrorismo. Os detidos incluíam o prefeito eleito da cidade de Nusaybin. Mais tarde, o governo a substituiu pelo governador de distrito não eleito.

Fonte: https://www.turkishminute.com/2019/11/01/hundreds-detained-in-turkey-in-crackdown-on-criticism-of-syria-incursion-amnesty/

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer