Últimas notícias
  • SADAT, “Exército paralelo” de Erdoğan, pode assassinar dissidentes O notório chefe da máfia turca, Sedat Peker, alegou em uma série de tweets que a SADAT, um grupo paramilitar ligado ao Presidente Recep Tayyip Erdoğan, poderia possivelmente realizar assassinatos de dissidentes que vivem na Turquia e no exterior num futuro próximo, noticiou a mídia local. ...
  • Deputado pede a libertação de paciente com câncer terminal Um deputado do Partido Democrata Popular (HDP), pró-curdo, pediu a libertação imediata de Ayşe Özdoğan, uma mulher criticamente doente que sofre de uma forma rara de câncer e foi enviada para a prisão para cumprir uma sentença de condenação por vínculos com o movimento Hizmet no início deste mês, informou a mídia local. ...
  • Outro Dia, Outro Expurgo no Banco Central da Turquia As cabeças estão rolando no banco central da Turquia, desta vez por não baixar as taxas de juros agressivamente o suficiente. Cortes mais profundos provavelmente virão, talvez logo na próxima semana. Este é um jogo perigoso quando a maior parte do mundo está se movendo na direção oposta. É improvável que uma moeda já maltratada se saia bem, e qualquer fragmento de credibilidade que a política monetária tenha deixado neste icônico mercado emergente será corroído. ...
  • O advogado do Twitter na Turquia tuita discurso de ódio contra o movimento Hizmet O advogado Gönenç Gürkaynak, que representa o Twitter na Turquia, usou de discurso de ódio contra apoiadores do movimento Hizmet numa série de tweets no sábado, perguntando se consideravam exterminar-se a si próprios, informou na segunda-feira o Stockholm Center for Freedom. ...
  • O Alto Custo de uma Turquia Imprevisível Faltando vinte meses para as eleições legislativas e presidenciais na Turquia, o debate político será feroz. O Ocidente poderá optar por não ver a sua relação com Ancara deteriorar-se ainda mais.  ...
  • Lançada investigação sobre assassinatos políticos antes das eleições de 2023 Um promotor turco iniciou uma investigação sobre as reivindicações, recentemente manifestadas por altas figuras da oposição, de que os assassinatos políticos podem ocorrer na Turquia à medida que as eleições de 2023 se aproximam, informou a mídia local na quarta-feira. ...
  • AKP e MHP rejeitam moção para investigar os atentados de 2015 em Ancara  Partido da Justiça e Desenvolvimento da Turquia (AKP) e seu aliado, o Partido do Movimento Nacionalista (MHP), rejeitaram uma moção parlamentar para investigar o ataque terrorista mais mortal da história da Turquia, que custou a vida de mais de 100 pessoas em Ancara em 2015, noticiaram os meios de comunicação turcos. ...
  • Turquia registra 30.563 novos casos de COVID-19, o maior desde 30 de abril A Turquia registrou 30.563 novos casos de COVID-19 na segunda-feira, o maior número de infecções diárias desde 30 de abril, os dados do Ministério da Saúde mostraram. ...
  • Fugindo do Talibã: A luta de um policial afegão para entrar na Turquia Com a crescente preocupação com uma crise humanitária no Afeganistão, as autoridades da Turquia intensificaram a segurança em suas fronteiras e advertiram que não aceitarão um afluxo de migrantes e refugiados afegãos. ...
  • Iraque prende chefe financeiro do ISIL procurado pelos EUA na Turquia O Iraque capturou Sami Jasim al-Jaburi, o suposto chefe financeiro do Estado islâmico no Iraque e no Levante (ISIL) que era procurado pelos Estados Unidos, em uma operação no exterior, informou na segunda-feira a Agence France-Presse, citando as autoridades iraquianas. ...

Segunda Turma do STF nega extradição de Ali Sipahi, acusado de terrorismo pelo governo turco

Segunda Turma do STF nega extradição de Ali Sipahi, acusado de terrorismo pelo governo turco
agosto 07
15:29 2019

Sipahi integra movimento de oposição ao governo Erdogan, e Turquia pediu extradição. Para relator do caso, não há garantia de que julgamento no país será independente e imparcial.

A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) rejeitou nesta terça-feira (6) por unanimidade o pedido de extradição de Ali Sipahi, apresentado pelo governo da Turquia.

Turco naturalizado brasileiro, Sipahi integra um movimento que faz oposição a Recep Tayyip Erdogan, e o governo turco o acusa de terrorismo.

Ele chegou a ser preso em São Paulo em 5 de abril, após pedido do governo da Turquia, mas foi solto duas semanas depois por determinação do relator do caso no STF, Edson Fachin.

Na ocasião, contudo, Fachin impôs as chamadas medidas cautelares, entre as quais uso de tornozeleira eletrônica. Depois, o ministro as revogou, e a decisão foi mantida nesta terça-feira pela Segunda Turma.

Comerciante, Sipahi vive no Brasil há 12 anos, é casado com uma turca e tem um filho brasileiro, de 4 anos.

Voto do relator

Durante a sessão desta terça-feira, Fachin votou contra a extradição. O voto dele foi acompanhado pelos demais ministros da Segunda Turma.

Edson Fachin argumentou que a lei brasileira de terrorismo não retroage e ainda não existia quando a conduta imputada ao turco teria ocorrido. “Ao tempo da prática, não havia tipificação”, enfatizou.

Além disso, o ministro entendeu que não há certeza de que Sipahi terá um julgamento independente e imparcial na Turquia.

“Pode ser considerado fato notório a instabilidade política e até mesmo demissões de juízes bem como prisões de opositores do governo”, afirmou.

“Em tais circunstâncias, há no mínimo uma justificada dúvida quanto às garantias de que o extraditando será submetido a um tribunal independente e imparcial”, acrescentou.

Ainda segundo Fachin, outro óbice à extradição é a “caracterização política da conduta imputada a Ali Sipahi”, que poderia, em tese, ser enquadrada na lei de Segurança Nacional como crime político.

“Do ponto de vista da extradição, há um longo percurso de construção para vedação às extradições por delitos políticos. Logo, mesmo se colhendo caracterização por crime político, encontrar-se-ia desde os primórdios a sustentação da vedação.”

Demais votos

O entendimento de Fachin foi acompanhado pelo ministro Ricardo Lewandowski. “A lei penal não pode ser aplicada a condutas anteriores a sua vigência”, disse.

O ministro Gilmar Mendes argumentou que não se descreve como o turco teria passado a integrar a organização criminosa, nem as funções exercidas, nem o papel no grupo. “A ausência da definição impede a extradição”, ressaltou.

Ministro mais antigo da Corte, Celso de Mello afirmou que a Constituição impede a extradição de estrangeiro por crime político. “Não será concedida extradição de estrangeiro por crime político ou de opinião”, disse.

Última a votar, a ministra Cármen Lúcia também defendeu que o caráter político impede a extradição e as condições apresentadas pela Turquia não demonstram que se teria garantia ao devido processo legal.

Argumentos

O advogado do governo turco, João Batista Lira Rodrigues Junior, afirmou que o país se compromete a aplicar a pena base brasileira, apesar de, na Turquia, o crime ser punido com a prisão perpétua.

“Não podemos ignorar os fatos. Não permitir a extradição é criar uma salvaguarda para esse tipo de pessoa no nosso país”, disse o advogado. Segundo ele, trata-se de “organização terrorista já seria suficiente para a extradição”.

Elaine Angel, advogada de Ali Sipahi, argumentou que a Turquia não é um país que costuma ser tolerante. Segundo ela, há “risco de ser julgado por tribunal de exceção”.

“A escolha de Ali Sipahi é aleatória e sem fundamento. Trata-se de um homem comum convertido em terrorista por força máquina de propaganda do regime autoritário de Erdogan”, disse.

Depósitos

Ali Sipahi virou alvo do pedido de extradição por ter desenvolvido atividades no Centro Cultural Brasil-Turquia, entidade com vínculos com o Movimento Hizmet.

O Hizmet não é considerado um grupo terrorista pela Organização das Nações Unidas (ONU), mas o governo turco discorda dessa classificação.

A Turquia afirma que Sipahi depositou dinheiro em uma conta de banco vinculada ao grupo entre 2013 e 2014.

FONTE:
https://g1.globo.com/politica/noticia/2019/08/06/segunda-turma-do-stf-nega-extraditar-ali-sipahi-acusado-de-terrorismo-pelo-governo-turco.ghtml?utm_source=push&utm_medium=app&utm_campaign=pushg1


Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer