Últimas notícias
  • SADAT, “Exército paralelo” de Erdoğan, pode assassinar dissidentes O notório chefe da máfia turca, Sedat Peker, alegou em uma série de tweets que a SADAT, um grupo paramilitar ligado ao Presidente Recep Tayyip Erdoğan, poderia possivelmente realizar assassinatos de dissidentes que vivem na Turquia e no exterior num futuro próximo, noticiou a mídia local. ...
  • Deputado pede a libertação de paciente com câncer terminal Um deputado do Partido Democrata Popular (HDP), pró-curdo, pediu a libertação imediata de Ayşe Özdoğan, uma mulher criticamente doente que sofre de uma forma rara de câncer e foi enviada para a prisão para cumprir uma sentença de condenação por vínculos com o movimento Hizmet no início deste mês, informou a mídia local. ...
  • Outro Dia, Outro Expurgo no Banco Central da Turquia As cabeças estão rolando no banco central da Turquia, desta vez por não baixar as taxas de juros agressivamente o suficiente. Cortes mais profundos provavelmente virão, talvez logo na próxima semana. Este é um jogo perigoso quando a maior parte do mundo está se movendo na direção oposta. É improvável que uma moeda já maltratada se saia bem, e qualquer fragmento de credibilidade que a política monetária tenha deixado neste icônico mercado emergente será corroído. ...
  • O advogado do Twitter na Turquia tuita discurso de ódio contra o movimento Hizmet O advogado Gönenç Gürkaynak, que representa o Twitter na Turquia, usou de discurso de ódio contra apoiadores do movimento Hizmet numa série de tweets no sábado, perguntando se consideravam exterminar-se a si próprios, informou na segunda-feira o Stockholm Center for Freedom. ...
  • O Alto Custo de uma Turquia Imprevisível Faltando vinte meses para as eleições legislativas e presidenciais na Turquia, o debate político será feroz. O Ocidente poderá optar por não ver a sua relação com Ancara deteriorar-se ainda mais.  ...
  • Lançada investigação sobre assassinatos políticos antes das eleições de 2023 Um promotor turco iniciou uma investigação sobre as reivindicações, recentemente manifestadas por altas figuras da oposição, de que os assassinatos políticos podem ocorrer na Turquia à medida que as eleições de 2023 se aproximam, informou a mídia local na quarta-feira. ...
  • AKP e MHP rejeitam moção para investigar os atentados de 2015 em Ancara  Partido da Justiça e Desenvolvimento da Turquia (AKP) e seu aliado, o Partido do Movimento Nacionalista (MHP), rejeitaram uma moção parlamentar para investigar o ataque terrorista mais mortal da história da Turquia, que custou a vida de mais de 100 pessoas em Ancara em 2015, noticiaram os meios de comunicação turcos. ...
  • Turquia registra 30.563 novos casos de COVID-19, o maior desde 30 de abril A Turquia registrou 30.563 novos casos de COVID-19 na segunda-feira, o maior número de infecções diárias desde 30 de abril, os dados do Ministério da Saúde mostraram. ...
  • Fugindo do Talibã: A luta de um policial afegão para entrar na Turquia Com a crescente preocupação com uma crise humanitária no Afeganistão, as autoridades da Turquia intensificaram a segurança em suas fronteiras e advertiram que não aceitarão um afluxo de migrantes e refugiados afegãos. ...
  • Iraque prende chefe financeiro do ISIL procurado pelos EUA na Turquia O Iraque capturou Sami Jasim al-Jaburi, o suposto chefe financeiro do Estado islâmico no Iraque e no Levante (ISIL) que era procurado pelos Estados Unidos, em uma operação no exterior, informou na segunda-feira a Agence France-Presse, citando as autoridades iraquianas. ...

Correspondentes alemães deixam Turquia

Correspondentes alemães deixam Turquia
março 12
18:35 2019

Dois jornalistas alemães saem da Turquia depois que suas credenciais de imprensa não foram renovadas. Um deles já vivia há mais de 20 anos no país. Berlim condena decisão como inaceitável.

Os correspondentes alemães Thomas Seibert e Jörg Brase deixaram neste domingo (10/03) a Turquia depois que as autoridades do país lhes negaram as credenciais de imprensa para 2019.

Seibert vivia há mais de 20 anos em Istambul como correspondente do jornal Tagesspiegel de Berlim, enquanto Brase trabalhava desde janeiro de 2018 para a emissora pública alemã ZDF.

Ambos receberam há poucos dias uma confirmação verbal das autoridades turcas de que suas credenciais, indispensáveis para trabalhar como correspondentes estrangeiros na Turquia, não seriam renovadas neste ano, embora não tenham indicado um motivo.

“Não nos foi dada nenhuma razão pela qual meu pedido de extensão de minhas credenciais de imprensa tenha sido negado”, disse Brase à DW. “A Turquia também tem uma lei de imprensa que eu não violei – pelo que eu saiba.”

Siebert disse que a decisão de forçá-los a sair do país pode nem ter sido devido a algo que eles tenham escrito.

“Eu não acho que é sobre qualquer coisa que eu tenha escrito”, disse Siebert à DW. “Eu acho que é um recado para a imprensa ocidental. Eles precisam de um bode expiatório ou dois ou três, e eu fui um dos que não tiveram sorte.”

Em encontro com a imprensa em Istambul, horas antes de se dirigir ao aeroporto, ambos denunciaram a decisão como “infundada e incompreensível” e disseram que esta faz parte da pressão geral que o governo turco exerce contra os veículos de imprensa.

(O governo turco) “Já conseguiu silenciar em grande parte a imprensa nacional e está tentando agora com a internacional. Não deveríamos permitir isso”, disse Brase.

Já Seibert destacou que as autoridades turcas entraram em contato com Tagesspiegel e com ZDF para sugerir que enviassem outros correspondentes, algo que ambos os veículos de imprensa rejeitaram.

“Seguiremos informando sobre a Turquia, embora seja desde o estrangeiro”, anteciparam tanto Seibert quanto Brase.

A maior parte dos pelo menos 200 correspondentes estrangeiros credenciados na Turquia recebeu no início de janeiro a credencial anual, como é habitual, mas há várias dezenas de jornalistas, talvez meia centena, que ainda estão aguardando.

Após revelar estas demoras, no final de fevereiro vários jornalistas receberam mensagens do governo com a confirmação de que a credencial tinha sido aprovada e só restaria esperar o envio do documento correspondente.

Seibert e Brase, por outro lado, receberam uma comunicação oficial de rejeição à solicitação.

“Esta decisão prejudica a Turquia mais do que prejudica a ZDF ou a mim pessoalmente”, lamentou Brase em sua despedida.

O ministro de Relações Exteriores da Alemanha, Heiko Maas, disse no sábado que é “inaceitável” que os correspondentes alemães não possam fazer “seu trabalho livremente” na Turquia.

Em declarações ao jornal Tagespiegel, o ministro alemão do Exterior, Heiko Maas, criticou na sexta-feira a recusa das autoridades turcas a emitir credenciais de imprensa aos correspondentes.

“Se os jornalistas encontram obstáculos para exercer seu trabalho, isso não corresponde ao nosso conceito de liberdade de imprensa”, disse Maas, acrescentando que falou sobre isso com seu colega turco, Mevlüt Cavusoglu.

FONTE: https://www.dw.com/pt-br/correspondentes-alem%C3%A3es-deixam-turquia/a-47845764

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer