Últimas notícias

Painel de direitos humanos da ONU pede ao governo turco que liberte jornalistas presos

Painel de direitos humanos da ONU pede ao governo turco que liberte jornalistas presos
junho 23
12:00 2018

Organizações internacionais de direitos humanos e liberdade de imprensa pediram ao governo turco que liberte imediatamente jornalistas presos durante a 38ª sessão do Conselho de Direitos Humanos da ONU (CDH) em Genebra, na Suíça, na quarta-feira.

Um painel de discussão intitulado “Liberdade de imprensa na Turquia”, organizado pela Press Emblem Campaign (PEC), uma organização não governamental com status consultivo especial nas Nações Unidas, recebeu representantes de organizações de direitos humanos e liberdade de imprensa no histórico Palais Wilson Building, a sede do CDH.

Jeremy Dear, vice-secretário geral da Federação Internacional de Jornalistas (IFC), disse que é óbvio que o único objetivo do governo turco é silenciar os jornalistas críticos. Dear pediu à comunidade internacional que ajude os esforços para impedir o uso indevido do Código Penal Turco (TCK) como uma ferramenta para prender jornalistas com base em acusações forjadas. Dear também sugeriu que a definição de terrorismo da Turquia deveria estar alinhada com os padrões internacionais. “A repressão da mídia na Turquia é a pior do mundo”, acrescentou Dear.

Blaise Lempen, secretário-geral do PEC, sublinhou que nenhuma reivindicação ou acusação que os promotores públicos turcos incluíram em suas acusações já se provou verdadeira. Lempen também disse que as ações opressivas do governo Erdoğan só foram vistas em regimes antidemocráticos e ditatoriais.

Levent Kenez, coordenador de Liberdade de Imprensa e Expressão do Stockholm Center For Freedom (SCF), disse que o pedido mais comum e importante dos colegas presos na Turquia é não serem esquecidos.

Kenez listou exemplos de acusações e provas nos indiciamentos elaborados pelos promotores durante sua apresentação para o painel. “Mesmo um tweet que não tem conteúdo político ou ideológico pode ser uma evidência para prisão”, disse Kenez.

“Ironicamente, alguns colegas presos foram acusados de assinar jornais em que trabalharam”, disse Kenez, acrescentando: “Mais de 90% dos jornalistas atrás das grades perderam a liberdade após uma polêmica tentativa de golpe em 15 de julho de 2016. Isso mostra como o governo Erdoğan fez uso do estado de emergência declarado logo após a tentativa de golpe. ”

Kenez também exibiu cartazes de jornalistas veteranos turcos publicados e divulgados pela agência estatal de notícias Anadolu, da Turquia, que se pareciam com pôsteres de procurados de filmes de faroeste. “É assim que o governo turco visa jornalistas críticos no exílio e alimenta o ódio e a violência”, afirmou.

Kenez explicou como ele se viu no exílio. Ele foi brevemente detido após a tentativa de golpe e fugiu da Turquia ilegalmente desde que outro mandado de detenção foi emitido e seu passaporte foi cancelado.

Alfred de Zayas, o Especialista Independente da ONU sobre a Promoção de uma Ordem Internacional Democrática e Equitativa e moderador da discussão, disse: “A situação da liberdade de imprensa na Turquia é pior do que os estrangeiros sabem. A comunidade internacional deve trabalhar muito mais para ajudar as vozes dos jornalistas presos.”

A Turquia ocupa o 157º lugar entre 180 países no Índice Mundial de Liberdade de Imprensa de 2018 divulgado pela organização Repórteres Sem Fronteiras (RSF). Se a Turquia cair mais dois lugares, ela chegará à lista de países da lista negra, que tem o pior registro em liberdade de imprensa.

A Turquia é o maior carcereiro de jornalistas do mundo. As cifras mais recentes documentadas pelo SCF mostram que 244 jornalistas e trabalhadores da mídia estavam presos em 21 de junho de 2018, a maioria em detenção pré-julgamento. Dos detidos na prisão, 184 estavam sujeitos a prisão preventiva, enquanto apenas 60 jornalistas foram condenados e cumprem pena. Os mandados de detenção estão esperando por 142 jornalistas que estão vivendo no exílio ou permanecem foragidos na Turquia.

Detendo dezenas de milhares de pessoas por supostas ligações com o Movimento Gulen, o governo também fechou cerca de 200 meios de comunicação, incluindo agências de notícias curdas e jornais, após uma tentativa de golpe na Turquia em 15 de julho de 2016.

(Stockholm Center for Freedom [SCF])

Fonte: https://www.turkishminute.com/2018/06/21/un-human-rights-panel-calls-on-turkish-govt-to-release-jailed-journalists/

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer