Últimas notícias
  • Lira turca atinge recorde de baixa enquanto Erdogan despede banqueiros centrais A lira turca afundou a uma baixa recorde em relação ao dólar americano na quinta-feira depois que o presidente Recep Tayyip Erdoğan demitiu três membros do banco central em um decreto no meio da noite, informou a Agence France-Presse. ...
  • Condições de trabalho degradantes expulsam médicos da Turquia Milhares de médicos estão deixando a Turquia como resultado dos baixos salários aliados à violência que enfrentam de pacientes zangados e seus familiares, uma situação só agravada pela pandemia do coronavírus e pela crise econômica resultante. ...
  • SADAT, “Exército paralelo” de Erdoğan, pode assassinar dissidentes O notório chefe da máfia turca, Sedat Peker, alegou em uma série de tweets que a SADAT, um grupo paramilitar ligado ao Presidente Recep Tayyip Erdoğan, poderia possivelmente realizar assassinatos de dissidentes que vivem na Turquia e no exterior num futuro próximo, noticiou a mídia local. ...
  • Deputado pede a libertação de paciente com câncer terminal Um deputado do Partido Democrata Popular (HDP), pró-curdo, pediu a libertação imediata de Ayşe Özdoğan, uma mulher criticamente doente que sofre de uma forma rara de câncer e foi enviada para a prisão para cumprir uma sentença de condenação por vínculos com o movimento Hizmet no início deste mês, informou a mídia local. ...
  • Outro Dia, Outro Expurgo no Banco Central da Turquia As cabeças estão rolando no banco central da Turquia, desta vez por não baixar as taxas de juros agressivamente o suficiente. Cortes mais profundos provavelmente virão, talvez logo na próxima semana. Este é um jogo perigoso quando a maior parte do mundo está se movendo na direção oposta. É improvável que uma moeda já maltratada se saia bem, e qualquer fragmento de credibilidade que a política monetária tenha deixado neste icônico mercado emergente será corroído. ...
  • O advogado do Twitter na Turquia tuita discurso de ódio contra o movimento Hizmet O advogado Gönenç Gürkaynak, que representa o Twitter na Turquia, usou de discurso de ódio contra apoiadores do movimento Hizmet numa série de tweets no sábado, perguntando se consideravam exterminar-se a si próprios, informou na segunda-feira o Stockholm Center for Freedom. ...
  • O Alto Custo de uma Turquia Imprevisível Faltando vinte meses para as eleições legislativas e presidenciais na Turquia, o debate político será feroz. O Ocidente poderá optar por não ver a sua relação com Ancara deteriorar-se ainda mais.  ...
  • Lançada investigação sobre assassinatos políticos antes das eleições de 2023 Um promotor turco iniciou uma investigação sobre as reivindicações, recentemente manifestadas por altas figuras da oposição, de que os assassinatos políticos podem ocorrer na Turquia à medida que as eleições de 2023 se aproximam, informou a mídia local na quarta-feira. ...
  • AKP e MHP rejeitam moção para investigar os atentados de 2015 em Ancara  Partido da Justiça e Desenvolvimento da Turquia (AKP) e seu aliado, o Partido do Movimento Nacionalista (MHP), rejeitaram uma moção parlamentar para investigar o ataque terrorista mais mortal da história da Turquia, que custou a vida de mais de 100 pessoas em Ancara em 2015, noticiaram os meios de comunicação turcos. ...
  • Turquia registra 30.563 novos casos de COVID-19, o maior desde 30 de abril A Turquia registrou 30.563 novos casos de COVID-19 na segunda-feira, o maior número de infecções diárias desde 30 de abril, os dados do Ministério da Saúde mostraram. ...

Empresa pró-Erdogan negocia compra de maior grupo midiático turco

Empresa pró-Erdogan negocia compra de maior grupo midiático turco
março 24
09:33 2018

O maior grupo de imprensa da Turquia, que inclui o jornal “Hürriyet”, anunciou nesta quinta-feira que iniciou negociações para a aquisição por uma empresa ligada ao presidente turco, Recep Tayyip Erdogan. O grupo Dogan afirmou em um comunicado que está em negociações com o conglomerado Demiroren Holding, que já possui dois jornais pró-Erdogan.

As negociações consideram o valor da operação de quase 1,1 bilhão de dólares e um valor na Bolsa de 890 milhões de dólares, levando em consideração as dívidas do grupo Dogan, segundo o texto. O grupo de comunicação Dogan Holding tem como principal ativo o jornal “Hürriyet”, considerado o diário de referência na Turquia, além da agência de notícias Dogan, a rede de televisão Kanal D e a emissora de notícias CNN-Türk.

A versão em inglês do “Hurriyet”, Hurriyet Daily News, é muito lida pelos estrangeiros e os diplomatas na Turquia. Se for concretizada, a negociação aumentará a preocupação dos defensores da liberdade de imprensa, que denunciam a pressão crescente contra os meios de comunicação durante a Presidência de Erdogan, sobretudo depois do golpe de Estado frustrado de julho de 2016.

O Hurriyet tem uma circulação de 300 mil exemplares e é um dos poucos grandes jornais da Turquia que não é visto como pró-Erdogan. A maioria dos jornais de oposição são de esquerda e não possuem um grande público de leitores.

— Essa venda significa o fim do pluralismo e do jornalismo independente na mídia turca de grande alcance. O governo agora tem controle completo da mídia nos preparativos para as eleições de 2019. Em uma depreciação sem precedentes da sociedade civil e da oposição política, apenas um punhado de jornais de baixa circulação ainda ofecerem alternativas para a propaganda oficial — disse Erol Onderoglu, representante dos Repórteres sem Fronteiras na Turquia.

A Dogan Holding e seu fundador octogenário, Aydin Dogan, foram acusados por Erdogan de preconceito contra seu Partido AK, de raízes islâmicas. Ambos negam. A empresa foi multada em US$ 2,5 bilhões por impostos não pagos em 2009, no que os opositores do governo viram como uma tentativa de esmagar as críticas da mídia a Erdogan. Após o pagamento da taxa, Aydin Dogan foi forçado a vender os jornais Milliyet e Vatan do grupo – para Demiroren. Ambos os jornais se tornaram firmemente pró-governo.

“Com uma aquisição desse nível, incluindo o ‘Hürriyet’, a indústria dos meios de comunicação na Turquia passa a estar sob o controle político direto do presidente Erdogan”, comentou no Twitter Kadri Gürsel, nome importante da imprensa na Turquia.

Considerado durante muito tempo o representante do poder turco, o grupo Dogan mantém uma relação delicada com Erdogan, marcada por anos de oposição ao atual presidente da Turquia, antes de adotar uma linha mais pró-governo.

Quase todos os meios de comunicação seguem a linha governista, com algumas exceções, como o jornal “Cumhuriyet”. O proprietário, o diretor de redação e vários jornalistas do Cumhuriyet estão sendo julgados por atividades “terroristas”.

Ampliando as preocupações com a liberdade de imprensa, o parlamento da Turquia aprovou um projeto de lei que concedia ao órgão de fiscalização de rádio e televisão a autoridade para regular o conteúdo online.

— A indústria de mídia de massa turca está sob o controle político direto do presidente Erdogan — afirmou Kadri Gursel, colunista do diário Cumhuriyet.

Fonte: https://oglobo.globo.com/

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer