Últimas notícias
  • SADAT, “Exército paralelo” de Erdoğan, pode assassinar dissidentes O notório chefe da máfia turca, Sedat Peker, alegou em uma série de tweets que a SADAT, um grupo paramilitar ligado ao Presidente Recep Tayyip Erdoğan, poderia possivelmente realizar assassinatos de dissidentes que vivem na Turquia e no exterior num futuro próximo, noticiou a mídia local. ...
  • Deputado pede a libertação de paciente com câncer terminal Um deputado do Partido Democrata Popular (HDP), pró-curdo, pediu a libertação imediata de Ayşe Özdoğan, uma mulher criticamente doente que sofre de uma forma rara de câncer e foi enviada para a prisão para cumprir uma sentença de condenação por vínculos com o movimento Hizmet no início deste mês, informou a mídia local. ...
  • Outro Dia, Outro Expurgo no Banco Central da Turquia As cabeças estão rolando no banco central da Turquia, desta vez por não baixar as taxas de juros agressivamente o suficiente. Cortes mais profundos provavelmente virão, talvez logo na próxima semana. Este é um jogo perigoso quando a maior parte do mundo está se movendo na direção oposta. É improvável que uma moeda já maltratada se saia bem, e qualquer fragmento de credibilidade que a política monetária tenha deixado neste icônico mercado emergente será corroído. ...
  • O advogado do Twitter na Turquia tuita discurso de ódio contra o movimento Hizmet O advogado Gönenç Gürkaynak, que representa o Twitter na Turquia, usou de discurso de ódio contra apoiadores do movimento Hizmet numa série de tweets no sábado, perguntando se consideravam exterminar-se a si próprios, informou na segunda-feira o Stockholm Center for Freedom. ...
  • O Alto Custo de uma Turquia Imprevisível Faltando vinte meses para as eleições legislativas e presidenciais na Turquia, o debate político será feroz. O Ocidente poderá optar por não ver a sua relação com Ancara deteriorar-se ainda mais.  ...
  • Lançada investigação sobre assassinatos políticos antes das eleições de 2023 Um promotor turco iniciou uma investigação sobre as reivindicações, recentemente manifestadas por altas figuras da oposição, de que os assassinatos políticos podem ocorrer na Turquia à medida que as eleições de 2023 se aproximam, informou a mídia local na quarta-feira. ...
  • AKP e MHP rejeitam moção para investigar os atentados de 2015 em Ancara  Partido da Justiça e Desenvolvimento da Turquia (AKP) e seu aliado, o Partido do Movimento Nacionalista (MHP), rejeitaram uma moção parlamentar para investigar o ataque terrorista mais mortal da história da Turquia, que custou a vida de mais de 100 pessoas em Ancara em 2015, noticiaram os meios de comunicação turcos. ...
  • Turquia registra 30.563 novos casos de COVID-19, o maior desde 30 de abril A Turquia registrou 30.563 novos casos de COVID-19 na segunda-feira, o maior número de infecções diárias desde 30 de abril, os dados do Ministério da Saúde mostraram. ...
  • Fugindo do Talibã: A luta de um policial afegão para entrar na Turquia Com a crescente preocupação com uma crise humanitária no Afeganistão, as autoridades da Turquia intensificaram a segurança em suas fronteiras e advertiram que não aceitarão um afluxo de migrantes e refugiados afegãos. ...
  • Iraque prende chefe financeiro do ISIL procurado pelos EUA na Turquia O Iraque capturou Sami Jasim al-Jaburi, o suposto chefe financeiro do Estado islâmico no Iraque e no Levante (ISIL) que era procurado pelos Estados Unidos, em uma operação no exterior, informou na segunda-feira a Agence France-Presse, citando as autoridades iraquianas. ...

Jornal cipriota turco acusa Erdogan de ordenar ataque às suas instalações

Jornal cipriota turco acusa Erdogan de ordenar ataque às suas instalações
janeiro 23
16:47 2018

O chefe de redação de um jornal cipriota turco de esquerda alegou hoje que o Presidente da Turquia incitou apoiantes a atacarem os seus escritórios pelo facto de o periódico ter criticado a ofensiva militar de Ancara na Síria.

Sener Levent assegurou que o Presidente turco Recep Tayyip Erdogan exortou os seus apoiantes a “responderem” ao jornal Afrika, pelo facto de a publicação ter sugerido que a ofensiva turca em direção ao enclave sírio controlado por uma milícia curda apoiada pelos EUA é uma forma de ocupar o território do país.

Dezenas de pessoas que agitavam bandeiras da Turquia partiram vidros de janelas e arremessaram pedras, ovos e outros objetos em direção aos escritórios do jornal Afrika, na capital de Chipre, referiu Cinel Husseyin, uma colaboradora do chefe de redação, citada pela agência noticiosa Associated Press (AP). Disse ainda que alguns dos presentes tentaram assaltar o local.

Uma notícia de primeira página da edição de domingo no Afrika relacionava a ação da Turquia à sua “ocupação” militar da parte norte de Chipre, 37% do território da ilha dividida. Desde 1974 que Turquia mantém 35.000 soldados no terreno, na sequência da invasão que se seguiu a um golpe falhado de apoiantes da união com a Grécia.

Apenas a Turquia reconheceu a declaração de independência da autoproclamada República Turca de Chipre do Norte (RTCN). O Governo de Chipre, estabelecido no sul cipriota, é internacionalmente reconhecido.

Levent assegurou que o seu jornal não será silenciado pelo facto de se referir às políticas da Turquia, seja no norte de Chipre ou em outros locais.

“Erdogan enviou os manifestantes. Foi uma ameaça contra nós”, afirmou à AP. “Vamos continuar a dizer a verdade, e o jornal vai circular amanhã”, assegurou.

De acordo com a página digital da presidência turca, Erdogan tinha-se previamente referido ao Afrika como um “jornal barato e desagradável”, com uma linha editorial “impertinente” e convidou os cipriotas turcos a “darem a necessária resposta a isto”.

Através de uma declaração, o líder cipriota turco Mustafa Akinci disse desaprovar a referência do Afrika a “ocupação” e sublinhou que caso a Turquia não tivesse atuado como o fez em 1974, os cipriotas turcos seriam reduzidos a um estatuto de “minoria” num Estado dirigido por gregos.

No entanto, Akinci considerou que a violência não é justificável, por mais “erradas” que sejam as posições do Afrika.

O Governo de Chipre condenou o que definiu como tentativa de Erdogan impor um “poder autoritário” na zona norte de Chipre controlada pela Turquia. E anunciou que vai solicitar às Nações Unidas e instituições europeias que tomem medidas para proteger a liberdade de imprensa e de expressão nesta parte do território.

O Sindicato dos jornalistas cipriotas condenou a violência, ao referir em comunicado que os jornalistas “não são serventuários do poder, por mais poderoso e absoluto que seja esse poder”.

Com informações de: https://www.dn.pt/

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer