Últimas notícias
  • SADAT, “Exército paralelo” de Erdoğan, pode assassinar dissidentes O notório chefe da máfia turca, Sedat Peker, alegou em uma série de tweets que a SADAT, um grupo paramilitar ligado ao Presidente Recep Tayyip Erdoğan, poderia possivelmente realizar assassinatos de dissidentes que vivem na Turquia e no exterior num futuro próximo, noticiou a mídia local. ...
  • Deputado pede a libertação de paciente com câncer terminal Um deputado do Partido Democrata Popular (HDP), pró-curdo, pediu a libertação imediata de Ayşe Özdoğan, uma mulher criticamente doente que sofre de uma forma rara de câncer e foi enviada para a prisão para cumprir uma sentença de condenação por vínculos com o movimento Hizmet no início deste mês, informou a mídia local. ...
  • Outro Dia, Outro Expurgo no Banco Central da Turquia As cabeças estão rolando no banco central da Turquia, desta vez por não baixar as taxas de juros agressivamente o suficiente. Cortes mais profundos provavelmente virão, talvez logo na próxima semana. Este é um jogo perigoso quando a maior parte do mundo está se movendo na direção oposta. É improvável que uma moeda já maltratada se saia bem, e qualquer fragmento de credibilidade que a política monetária tenha deixado neste icônico mercado emergente será corroído. ...
  • O advogado do Twitter na Turquia tuita discurso de ódio contra o movimento Hizmet O advogado Gönenç Gürkaynak, que representa o Twitter na Turquia, usou de discurso de ódio contra apoiadores do movimento Hizmet numa série de tweets no sábado, perguntando se consideravam exterminar-se a si próprios, informou na segunda-feira o Stockholm Center for Freedom. ...
  • O Alto Custo de uma Turquia Imprevisível Faltando vinte meses para as eleições legislativas e presidenciais na Turquia, o debate político será feroz. O Ocidente poderá optar por não ver a sua relação com Ancara deteriorar-se ainda mais.  ...
  • Lançada investigação sobre assassinatos políticos antes das eleições de 2023 Um promotor turco iniciou uma investigação sobre as reivindicações, recentemente manifestadas por altas figuras da oposição, de que os assassinatos políticos podem ocorrer na Turquia à medida que as eleições de 2023 se aproximam, informou a mídia local na quarta-feira. ...
  • AKP e MHP rejeitam moção para investigar os atentados de 2015 em Ancara  Partido da Justiça e Desenvolvimento da Turquia (AKP) e seu aliado, o Partido do Movimento Nacionalista (MHP), rejeitaram uma moção parlamentar para investigar o ataque terrorista mais mortal da história da Turquia, que custou a vida de mais de 100 pessoas em Ancara em 2015, noticiaram os meios de comunicação turcos. ...
  • Turquia registra 30.563 novos casos de COVID-19, o maior desde 30 de abril A Turquia registrou 30.563 novos casos de COVID-19 na segunda-feira, o maior número de infecções diárias desde 30 de abril, os dados do Ministério da Saúde mostraram. ...
  • Fugindo do Talibã: A luta de um policial afegão para entrar na Turquia Com a crescente preocupação com uma crise humanitária no Afeganistão, as autoridades da Turquia intensificaram a segurança em suas fronteiras e advertiram que não aceitarão um afluxo de migrantes e refugiados afegãos. ...
  • Iraque prende chefe financeiro do ISIL procurado pelos EUA na Turquia O Iraque capturou Sami Jasim al-Jaburi, o suposto chefe financeiro do Estado islâmico no Iraque e no Levante (ISIL) que era procurado pelos Estados Unidos, em uma operação no exterior, informou na segunda-feira a Agence France-Presse, citando as autoridades iraquianas. ...

Turquia demitiu mais de 100 mil após tentativa de golpe, denuncia ONG

Turquia demitiu mais de 100 mil após tentativa de golpe, denuncia ONG
junho 12
11:41 2017

ISTAMBUL — A Anistia Internacional criticou a Turquia nesta segunda-feira por demitir milhares de funcionários públicos após o golpe fracassado no ano passado. Mais de 100 mil funcionários foram destituídos e inabilitados de ocupar cargos públicos através de decretos amparados pelo Estado de emergência vigente no país. No mesmo dia, as autoridades turcas detiveram dois professores, que estavam em greve de fome há mais de dois meses, em Ancara.

Os professores Nuriye Akman e Semih Ozakca tomavam apenas líquidos por mais de 70 dias, em protesto por terem sido demitidos depois da tentativa de golpe. Akman, Ozakca e muitos outros funcionários públicos perderam seus empregos após terem sido acusados de ter relações com grupos considerados terroristas. As medidas tomadas pelo governo de Ancara após a tentativa de tomada de poder provocaram uma perseguição sem precedentes e demissões maciças, que violaram a liberdade de expressão, de associação e o direito à não descriminação, afirmou o grupo de direitos humanos em um relatório.

Segundo o advogado dos dois Selcuk Kozagacli, a polícia turca os deteu por temer que a greve de fome poderia tornar-se em um “jejum de morte” e gerar novas manifestações.

— Sou advogado há muito tempo e nunca vi esse motivo para uma prisão — disse Kozagacli por telefone. — Na lei turca, esse tipo de prisão preventiva baseada em suposições não existe.

A detenção dos professores causou protestos nas ruas de Ancara, que clamavam pelos direitos trabalhistas. A polícia turca usou gás lacrimogêneo para dispersar os manifestantes, e alguns deles foram detidos.

Policiais seguram manifestante durante protesto contra a detenção de dois professores turcos que faziam greve de fome por dois meses após terem sido demitidos – ADEM ALTAN / AFP

A Anistia Internacional afirma que o governo turco classificou como terroristas professores, acadêmicos, médicos, policiais e soldados, impossibilitando que regressem às suas profissões e os obrigou a depender da ajuda de amigos e familiares ou a trabalhar em empregos irregulares. Além disso, mais de 47 mil pessoas foram presas por supostamente ter vínculos com o golpe.

A ONG classificou as demissões como arbitrárias e disse que os laços com grupos terroristas reivindicados pelo governo não foram provados. De acordo com o grupo, as destituições tiveram um efeito devastrador sobre os funcionários e suas famílias. Os demitidos também tiveram os passaportes cancelados, sendo também impedidos de buscar emprego fora do país.

“As autoridades devem por um fim imediato a estas demissões arbitrárias e reestabelecer aqueles que foram considerados culpados sem cometer nenhum delito”, disse Andrew Gardner, investigador da Anistia Internacional na Turquia. “Aqueles que foram demitidos devem ter acesso a uma apelação veloz e efetiva que os permita limpar seus nomes, ser compensados e regressar a suas carreiras”.

Entre os demitidos há 8 mil militares, 24 mil policiais, 33 mil professores e empregados do Ministério da Educação, 6 mil médicos e empregados do Ministério da Saúde, 5 mil professores, 4 mil juízes, promotores e funcionários do judiciário e 3 mil empregados do gabinete do primeiro-ministro, segundo dados do relatório da Anistia Internacional.

O governo turco alega que o expurgo era necessário para combater ao terrorismo e eliminar os seguidores do clérigo exilado nos Estados Unidos, Fethullah Gulen, que é acusado de orquestrar a tentativa de insurreição. Ancara também disse que formará uma comissão de apelação para revisar os casos daqueles que asseguram terem sido despedidos injustamente. No entanto, a Anistia Internacional afirma que esta comissão deve ser independente do governo para ser efetiva.

Originalmente publicado em: oglobo.globo.com

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer