Últimas notícias
  • Forte terremoto atinge a Grécia, Chipre, Turquia e Egito Um forte terremoto atingiu várias ilhas na Grécia e outras regiões do Mediterrâneo Oriental, incluindo a região sul da Antália na Turquia, bem como cidades no Egito. ...
  • UE diz que Turquia ainda está “recuando” nas reformas e sombria nas chances de adesão O executivo da União Europeia disse na terça-feira que a candidatura da Turquia à adesão ao bloco havia "parado" em meio a sérias deficiências democráticas, em seu relatório anual mais crítico desde que Ancara iniciou as negociações de adesão há 16 anos. ...
  • Embaixada da Turquia nas Filipinas espionou 29 críticos de Erdoğan A Embaixada da Turquia nas Filipinas espionou os cidadãos turcos no país e encaminhou a lista de perfis ilegais para Ancara, o que levou ao lançamento de procedimentos judiciais infundados contra eles, informou o Nordic Monitor, citando documentos legais. ...
  • Lira turca atinge recorde de baixa enquanto Erdogan despede banqueiros centrais A lira turca afundou a uma baixa recorde em relação ao dólar americano na quinta-feira depois que o presidente Recep Tayyip Erdoğan demitiu três membros do banco central em um decreto no meio da noite, informou a Agence France-Presse. ...
  • Condições de trabalho degradantes expulsam médicos da Turquia Milhares de médicos estão deixando a Turquia como resultado dos baixos salários aliados à violência que enfrentam de pacientes zangados e seus familiares, uma situação só agravada pela pandemia do coronavírus e pela crise econômica resultante. ...
  • SADAT, “Exército paralelo” de Erdoğan, pode assassinar dissidentes O notório chefe da máfia turca, Sedat Peker, alegou em uma série de tweets que a SADAT, um grupo paramilitar ligado ao Presidente Recep Tayyip Erdoğan, poderia possivelmente realizar assassinatos de dissidentes que vivem na Turquia e no exterior num futuro próximo, noticiou a mídia local. ...
  • Deputado pede a libertação de paciente com câncer terminal Um deputado do Partido Democrata Popular (HDP), pró-curdo, pediu a libertação imediata de Ayşe Özdoğan, uma mulher criticamente doente que sofre de uma forma rara de câncer e foi enviada para a prisão para cumprir uma sentença de condenação por vínculos com o movimento Hizmet no início deste mês, informou a mídia local. ...
  • Outro Dia, Outro Expurgo no Banco Central da Turquia As cabeças estão rolando no banco central da Turquia, desta vez por não baixar as taxas de juros agressivamente o suficiente. Cortes mais profundos provavelmente virão, talvez logo na próxima semana. Este é um jogo perigoso quando a maior parte do mundo está se movendo na direção oposta. É improvável que uma moeda já maltratada se saia bem, e qualquer fragmento de credibilidade que a política monetária tenha deixado neste icônico mercado emergente será corroído. ...
  • O advogado do Twitter na Turquia tuita discurso de ódio contra o movimento Hizmet O advogado Gönenç Gürkaynak, que representa o Twitter na Turquia, usou de discurso de ódio contra apoiadores do movimento Hizmet numa série de tweets no sábado, perguntando se consideravam exterminar-se a si próprios, informou na segunda-feira o Stockholm Center for Freedom. ...
  • O Alto Custo de uma Turquia Imprevisível Faltando vinte meses para as eleições legislativas e presidenciais na Turquia, o debate político será feroz. O Ocidente poderá optar por não ver a sua relação com Ancara deteriorar-se ainda mais.  ...

Turquia: Sem Luz No Fim Do Túnel

Turquia: Sem Luz No Fim Do Túnel
abril 10
13:59 2017
Golpe de Estado na Turquia. O oitavo desde a fundação da república, em 1923, por Mustafa Kemal Atatürk. O último, ocorrido em 1997, não há tanto. Para quem já estudou o país, sabe que as forças armadas turcas são o avalista do Estado turco. Não existe absolutamente NADA sem elas, nem lances de democracia. Isso mesmo, “lances”. Pois, para um país que sofreu já 8 golpes militares de Estado desde os anos 1920, o tempo que resta foram lances. E não tão organizados assim. 
E como diz Claude Raffestin, o pai da geopolítica moderna: “se as forças armadas são avalistas de um Estado, é porque o Estado, em sim, não existe institucionalmente sem elas”. O que revela, infelizmente, a fragilidade de como a república e a sociedade turcas modernas foram estruturadas. 
Como todo coronelismo institucionalizado, a Turquia viu, desde a fundação da república, lutas inglórias e tentativas forçadas de se mostrar “moderna e ocidental”. Nasceu massacrando minorias étnico-religiosas, depois modificando na marra seu alfabeto, trazendo-o para caracteres latinos, abafando incessantemente manifestações de identidade curda (35% da população do país), impondo um calendário oficial cristão à uma das populações proporcionalmente mais muçulmanas do mundo (99%), coibindo vestimentas islâmicas nos edifícios públicos. E, pelo mesmo coronelismo, a corrupção nas suas forças armadas é de fazer inveja – tudo para os militares, quase nada para a população. Em nome do quê? A troco de quê? De minissaia, cerveja e discotecas na orla de Istambul? E aquela idosa que sempre se cobriu voluntariamente dos pés à cabeça, em Ancara, como e onde fica? 
E a ameaça ao establishment político turco (procurem depois por “Kemalismo”) é tanta que direitos às minorias sociais são tão temidos pelos militares como o islamismo galopante. Direitos aos homossexuais, aos curdos, às mulheres, novos partidos que lhes convalidem, agitação no Parlamento, tudo isso mostra o quanto a sociedade turca, na verdade, não é representada como deveria. Para os militares, todo turco tem que ser, primeiramente, étnica e linguisticamente turco e muçulmano secular heteronormativo. Uma pasteurização social que agrada a teóricos geopolíticos radicais, que na teoria seria o perfeito cenário de um Estado estável, mas que, na prática, não se vê em lugar algum nesse Universo.
Se, ora, democracia não é só o direito de voto mas sim a ampliação da participação cidadã na construção da sua própria nação, refletindo seus reais anseios, a Turquia sempre há sido então um elefante cada vez mais feroz, amarrado à força por milhares de fios de seda. 
Por essas e outras, nunca me surpreendi por ver mesquitas às moscas em Teerã e superlotadas em Ancara, cinco vezes ao dia. Nada daquilo que é imposto, é aceito, seja a religião ou o secularismo. Seja qualquer coisa que venha à força de um Estado que se diz “democrático”. 
Os militares mais uma vez galgaram em Ancara; agora xingam o governo (como o fizeram nas últimas 7 vezes), lixando-se para a população, não reformam o Estado, não escutam os clamores nas ruas, garantem o seu e, quando a pressão externa compromete a segurança dessa região estratégica para o mundo, eles pulam fora e brincam de “democracia” com seus “fantoches políticos civis”. Até quando a Turquia vai continuar se perdendo?
 
Jorge Mortean 
é Geógrafo formado pela USP, Mestre em Estudos Regionais do Oriente Médio pela Academia Diplomática do Irã. É Palestrante, Consultor Estratégico de Negócios entre Brasil e Oriente Médio pela Mercator Business Intelligentsia e é foi professor de Relações Internacionais da FAAP – www.mercatorbusiness.com

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer