Últimas notícias
  • SADAT, “Exército paralelo” de Erdoğan, pode assassinar dissidentes O notório chefe da máfia turca, Sedat Peker, alegou em uma série de tweets que a SADAT, um grupo paramilitar ligado ao Presidente Recep Tayyip Erdoğan, poderia possivelmente realizar assassinatos de dissidentes que vivem na Turquia e no exterior num futuro próximo, noticiou a mídia local. ...
  • Deputado pede a libertação de paciente com câncer terminal Um deputado do Partido Democrata Popular (HDP), pró-curdo, pediu a libertação imediata de Ayşe Özdoğan, uma mulher criticamente doente que sofre de uma forma rara de câncer e foi enviada para a prisão para cumprir uma sentença de condenação por vínculos com o movimento Hizmet no início deste mês, informou a mídia local. ...
  • Outro Dia, Outro Expurgo no Banco Central da Turquia As cabeças estão rolando no banco central da Turquia, desta vez por não baixar as taxas de juros agressivamente o suficiente. Cortes mais profundos provavelmente virão, talvez logo na próxima semana. Este é um jogo perigoso quando a maior parte do mundo está se movendo na direção oposta. É improvável que uma moeda já maltratada se saia bem, e qualquer fragmento de credibilidade que a política monetária tenha deixado neste icônico mercado emergente será corroído. ...
  • O advogado do Twitter na Turquia tuita discurso de ódio contra o movimento Hizmet O advogado Gönenç Gürkaynak, que representa o Twitter na Turquia, usou de discurso de ódio contra apoiadores do movimento Hizmet numa série de tweets no sábado, perguntando se consideravam exterminar-se a si próprios, informou na segunda-feira o Stockholm Center for Freedom. ...
  • O Alto Custo de uma Turquia Imprevisível Faltando vinte meses para as eleições legislativas e presidenciais na Turquia, o debate político será feroz. O Ocidente poderá optar por não ver a sua relação com Ancara deteriorar-se ainda mais.  ...
  • Lançada investigação sobre assassinatos políticos antes das eleições de 2023 Um promotor turco iniciou uma investigação sobre as reivindicações, recentemente manifestadas por altas figuras da oposição, de que os assassinatos políticos podem ocorrer na Turquia à medida que as eleições de 2023 se aproximam, informou a mídia local na quarta-feira. ...
  • AKP e MHP rejeitam moção para investigar os atentados de 2015 em Ancara  Partido da Justiça e Desenvolvimento da Turquia (AKP) e seu aliado, o Partido do Movimento Nacionalista (MHP), rejeitaram uma moção parlamentar para investigar o ataque terrorista mais mortal da história da Turquia, que custou a vida de mais de 100 pessoas em Ancara em 2015, noticiaram os meios de comunicação turcos. ...
  • Turquia registra 30.563 novos casos de COVID-19, o maior desde 30 de abril A Turquia registrou 30.563 novos casos de COVID-19 na segunda-feira, o maior número de infecções diárias desde 30 de abril, os dados do Ministério da Saúde mostraram. ...
  • Fugindo do Talibã: A luta de um policial afegão para entrar na Turquia Com a crescente preocupação com uma crise humanitária no Afeganistão, as autoridades da Turquia intensificaram a segurança em suas fronteiras e advertiram que não aceitarão um afluxo de migrantes e refugiados afegãos. ...
  • Iraque prende chefe financeiro do ISIL procurado pelos EUA na Turquia O Iraque capturou Sami Jasim al-Jaburi, o suposto chefe financeiro do Estado islâmico no Iraque e no Levante (ISIL) que era procurado pelos Estados Unidos, em uma operação no exterior, informou na segunda-feira a Agence France-Presse, citando as autoridades iraquianas. ...

União Européia e EUA são reféns de Erdogan na Turquia

União Européia e EUA são reféns de Erdogan na Turquia
agosto 04
11:34 2016

A União Europeia não é a única refém do presidente turco Recep Tayyip Erdogan, que ameaçou inundar países europeus com “caminhões de refugiados”.

Os Estados Unidos também são alvo de chantagem do autocrata turco.

Vários jornais turcos (os que restaram, todos governistas ou autocensurados) culpam diretamente os Estados Unidos pela tentativa de golpe do dia 15 de julho.
Erdogan acusa o clérigo Fethullah Gulen de ter instigado o golpe. Gulen está no autoexílio na Pensilvânia, nos EUA, desde 1999.

Os EUA vêm se recusando a extraditá-lo, a despeito de vários e insistentes pedidos de Erdogan. Autoridades americanas afirmam que só irão extraditar o clérigo se receberem provas claras de seu envolvimento no golpe fracassado.

Mas essa resistência pode não durar muito tempo

As críticas e acusações dos erdoganistas contra Washington estão cada vez mais ásperas.

O YaniSafak, jornal que apoia Erdogan, publicou nesta semana que o general americano reformado John F Campbell, ex-comandante das forças da OTAN no Afeganistão, foi o arquiteto da tentativa de golpe contra Erdogan. O jornal afirmou também que os golpistas iriam autorizar que os EUA construíssem uma base militar na Turquia, junto à fronteira com a Síria. E disse que o clérigo Gulen trabalha para a CIA.

“Os EUA sabem que Fethullah Gulen é o autor do golpe. Obama sabe disso, da mesma maneira que sabe que seu nome é Obama. Estou convencido de que os serviços de inteligência dos EUA sabem disso também”, disse o ministro da Justiça turco, Bekir Bozdag, em entrevista a uma TV turca.

Nos expurgos pós-golpe, parte da desgulenização do país, foram afastados também oficiais que lidavam diretamente com os Estados unidos e alguns deles foram presos.,

Os EUA e a Turquia, ambos membros da OTAN, têm cooperação militar estreita. Os EUA usam a base turca de Incirlik para ataques contra o EI na Síria e no Iraque e também mantêm um posto da CIA no país.

Mas o relacionamento entre os dois países vinha azedando. Washington criticou publicamente o crescente autoritarismo de Erdogan e suas investidas contra jornalistas e ativistas curdos.
Os EUA e a UE sabiam da ambiguidade do governo turco em relação ao EI e a grupos extremistas como a Frente Al Nusra – e a maneira pela qual deixava jihadistas cruzarem a fronteira turca em direção à Síria.

Já Erdogan estava furibundo com os EUA por causa do apoio dos americanos aos curdos do norte da Síria, que lutam contra o EI e são aliados do PKK na Turquia, considerado terrorista pelo governo turco. Os EUA dão ajuda militar aos curdos sírios e estariam construindo bases no território deles.

O presidente Erdogan, mestre em cálculos políticos ardilosos, já vinha preparando seu pivô para a Rússia. O governo turco pediu desculpas a Putin no mês passado – o país estava rompido com a Rússia desde que derrubou um jato russo em 24 de novembro do ano passado. O rompimento afetou duramente a Turquia – a Rússia era sua maior fonte de turistas e importante parceiro comercial.

Agora, anunciou uma visita à Rússia em 9 de agosto. E acena com a base de Incirlik.

A Rússia, por sua vez, condenou veementemente a tentativa de golpe, muito antes de UE e EUA se manifestarem.

Para Moscou, a base seria uma importante presença para o Oriente Médio. Hoje em dia, a Rússia tem apenas a base de Tartus, na Síria.

Da mesma maneira que a UE vem fazendo apenas críticas brandas contra a escalada de autoritarismo na Turquia, por ser refém de Erdogan por causa de refugiados, Washington pode acabar entregando o clérigo Gulen e fechando os olhos para as crescentes violações de direitos humanos no país, tudo para manter sua base estratégica na guerra contra o EI.

Fonte :http://m.folha.uol.com.br/colunas/patriciacamposmello/2016/07/1796513-chega-ao-fim-democracia-na-turquia.shtml

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer