Últimas notícias
  • SADAT, “Exército paralelo” de Erdoğan, pode assassinar dissidentes O notório chefe da máfia turca, Sedat Peker, alegou em uma série de tweets que a SADAT, um grupo paramilitar ligado ao Presidente Recep Tayyip Erdoğan, poderia possivelmente realizar assassinatos de dissidentes que vivem na Turquia e no exterior num futuro próximo, noticiou a mídia local. ...
  • Deputado pede a libertação de paciente com câncer terminal Um deputado do Partido Democrata Popular (HDP), pró-curdo, pediu a libertação imediata de Ayşe Özdoğan, uma mulher criticamente doente que sofre de uma forma rara de câncer e foi enviada para a prisão para cumprir uma sentença de condenação por vínculos com o movimento Hizmet no início deste mês, informou a mídia local. ...
  • Outro Dia, Outro Expurgo no Banco Central da Turquia As cabeças estão rolando no banco central da Turquia, desta vez por não baixar as taxas de juros agressivamente o suficiente. Cortes mais profundos provavelmente virão, talvez logo na próxima semana. Este é um jogo perigoso quando a maior parte do mundo está se movendo na direção oposta. É improvável que uma moeda já maltratada se saia bem, e qualquer fragmento de credibilidade que a política monetária tenha deixado neste icônico mercado emergente será corroído. ...
  • O advogado do Twitter na Turquia tuita discurso de ódio contra o movimento Hizmet O advogado Gönenç Gürkaynak, que representa o Twitter na Turquia, usou de discurso de ódio contra apoiadores do movimento Hizmet numa série de tweets no sábado, perguntando se consideravam exterminar-se a si próprios, informou na segunda-feira o Stockholm Center for Freedom. ...
  • O Alto Custo de uma Turquia Imprevisível Faltando vinte meses para as eleições legislativas e presidenciais na Turquia, o debate político será feroz. O Ocidente poderá optar por não ver a sua relação com Ancara deteriorar-se ainda mais.  ...
  • Lançada investigação sobre assassinatos políticos antes das eleições de 2023 Um promotor turco iniciou uma investigação sobre as reivindicações, recentemente manifestadas por altas figuras da oposição, de que os assassinatos políticos podem ocorrer na Turquia à medida que as eleições de 2023 se aproximam, informou a mídia local na quarta-feira. ...
  • AKP e MHP rejeitam moção para investigar os atentados de 2015 em Ancara  Partido da Justiça e Desenvolvimento da Turquia (AKP) e seu aliado, o Partido do Movimento Nacionalista (MHP), rejeitaram uma moção parlamentar para investigar o ataque terrorista mais mortal da história da Turquia, que custou a vida de mais de 100 pessoas em Ancara em 2015, noticiaram os meios de comunicação turcos. ...
  • Turquia registra 30.563 novos casos de COVID-19, o maior desde 30 de abril A Turquia registrou 30.563 novos casos de COVID-19 na segunda-feira, o maior número de infecções diárias desde 30 de abril, os dados do Ministério da Saúde mostraram. ...
  • Fugindo do Talibã: A luta de um policial afegão para entrar na Turquia Com a crescente preocupação com uma crise humanitária no Afeganistão, as autoridades da Turquia intensificaram a segurança em suas fronteiras e advertiram que não aceitarão um afluxo de migrantes e refugiados afegãos. ...
  • Iraque prende chefe financeiro do ISIL procurado pelos EUA na Turquia O Iraque capturou Sami Jasim al-Jaburi, o suposto chefe financeiro do Estado islâmico no Iraque e no Levante (ISIL) que era procurado pelos Estados Unidos, em uma operação no exterior, informou na segunda-feira a Agence France-Presse, citando as autoridades iraquianas. ...

Hizmet receia represálias da Turquia em África

Hizmet receia represálias da Turquia em África
agosto 04
12:51 2016

O Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, acusou o líder religioso turco Fethullah Gülen de ser o mentor da intentona militar. Instituições do movimento Hizmet, iniciado por Gülen, temem represálias em África.

Recep Tayyip Erdogan voltou a acusar Fethullah Gülen, exilado nos Estados Unidos, de ser o mentor da intentona militar. Ancara já pediu a extradição, mas Washington exigiu provas do envolvimento do clérigo.

Um pouco por todo o mundo, em particular em África, existem instituições de ensino do movimento Hizmet, iniciado pelo o líder religioso turco. Desde 1998, o movimento já abriu 17 escolas e uma universidade em várias regiões da Nigéria.

Nas escolas não se transmite apenas conhecimento prático. “O movimento Hizmet preocupa-se com a educação e a generalização do acesso à educação como forma de pacificação da sociedade em países em conflito. É uma iniciativa local e privada que pretende abrir escolas”, explicou à DW África o representante do movimento no país, Cemal Yigit.

A sua filosofia é “tornar os alunos melhores pessoas na sociedade, para contribuirem para uma sociedade melhor”, afirma o responsável, que defende que “a educação vai ajudar a formar uma geração melhor preparada para entender o outro.”

Movimento Hizmet em mais de 160 países

O movimento Hizmet tem escolas e universidades em mais de 160 países. Alguns críticos acusam o movimento de promover uma educação conservadora islâmica de elite.

Mas na Nigéria as escolas gozam de boa reputação, afirma Mainasara Umar, da Comissão Nigeriana de Formação de Professores. “O movimento é uma grande ajuda ao problema da educação, porque na Nigéria a educação está num estado lamentável”, sublinha. “E quanto mais se estabelecem este tipo de instituições no país, mais desencorajamos os nigerianos a procurarem educação noutras partes do mundo”.

No entanto, o embaixador turco na Nigéria apelou, na semana passada, ao Governo de Abuja para fechar as escolas, causando grande indignação no país. Para já, desconhece-se como o Presidente nigeriano, Muhammadu Buhari, vai lidar com as preocupações do diplomata.

Somália reage

A Somália agiu rapidamente. Beneficiando de forte ajuda ao desenvolvimento da Turquia, as autoridades somalis decidiram encerrar as escolas do movimento Hizmet, horas depois do golpe falhado.

No Senegal, onde cerca de 2.600 crianças e jovens estudam nas 11 escolas do movimento Hizmet, o porta-voz das escolas, Mesut Gokcan Ates, mostrou-se otimista. Em entrevista à DW África, lembrou que desde 2013 tem havido conflitos entre o movimento Hizmet e o Governo turco e, no entanto, a Turquia nunca tentou que o Governo senegalês fechasse as escolas.

Já na Tanzânia teme-se uma intervenção turca. O grupo de escolas Feza, em Zanzibar, distanciou-se explicitamente da tentativa de golpe na Turquia. No entanto, depois de 15 de julho de Ancara suspendeu o apoio.

Foram, entretanto, suspensas as bolsas dos estudantes do movimento Hizmet que estudam em universidades na Turquia. Com a instalibilidade no país, a estudante senegalesa Yacine Ndiaye não sabe se poderá continuar a estudar. “Não sabemos se a nossa autorização de residência será renovada. Encerraram muitas coisas. É uma situação difícil”, conta.

As autoridades turcas temem que o movimento Hizmet seja utilizado como uma rede política.

Fonte:http://www.jornalfloripa.com.br/mundo/noticia.php?id=18652448

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer