Últimas notícias
  • SADAT, “Exército paralelo” de Erdoğan, pode assassinar dissidentes O notório chefe da máfia turca, Sedat Peker, alegou em uma série de tweets que a SADAT, um grupo paramilitar ligado ao Presidente Recep Tayyip Erdoğan, poderia possivelmente realizar assassinatos de dissidentes que vivem na Turquia e no exterior num futuro próximo, noticiou a mídia local. ...
  • Deputado pede a libertação de paciente com câncer terminal Um deputado do Partido Democrata Popular (HDP), pró-curdo, pediu a libertação imediata de Ayşe Özdoğan, uma mulher criticamente doente que sofre de uma forma rara de câncer e foi enviada para a prisão para cumprir uma sentença de condenação por vínculos com o movimento Hizmet no início deste mês, informou a mídia local. ...
  • Outro Dia, Outro Expurgo no Banco Central da Turquia As cabeças estão rolando no banco central da Turquia, desta vez por não baixar as taxas de juros agressivamente o suficiente. Cortes mais profundos provavelmente virão, talvez logo na próxima semana. Este é um jogo perigoso quando a maior parte do mundo está se movendo na direção oposta. É improvável que uma moeda já maltratada se saia bem, e qualquer fragmento de credibilidade que a política monetária tenha deixado neste icônico mercado emergente será corroído. ...
  • O advogado do Twitter na Turquia tuita discurso de ódio contra o movimento Hizmet O advogado Gönenç Gürkaynak, que representa o Twitter na Turquia, usou de discurso de ódio contra apoiadores do movimento Hizmet numa série de tweets no sábado, perguntando se consideravam exterminar-se a si próprios, informou na segunda-feira o Stockholm Center for Freedom. ...
  • O Alto Custo de uma Turquia Imprevisível Faltando vinte meses para as eleições legislativas e presidenciais na Turquia, o debate político será feroz. O Ocidente poderá optar por não ver a sua relação com Ancara deteriorar-se ainda mais.  ...
  • Lançada investigação sobre assassinatos políticos antes das eleições de 2023 Um promotor turco iniciou uma investigação sobre as reivindicações, recentemente manifestadas por altas figuras da oposição, de que os assassinatos políticos podem ocorrer na Turquia à medida que as eleições de 2023 se aproximam, informou a mídia local na quarta-feira. ...
  • AKP e MHP rejeitam moção para investigar os atentados de 2015 em Ancara  Partido da Justiça e Desenvolvimento da Turquia (AKP) e seu aliado, o Partido do Movimento Nacionalista (MHP), rejeitaram uma moção parlamentar para investigar o ataque terrorista mais mortal da história da Turquia, que custou a vida de mais de 100 pessoas em Ancara em 2015, noticiaram os meios de comunicação turcos. ...
  • Turquia registra 30.563 novos casos de COVID-19, o maior desde 30 de abril A Turquia registrou 30.563 novos casos de COVID-19 na segunda-feira, o maior número de infecções diárias desde 30 de abril, os dados do Ministério da Saúde mostraram. ...
  • Fugindo do Talibã: A luta de um policial afegão para entrar na Turquia Com a crescente preocupação com uma crise humanitária no Afeganistão, as autoridades da Turquia intensificaram a segurança em suas fronteiras e advertiram que não aceitarão um afluxo de migrantes e refugiados afegãos. ...
  • Iraque prende chefe financeiro do ISIL procurado pelos EUA na Turquia O Iraque capturou Sami Jasim al-Jaburi, o suposto chefe financeiro do Estado islâmico no Iraque e no Levante (ISIL) que era procurado pelos Estados Unidos, em uma operação no exterior, informou na segunda-feira a Agence France-Presse, citando as autoridades iraquianas. ...

Erdogan quer Forças Armadas e inteligência sob seu comando

Erdogan quer Forças Armadas e inteligência sob seu comando
agosto 04
11:24 2016

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, pretende realizar uma reforma constitucional para que as Forças Armadas e a Agência Nacional de Inteligência (MIT) passem a ficar sob controle da presidência, informou uma autoridade turca nesta quarta-feira, 28 Para isso, será necessário que as forças opositoras concordem com a proposta.

Os comentários foram feitos depois de uma reunião do Conselho Militar Supremo na qual se esperava um acordo para fazer uma revisão da varredura que se seguiu ao fracassado golpe militar do dia 15.

O chefe das Forças Armadas, general Hulusi Akar, será mantido em seu cargo. Mas outros postos importantes passarão por mudanças, afirmou o porta-voz da presidência, Ibrahim Kalin. O conselho é formado por dez generais de alta patente e pelo primeiro-ministro, Binali Yildirim.

Atualmente, o presidente da Turquia exerce de forma simbólica o cargo de comandante-chefe das Forças Armadas, mas o artigo 117 da Constituição estabelece que o chefe do Estado-Maior “será responsável perante o primeiro-ministro no exercício de seus deveres e atribuições”.

Subordinar a cúpula militar ao controle direto do presidente exigiria uma reforma constitucional e, portanto, a presença de uma maioria de dois terços no plenário, algo que, com o atual elenco de deputados, exigiria um acordo com o partido social-democrata CHP, o maior da oposição.

Militares. Pela primeira vez, o encontro do Conselho Militar Supremo ocorreu no escritório do primeiro-ministro em vez de no quartel-general do Exército, e teve a participação do ministro da Defesa, Fikri Isik.

A reunião durou cinco horas. Em seguida, Yildirim foi para o palácio presidencial para submeter as decisões tomadas à autorização de Erdogan. Uma vez ratificadas pelo presidente, elas deverão ser anunciadas à imprensa.

Antes da reunião, o governo turco ordenou, por decreto, destituir 149 generais e almirantes, 40% de todos os militares dessa categoria. O decreto foi publicado no diário oficial, citando o estado de emergência proclamado na semana passada.

Segundo a agência de notícias Anadolu, a ordem pretende afastar do Exército todos os militares “que sejam membros da organização terrorista de Fethullah Gulen ou tenham vínculos com ela”.

O governo atribui a Gulen, clérigo opositor a Erdogan que vive em autoexílio nos Estados Unidos desde 1999, a responsabilidade pelo golpe, acusação negada pelo religioso.

No total, o número de militares expulsos da corporação desde a tentativa de golpe atinge 1.684 pessoas, a maior parte pertence ao Exército – com 87 generais, 726 oficiais e 256 suboficiais expulsos.

As Forças Armadas turcas afirmaram ontem que um total de 8.651 militares participaram da fracassada tentativa de golpe, na qual usaram 24 caças, 74 tanques, 37 helicópteros e 3 navios. / EFE e REUTERS

Fonte : http://internacional.estadao.com.br/noticias/geral,erdogan-quer-forcas-armadas-e-inteligencia-sob-seu-comando,10000065583

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer