Últimas notícias

Ancara fica do lado de Teerã na recente onda de agitação no Irã devido ao assassinato de Mahsa Amini

Ancara fica do lado de Teerã na recente onda de agitação no Irã devido ao assassinato de Mahsa Amini
dezembro 28
21:49 2022

O governo pró-iraniano do Partido da Justiça e do Desenvolvimento (AKP) da Turquia ficou do lado do regime dos mulás no Irã em meio a protestos de meses desencadeados pelo assassinato de Mahsa Amini, de 22 anos de idade, pela polícia moral do Irã. 

“Atribuímos grande importância à restauração da estabilidade e da paz social no Irã o mais rápido possível e esperamos ver a calma rapidamente restaurada”, disse o Ministro das Relações Exteriores turco Mevlüt Çavuşoğlu em carta ao Parlamento em 12 de dezembro de 2022. 

A carta não exigia contenção por parte das autoridades iranianas na repressão nem incluía uma única crítica ao tratamento dado pelo Irã ao caso Amini. 

Çavuşoğlu observou simplesmente que a Turquia se entristeceu com a perda de vidas nos incidentes.  

A carta do principal diplomata da Turquia veio em resposta a uma pergunta do legislador da oposição Hişyar Özsoy, que perguntou ao governo sobre a política do Irã em relação ao assassinato de Amini após sua tortura em 13 de setembro de 2022 e se alguma iniciativa diplomática nesse sentido havia sido tomada com o Irã desde então. 

O ministro das relações exteriores não mencionou sequer o nome de Amini em sua carta e ignorou completamente o caso. 

Os comentários de Çavuşoğlu são as primeiras observações oficiais emitidas por qualquer funcionário do governo na Turquia desde as manifestações lançadas no Irã após o assassinato. O governo do Presidente Recep Tayyip Erdoğan permaneceu em silêncio sobre os protestos, e o Ministério das Relações Exteriores não emitiu nenhuma declaração sobre o Irã desde setembro. 

Enquanto isso, a mídia sob o controle do governo divulgou conspirações antiocidentais e anti-israelenses de que as potências estrangeiras estavam por trás dos protestos, papagueando a narrativa oficial do regime dos mulás. Mehmet Barlas, colunista chefe do jornal Sabah, de propriedade da família do presidente Erdoğan, acusou os EUA e as potências globais de estarem por trás dos protestos no Irã. 

Em 21 de setembro de 2022, iranianos se reuniram em frente ao Consulado Iraniano em Istambul para protestar contra o regime dos mulás. 

Em um artigo op-ed intitulado “O que está acontecendo no Irã”, Barlas escreveu em 19 de novembro de 2022 que “o fato é que países que não fazem o que os EUA, ou melhor, as potências globais, querem, enfrentam ou o flagelo do terrorismo ou uma guerra ou uma revolta”. Ele lembrou um aviso emitido ao Irã duas semanas antes por John Kirby, coordenador do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca para comunicações estratégicas, como prova e alegou que os incidentes no Irã haviam ganhado impulso no Irã após a declaração de Kirby. 

De acordo com Barlas, os EUA são o suspeito habitual nos protestos no Irã, semelhante ao envolvimento de Washington em desencadear todos os eventos caóticos ao redor do mundo. 

A mídia controlada pelo governo na Turquia está efetivamente vendendo os pontos de discussão da liderança iraniana sobre os protestos. Em 3 de outubro de 2022, o líder do Irã, Ayatollah Ali Khamenei, acusou os EUA e Israel de planejar os protestos. 

Ele disse que ficou “de coração partido” com a morte de Amini sob custódia e chamou sua morte de “triste incidente”. Entretanto, ele descreveu os protestos como uma conspiração estrangeira para desestabilizar o Irã. “Este tumulto foi planejado”, alegou ele, colocando a culpa nos EUA e em Israel e seus procuradores na região. 

Mehmet Barlas, colunista-chefe do diário Sabah, de propriedade da família Erdogan, empurrava teorias conspiratórias antiamericanas sobre os protestos no Irã. 

A posição do governo Erdoğan não é surpreendente dado o fato de que muitos altos cargos no estado são ocupados por islamistas pró-iranianos que foram nutridos como simpatizantes da revolução iraniana de 1979 durante sua juventude. 

Da mesma forma, em 2009, a Turquia tomou o partido do regime iraniano em sua violenta supressão da demanda por mais democracia durante e após uma eleição presidencial fraudulenta. Nos protestos de 2008, Erdoğan também sublinhou a importância da estabilidade em seu apelo ao seu homólogo iraniano, Hassan Rouhani, e evitou criticar o Irã por uma repressão mortal aos protestos que irromperam por causa da corrupção, má administração e preços altos. 

Os protestos na Turquia sobre a morte de Amini e em apoio às manifestações no Irã também enfrentaram uma repressão por parte da polícia turca por ordem do governo. Em 20 de setembro, a polícia impediu um protesto das mulheres iranianas na histórica Praça Taksim de Istambul, apreendeu seus cartazes e faixas e deteve três mulheres por desafiarem a proibição. 

Dois dias depois, outro protesto planejado no distrito Kadıköy de Istambul foi cancelado no último minuto, com a polícia começando a inspecionar os passaportes das mulheres iranianas como parte de uma tática de intimidação para afugentá-las da realização da manifestação. 

O Gabinete do Governador de Istambul permitiu apenas uma manifestação em frente ao Consulado Iraniano na cidade, em 21 de setembro, antes de proibir todos os outros planejados no mesmo local. A área ao redor do consulado foi isolada pela polícia para impedir que os manifestantes se aproximassem e se reunissem ao redor do edifício no distrito de Fatih. 

O envolvimento secreto do presidente turco com o Irã foi revelado durante as sondas de investigações em 2013 que mostraram como Erdoğan e seus associados aceitaram uma enorme quantidade de subornos de um agente iraniano chamado Reza Zarrab, que lavou fundos do governo iraniano usando o banco estatal turco Halkbank a fim de evitar as sanções dos EUA. A investigação da Quds Force, investigada entre 2011 e 2014, também expôs vários associados próximos do presidente turco como estando envolvidos com operativos e ativos iranianos na Turquia. As autoridades americanas indiciaram ou designaram vários associados do Erdoğan por violar as leis americanas sobre sanções ao Irã. 

por Abdullah Bozkurt 

Fonte: Ankara sides with Tehran in recent wave of unrest in Iran over Mahsa Amini murder – Nordic Monitor  

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer