Últimas notícias

Bens petroleiros internacionais são supostamente atingidos conforme Turquia ataca zona curda da Síria

Bens petroleiros internacionais são supostamente atingidos conforme Turquia ataca zona curda da Síria
dezembro 03
18:00 2022

A onda de ataques aéreos da Turquia contra o nordeste da Síria, controlado pelos curdos, atingiu alegadamente os bens petrolíferos administrados por companhias petrolíferas internacionais. 

Acredita-se que os bens petrolíferos licenciados para companhias petrolíferas internacionais tenham sido danificados na onda de ataques aéreos da Turquia contra o nordeste da Síria controlado pelos curdos, fontes da indústria disseram à Al-Monitor. As fontes não deram mais detalhes e se recusaram a identificar as instalações que foram supostamente afetadas. 

Salih Muslim, o copresidente do Partido da Unidade Democrática, que faz parte da estrutura de governança na zona controlada pelos curdos, confirmou que os poços de petróleo em Rmeilan, perto da fronteira com o Iraque, onde as companhias petrolíferas internacionais operavam antes do início do conflito sírio em 2011, foram atingidos nos ataques turcos. Mas ele não pôde confirmar se os blocos reais licenciados a essas empresas estavam entre aqueles danificados. 

Os ataques aéreos turcos começaram em 20 de novembro, atingindo alvos em uma ampla faixa de território, incluindo a infraestrutura civil. 

Kongra Star, uma organização feminina afiliada à Administração Autônoma do Nordeste da Síria, como a entidade governante se autodenomina, afirmou em um relatório na semana passada que “bombas de óleo, postos de gasolina e locais de processamento de petróleo foram amplamente atacados por UAVs em toda a Administração Autônoma do Norte e Leste da Síria”. A entidade listou 14 dessas instalações. 

“A maioria das bombas de petróleo na região teve que sair de serviço em consequência dos ataques. Como consequência, veículos e padarias, entre outros serviços-chave, não receberão diesel por enquanto”, observou o relatório. 

Uma pesquisa realizada para a Al-Monitor por Alexander McKeever, um investigador de código aberto para Sírios pela Verdade e Justiça, uma organização sem fins lucrativos que documenta abusos de direitos na Síria, revelou que a maioria dos locais de produção de petróleo visados pela Turquia estão localizados no canto mais nordeste da Síria, nas áreas Al-Qahtaniyah/Tirbespi e al-Malikiyah/Derik. As áreas estão incluídas no Bloco 26, uma vez operado pela Gulfsands Petroleum, uma empresa de energia sediada em Londres. Isto foi determinado usando dados publicados pela Kongra Star, além de informações disponíveis ao público sobre a produção de petróleo sírio. A Gulfsands não respondeu ao pedido de comentários da Al-Monitor. 

O Ministro de Petróleo e Recursos Minerais da Síria, Bassam Tohme, disse que os ataques aéreos turcos contra as Unidades de Proteção do Povo Curdo, a força motriz na SDF, apoiada pelos EUA, haviam causado “grandes danos” às instalações petrolíferas. 

“A brutal agressão turca contra o norte da Síria causou grandes danos às instalações petrolíferas”, disse Tohme durante uma entrevista com a televisão estatal síria. Ele observou que o bombardeio atingiu uma usina de gás, levando a uma parada na produção.  

A usina estava processando 150 toneladas de gás natural para uso doméstico, e cerca de um milhão de metros cúbicos de gás para uma usina que abastece a população da província de Hasakah com eletricidade, disse Tohme, acrescentando que muitos poços foram queimados causando “poluição ambiental significativa” proveniente de “explosões de tanques”. A Turquia também atingiu usinas elétricas e redes elétricas. 

“Tem havido uma reação em cadeia. As turbinas das usinas elétricas funcionam com petróleo. Sem petróleo não podem funcionar e sem eletricidade o equipamento de bombeamento de petróleo também não pode funcionar”. 

Fabrice Balance é professor associado em Lyon II na França e especialista em Síria. Ele disse à Al-Monitor: “É perfeitamente lógico que Ankara atingiu as instalações petrolíferas, pois o petróleo é crítico para a produção de eletricidade utilizando geradores e para o transporte no nordeste da Síria”. 

As empresas estrangeiras que operavam no setor energético da Síria antes do conflito incluíam a Royal Dutch Shell, a France’s Total, a China National Petroleum Corporation, a India’s Oil and Natural Gas Corp, a canadense Suncor Energy, a britânica Petrofac e a Gulfsands Petroleum, juntamente com a empresa petrolífera russa Tatneft e a empresa de engenharia Stroytransgaz. 

O governo sírio estima que a produção total de petróleo do país foi de 86.000 barris por dia em 2021. Isso é aproximadamente um quarto dos 353.000 barris por dia produzidos em 2011, o que representou aproximadamente um quarto das receitas do regime. 

O petróleo é a principal fonte de renda da administração autônoma, que atualmente controla a produção sob um espesso véu de opacidade. Gulfsands, que operava o Bloco 26 em Rmeilan, acusou a administração liderada pelos curdos de “roubar” seu petróleo. Grande parte do petróleo é vendida com um forte desconto para a região curda do Iraque. 

As sanções ocidentais impostas ao regime do Presidente da Síria Bashar al-Assad significaram que as empresas ocidentais não puderam retomar as operações, mesmo no nordeste da Síria dominado pelos curdos, que é o lar da maior parte do petróleo da Síria e está sob a proteção dos EUA. 

A dissuasão dos EUA parecia estar em farrapos quando um drone turco atingiu o perímetro de uma base conjunta curda dos EUA em Hasakah, em 22 de novembro, levando os Estados Unidos a evacuar todo seu pessoal civil do nordeste da Síria. Mazlum Kobane, o comandante-chefe das Forças Democráticas da Síria, disse que o ataque turco tinha o objetivo de testar a determinação dos EUA, pois ameaçava montar mais uma invasão terrestre no nordeste da Síria em suposta retaliação por um ataque à bomba que culpava a administração curda da Síria. Kobane disse ao Al-Monitor em recente entrevista que o suposto bombardeiro estava vinculado ao Estado islâmico. 

Kobane esteve em uma blitz de relações públicas na semana passada para pressionar o público norte-americano contra uma invasão turca com aparições em webinars da PBS, Fox News e Zoom com jornalistas internacionais e think tanks. 

Washington tem usado linguagem mais dura nos últimos dias para advertir a Turquia das possíveis consequências de uma invasão terrestre, com o Secretário de Defesa Lloyd Austin transmitindo “forte oposição” a seu homólogo turco Hulusi Akar em um telefonema na quarta-feira. A mudança no tom veio depois que Kobane anunciou que suas forças haviam feito uma pausa nas operações contra o Estado Islâmico. 

Os principais aliados do regime sírio, Rússia e Irã, também disseram a Ancara para recuar. Mas ainda não está claro se Ancara atenderá a essas chamadas em meio a relatos de que deu ordens a seus aliados rebeldes sunitas na Síria para se prepararem para um novo conflito. 

“Acho que Erdogan foi longe demais para recuar neste ponto”, argumentou Balanche. “O fato de que nada de muito está acontecendo agora [no caminho dos ataques] significa que ele está preparando a ofensiva. Ele quer algo e está inclinado a consegui-lo”. 

Amberin Zaman 

Fonte: International oil assets reported hit as Turkey strikes Syria’s Kurdish zone – Al-Monitor: Independent, trusted coverage of the Middle East  

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer