Últimas notícias

Turquia não consegue provar existência de acordo que justifique presença de tropas no Iraque

Turquia não consegue provar existência de acordo que justifique presença de tropas no Iraque
setembro 04
20:55 2022

Apesar das alegações de Ancara de que tem um acordo com Bagdá para justificar a presença de tropas turcas em território iraquiano, o governo do Presidente Recep Tayyip Erdoğan até agora não forneceu uma cópia de tal acordo que refutaria as acusações feitas por oficiais iraquianos. 

“Não há nenhum acordo de segurança entre o Iraque e a Turquia que permita uma incursão no Iraque pelas forças turcas para perseguir o PKK [Partido dos Trabalhadores do Curdistão, listado como grupo terrorista pela Turquia e grande parte da comunidade internacional]”, disse o Ministro das Relações Exteriores do Iraque, Fuad Mohammad Hussein, em discurso ao Conselho de Segurança da ONU em 26 de julho de 2022. 

“No entanto, a Turquia é inflexível na existência de tal acordo”, acrescentou ele em uma reunião de emergência convocada em Nova York a pedido do Iraque, contra o pano de fundo do bombardeio de morteiros na aldeia de Barakh, localizada no distrito de Zakho, na província de Dohuk, que resultou na perda de nove vidas civis e no ferimento de outras 33 em 20 de julho de 2022. 

O Iraque acusou a Turquia do bombardeio, enquanto a Turquia negou a alegação e, em vez disso, culpou o PKK. O PKK negou a responsabilidade, dizendo que não tem presença na área e apontou o dedo para a Turquia. 

De acordo com as descobertas da ONU, cinco rondas de artilharia atingiram o resort Parkha, um destino turístico bem conhecido, quando ele estava lotado de visitantes. A primeira ronda atingiu uma encosta despovoada com vista para o resort, enquanto o resto atingiu o centro do complexo. Entre os mortos estavam três crianças, uma das quais era uma criança de 1 ano de idade chamada Zahrah Durgham Muhammad. 

O Iraque encaminhou o assunto ao Conselho de Segurança da ONU em um arquivo urgente em 22 de julho de 2022 e pediu ao conselho que “use todos os meios disponíveis para garantir que a Turquia seja obrigada a retirar, sem demora, as tropas turcas do território iraquiano para a fronteira internacional reconhecida entre os dois países, e que não repita essas violações”. 

Tensões semelhantes entre os dois países irromperam em dezembro de 2015 com o envio pela Turquia de um batalhão e dezenas de tanques para Bashiqa, oficialmente chamado Gedu, uma base perto da cidade iraquiana de Mosul. 

Bagdá exigiu a retirada imediata das tropas turcas, com o governo federal ameaçando ir ao Conselho de Segurança da ONU com uma queixa formal se a Turquia não retirasse suas tropas. As autoridades turcas minimizaram a natureza da mobilização das tropas após o tumulto do lado iraquiano, chamando a mobilização de uma rotação rotineira das tropas. 

Então, o Primeiro-Ministro turco Ahmet Davutoğlu disse que as forças turcas tinham criado acampamento perto de Mosul quase um ano antes, em coordenação com as autoridades iraquianas. Mas nenhum detalhe ou cópia de tal acordo foi divulgado ao público, reforçando a afirmação de Bagdá de que, de fato, nunca houve tal acordo. O presidente turco Erdoğan disse na ocasião que estava fora de questão que as tropas fossem totalmente retiradas do Iraque. 

Entretanto, para dissipar as preocupações do Iraque e aliviar a pressão global sobre a Turquia, Ancara acabou decidindo “reorganizar” seu pessoal militar no campo de Bashiqa depois que o subsecretário do Ministério das Relações Exteriores turco Feridun Sinirlioğlu e a Organização Nacional de Inteligência (MİT) o subsecretário Hakan Fidan visitou Bagdá para conversações. 

As autoridades turcas nunca explicaram o que a reorganização das tropas envolveria, mas aparentemente foi feito um acordo em Bagdá para retirar os tanques da base. Após uma amarga disputa de uma semana com Bagdá, a Turquia teria retirado parcialmente algumas de suas tropas do campo perto de Mosul e as reposicionou perto da fronteira entre a Turquia e o Iraque. 

No entanto, o Nordic Monitor revelou em 2020 que a reorganização das tropas e a retirada dos tanques nunca ocorreu. Ao invés disso, a Turquia encenou uma falsa retirada dos tanques para aliviar as tensões. A revelação foi feita numa audiência judicial turca em julho de 2017 pelo tenente Murat Aletirik do Comando das Forças Especiais, que foi destacado para a região do Curdistão iraquiano. 

“Uma retirada falsa foi executada após reações do governo iraquiano e de outros países após a abertura da base Bashiqa [perto de Mosul]”, disse ele, acrescentando: “Neste contexto, um tubo parecido com uma pistola de tanque foi preso a um caminhão para fazê-lo parecer um tanque real e coberto com uma lona. Foi então rebocado por caminhões militares”. 

De acordo com um documento militar turco classificado que mostra a presença do exército turco no norte do Iraque em 12 de julho de 2016, havia 1.151 soldados de várias unidades de força, incluindo quatro batalhões do Comando das Forças Especiais de elite – 36 tanques e cerca de duas dúzias de porta-aviões blindados de pessoal e veículos blindados de combate no total. Somente em Bashiqa a Turquia manteve 739 tropas, incluindo 42 oficiais e 18 oficiais não-comissionados. A base foi equipada com 18 tanques, quatro canhões de artilharia de 155 mm, uma unidade de radar e outros equipamentos militares. Um adicional de 25 tanques e 116 tropas estavam em alerta e prontos para serem transportados para o norte do Iraque. 

A Turquia expandiu sua presença de tropas desde 2016 e acrescentou mais postos avançados no norte do Iraque, enquanto a agência de inteligência turca MIT intensificou suas operações clandestinas, especialmente o assassinato de líderes seniores do PKK em ataques com drones. De acordo com um relatório apresentado ao Parlamento iraquiano pelo Ministério da Defesa, a Turquia tem atualmente mais de 4.000 tropas no Iraque e uma presença estabelecida a 105 quilômetros em território iraquiano. 

O mesmo relatório observou que a Turquia tem mais de 100 postos avançados na região do Curdistão, bem como ao longo da fronteira turco-iraquistanesa. O Ministério da Defesa iraquiano também concluiu que o bombardeio do resort teve origem em uma base do exército turco localizada na Turquia, perto da fronteira com o Iraque. 

De acordo com relatórios apresentados à ONU pelas autoridades iraquianas, a Turquia cometeu um total de 22.742 violações contra a soberania, a segurança e a integridade territorial do Iraque desde 2018. As autoridades iraquianas também declararam que coletaram provas do local do recente ataque ao resort que incluíam estilhaços de artilharia de calibre 155 milímetros, que são os mesmos usados pelo exército turco na área ao redor do resort. 

Bagdá acusa a Turquia de exportar seu próprio problema curdo doméstico para o Iraque e usar o PKK para justificar o que descreve como a presença ilegal de tropas turcas em território iraquiano. Também condenou a resolução adotada pelo Parlamento turco em outubro de 2021 para estender a presença das forças turcas no Iraque por mais dois anos. 

Na reunião do Conselho de Segurança da ONU, o ministro iraquiano das relações exteriores observou ainda que a Turquia alega falsamente que existe um acordo com o Iraque que permitiria uma presença militar turca no país quando, de fato, não existe tal acordo. 

Em sua defesa, a Turquia alega que o governo iraquiano não pode exercer a soberania efetiva sobre certas partes de seu território no Norte, permitindo que os militantes do PKK controlem uma área de pelo menos 10.000 quilômetros quadrados no Iraque. Diz-se que quase 800 vilarejos foram evacuados à força pelo PKK e que todos eles se tornaram refúgios seguros para os terroristas. 

Fonte: Turkey fails to prove existence of an agreement that justifies troop presence in Iraq – Nordic Monitor  

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer