Últimas notícias

Procurador busca fim do julgamento do assassinato de Khashoggi na Turquia

Procurador busca fim do julgamento do assassinato de Khashoggi na Turquia
março 31
20:03 2022

O promotor turco no caso contra 26 cidadãos sauditas acusados no assassinato do colunista do Washington Post Jamal Khashoggi fez um pedido surpresa na quinta-feira para que seu julgamento à revelia fosse suspenso e o caso transferido para a Arábia Saudita, levantando receios de um possível encobrimento. 

O painel de juízes não se pronunciou sobre o pedido do promotor, mas disse que seria enviada uma carta ao Ministério da Justiça da Turquia solicitando seu parecer sobre a possível transferência do processo para as autoridades judiciais sauditas, informou a Agência Anadolu, administrada pelo Estado. O julgamento foi suspenso até 7 de abril. 

O desenvolvimento vem à medida que a Turquia tenta normalizar sua relação com a Arábia Saudita, que atingiu o nível mais baixo de todos os tempos após o terrível assassinato de Khashoggi em outubro de 2018. O Ministro das Relações Exteriores turco Mevlut Cavusoglu disse em uma entrevista na quinta-feira que as autoridades sauditas foram mais cooperantes em questões judiciais com a Turquia, mas não elaboraram. 

Ao defender a transferência, o promotor disse ao tribunal que o Ministério Público saudita solicitou que o processo turco fosse transferido para o reino em carta datada de 13 de março, e que os mandados internacionais emitidos por Ancara contra os réus fossem levantados, de acordo com a agência privada de notícias DHA. 

O promotor disse que, como os mandados de prisão não podem ser executados e as declarações de defesa não podem ser tomadas, o caso permaneceria inconclusivo na Turquia. 

A Anistia Internacional instou a Turquia a prosseguir com o julgamento, dizendo que se for transferida para a Arábia Saudita, a Turquia “enviará o caso, consciente e voluntariamente, para um local onde será encoberto”. 

A transferência do julgamento de Khashoggi para a Arábia Saudita proporcionaria uma solução diplomática para uma disputa que representou os problemas mais amplos entre Ancara e o reino desde a primavera árabe de 2011. 

A Turquia sob Erdogan apoiou os islamistas enquanto as revoltas se instalavam, enquanto a Arábia Saudita e seu aliado, os Emirados Árabes Unidos, por medo de enfrentar desafios a seus governos autocráticos, procuraram reprimir tais movimentos. Enquanto isso, a Turquia tomou o partido do Qatar em uma disputa diplomática que viu Doha ser boicotada pelo Bahrein, Egito, Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos. 

Desde então – o presidente Donald Trump perdeu as eleições de 2020, os Estados Árabes do Golfo puseram de lado – mas não resolveram completamente – a disputa do Catar. Enquanto isso, a Turquia sob Erdogan enfrentou uma rápida desvalorização de sua moeda lira por causa de sua recusa em aumentar as taxas de juros. O comércio bilateral para o reino e para os Emirados Árabes Unidos, um importante ponto de transbordo para a economia mundial, também entrou em colapso. 

Desde o início de 2022, Erdogan tem procurado melhorar esses laços, inclusive fazendo sua primeira visita aos EAU em quase uma década. A Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos, depois de lutar contra os efeitos econômicos da pandemia do coronavírus, enfrentando uma guerra de desgaste no Iêmen e lutando com as tensões renovadas com o Irã, também querem resolver a disputa pendente. 

Khashoggi desapareceu em 2 de outubro de 2018, após entrar no consulado saudita em Istambul, buscando documentos que lhe permitissem casar-se com Hatice Cengiz, um cidadão turco que estava esperando do lado de fora do prédio. Ele nunca emergiu. 

Autoridades turcas alegam que o cidadão saudita, que residia nos Estados Unidos, foi morto e depois desmembrado com uma serra de ossos dentro do consulado. Seu corpo ainda não foi encontrado. Antes de sua morte, Khashoggi havia escrito criticamente sobre o príncipe herdeiro da Arábia Saudita em colunas para o Washington Post. 

As autoridades turcas disseram que ele foi morto por uma equipe de agentes sauditas. Entre os que foram julgados à revelia estão dois ex-assistentes do príncipe. 

As autoridades sauditas inicialmente ofereceram relatos conflitantes a respeito do assassinato, incluindo alegações de que Khashoggi havia deixado o prédio do consulado ileso. Mas em meio à crescente pressão internacional, eles declararam que a morte de Khashoggi foi um trágico acidente, com a reunião tornando-se inesperadamente violenta. 

A Turquia decidiu julgar os réus in absentia depois que a Arábia Saudita rejeitou as exigências turcas para sua extradição. 

O assassinato havia provocado a condenação internacional e lançado uma nuvem de suspeitas sobre o príncipe herdeiro da Coroa Saudita, Mohammed bin Salman. As agências ocidentais de inteligência, assim como o Congresso dos EUA, disseram que uma operação desta magnitude não poderia ter acontecido sem o seu conhecimento. 

Ao instar a Turquia a prosseguir com o julgamento, a Anistia Internacional disse que Ankara seria cúmplice em um encobrimento se concedesse o pedido saudita de transferência. 

“Se o pedido do promotor for deferido, em vez de processar e lançar luz sobre um assassinato cometido em seu território … A Turquia enviará o caso, consciente e voluntariamente, para um lugar onde será encoberto”, disse Tarik Beyhan, diretor de campanha da Anistia para a Turquia. 

Beyhan disse que não queria “pensar na possibilidade” de que o pedido do promotor pudesse estar relacionado à melhoria dos laços entre Riyadh e Ancara. 

“Direitos humanos básicos … não devem ser objeto de negociações políticas”, disse Beyhan. “Um assassinato não pode ser encoberto para fixar relações”. 

Alguns dos homens foram levados a julgamento em Riyad à porta fechada. Um tribunal saudita emitiu um veredicto final em 2020 que condenou cinco funcionários e operacionais de nível médio a penas de 20 anos de prisão. O tribunal tinha originalmente ordenado a pena de morte, mas reduziu a punição depois que o filho de Khashoggi Salah, que vive na Arábia Saudita, anunciou que ele perdoou os réus. Três outros foram condenados a penas de prisão menores. 

Na quinta-feira, a noiva de Khashoggi, Cengiz, apareceu para criticar o pedido do promotor em um tweet em inglês. “É uma situação exemplar em termos de mostrar o dilema que a humanidade enfrenta na era moderna”, escreveu ela. “Qual dos dois vamos escolher? Querer viver como um ser humano virtuoso ou construir uma vida mantendo os interesses materiais acima de todos os tipos de valores”. 

Ela não respondeu a um pedido de comentário. 

— 

Por SUZAN FRASER, Associated Press 

O escritor de imprensa associado Jon Gambrell contribuiu de Dubai. 

Fonte: Prosecutor seeks end to Khashoggi murder trial in Turkey (msn.com)  

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer