Últimas notícias

Relembrando Alan Kurdi

Relembrando Alan Kurdi
setembro 03
19:26 2020

Em 2 de setembro de 2015, o corpo de um menino foi levado pelo mar à costa de Bodrum, na Turquia. A imagem tornou-se símbolo da crise de refugiados que fugiam da guerra civil da Síria, naquele ano. O menino de três anos, identificado posteriormente como Alan Kurdi, representou a fatalidade devastadora de um dos inúmeros barcos carregados de refugiados sírios que fugiam de sua terra, em perigosa jornada em direção à Europa.

Com origem na cidade de Kobane, norte da Síria, de uma família de curdos sírios, Alan foi forçado a fugir com seus pais e irmãos das ferozes batalhas entre forças curdas e o Estado Islâmico (Daesh), que expandia seu “califado” para além da fronteira Iraque-Síria.

Após atravessar ao território turco, a família Kurdi assentou-se temporariamente no país antes de decidir – como milhões de refugiados sírios que não conseguem encontrar trabalho – continuar sua jornada a uma vida mais estável, na Europa. Afinal, mesmo caso esteja em segurança, o espírito humano precisa de prosperidade.

O pai, Abdullah Kurdi, naquela fatídica manhã, conseguiu embarcar sua família em um pequeno bote na costa de Bodrum, região turística da Turquia, a fim de chegar à ilha grega de Kos. O barco tinha capacidade para apenas oito pessoas, mas uma dúzia de refugiados subiram a bordo, sem qualquer colete salva-vidas ou equipamento devidamente funcional.

Apenas cinco minutos após partir, o barco virou. Alan, seu irmão mais velho e sua mãe se afogaram nas águas do Mar Egeu. O corpo de Alan foi levado pelo mar à costa, o rosto enterrado na areia.

A tenebrosa imagem do pequeno corpo sem vida de Alan, com apenas três anos de idade, o rosto na areia, atordoou a comunidade internacional e atraiu indignação contra a indiferença de governos em todo o mundo. Os estados do Golfo foram criticados por obstruir o caminho dos refugiados e por sequer propor uma infraestrutura adequada para abrigá-los. A Europa foi duramente criticada pela falta de vontade em utilizar seus recursos para ajudar na crise.

O impacto mais significativo da morte de Alan foi efetivamente a mudança de curso da opinião pública, dentro do Ocidente, em relação aos refugiados e ao conflito sírio. Ao invés de imagens de jovens homens capazes derrubando cercas, tão frequentes nos jornais e nas manchetes até então, o público ocidental agora via o verdadeiro rosto da crise internacional dos refugiados – famílias inteiras fugindo da perseguição, mulheres e crianças lutando pela sobrevivência, pais arriscando suas próprias vidas e de seus entes queridos, na esperança de uma vida melhor.

Artista palestino recria na areia a trágica imagem do menino refugiado Alan Kurdi, cujo corpo foi levado pelo mar a uma praia da Turquia

A principal questão deixada, porém, permanece: esta imagem desoladora de Alan de fato decorreu em mudanças políticas significativas, seja ao propor um caminho para o fim da guerra na Síria ou para instituir um plano para ajudar os refugiados do país?

Certamente, houve mudança no que se refere às emoções públicas, após a divulgação da imagem. Um estudo descobriu que o número de doações à campanha para os refugiados sírios, da Cruz Vermelha da Suécia, aumentou em 55 vezes na semana seguinte – de US$3.850 a US$214.300. Este aumento também foi visto, segundo estimativas, em outras iniciativas humanitárias, com maiores doações mensais e surgimento de mais doadores habituais. Seis semanas após o afogamento, no entanto, os números voltaram a cair para cerca de US$6.500, conotando a natureza temporária da resposta humanitária, mesmo perante a uma das piores tragédias humanas.

Também houve mudança na representação de mídia. Jornais começaram a mudar sua retórica diante dos requerentes de asilo, de “imigrantes” que buscam oportunidades econômicas a “refugiados” que fogem da guerra e da perseguição.

Houve ainda notável mudança política das nações ocidentais. Países da União Europeia (UE) prometeram aceitar um certo número de refugiados, conforme suas capacidades, ao longo dos anos seguintes. Contudo, esta mudança favorável evidentemente também implodiu. Alguns países abandonaram seu compromisso; outros, no sul e leste da Europa fecharam suas fronteiras.

Os refugiados viram-se então novamente abandonados em países como Turquia e Líbano, com poucas oportunidades para sobreviver com dignidade; portanto, mantiveram suas tentativas de realizar perigosas jornadas pelo Mar Mediterrâneo, em direção às praias da Europa. Na realidade, o tratamento degradante enfrentado pelos refugiados apenas agravou-se por aqueles que tiveram a chance de ajudar. Ao contrário, autoridades gregas e suas forças de fronteiras decidiram com o tempo implementar políticas para devolver e naufragar barcos, prender e torturar refugiados, além de expulsá-los ou abandoná-los em alto mar.

Segundo dados da agência de refugiados das Nações Unidas, cerca de dois milhões de refugiados e migrantes fizeram a jornada pelo Mediterrâneo, desde 2014. Aproximadamente 20.000 pessoas morreram no percurso.

Possivelmente, a ação mais dramática assumida na busca por justiça para Alan foi a condenação turca de três homens envolvidos em uma rede de tráfico humano responsável pela sua jornada e, portanto, por sua morte. Os réus foram sentenciados a 125 anos de prisão cada, mais cedo, neste ano.

Quanto ao desolado pai de Alan, Abdullah, segundo relatos, reside hoje na cidade Erbil, no Curdistão iraquiano, onde co-administra uma organização intitulada Fundação Kurdi, que trabalha para fornecer ajuda humanitária a crianças nos campos de refugiados. Sua irmã Tima, que reside no Canadá, também coordena a fundação. Não obstante, suas tentativas de alocar Abdullah em território canadense permanecem sem êxito.

Cinco anos depois, muito pouco mudou desde a trágica morte de Alan Kurdi.

Fonte: https://www.monitordooriente.com/20200902-relembrando-alan-kurdi/

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer