Últimas notícias
  • SADAT, “Exército paralelo” de Erdoğan, pode assassinar dissidentes O notório chefe da máfia turca, Sedat Peker, alegou em uma série de tweets que a SADAT, um grupo paramilitar ligado ao Presidente Recep Tayyip Erdoğan, poderia possivelmente realizar assassinatos de dissidentes que vivem na Turquia e no exterior num futuro próximo, noticiou a mídia local. ...
  • Deputado pede a libertação de paciente com câncer terminal Um deputado do Partido Democrata Popular (HDP), pró-curdo, pediu a libertação imediata de Ayşe Özdoğan, uma mulher criticamente doente que sofre de uma forma rara de câncer e foi enviada para a prisão para cumprir uma sentença de condenação por vínculos com o movimento Hizmet no início deste mês, informou a mídia local. ...
  • Outro Dia, Outro Expurgo no Banco Central da Turquia As cabeças estão rolando no banco central da Turquia, desta vez por não baixar as taxas de juros agressivamente o suficiente. Cortes mais profundos provavelmente virão, talvez logo na próxima semana. Este é um jogo perigoso quando a maior parte do mundo está se movendo na direção oposta. É improvável que uma moeda já maltratada se saia bem, e qualquer fragmento de credibilidade que a política monetária tenha deixado neste icônico mercado emergente será corroído. ...
  • O advogado do Twitter na Turquia tuita discurso de ódio contra o movimento Hizmet O advogado Gönenç Gürkaynak, que representa o Twitter na Turquia, usou de discurso de ódio contra apoiadores do movimento Hizmet numa série de tweets no sábado, perguntando se consideravam exterminar-se a si próprios, informou na segunda-feira o Stockholm Center for Freedom. ...
  • O Alto Custo de uma Turquia Imprevisível Faltando vinte meses para as eleições legislativas e presidenciais na Turquia, o debate político será feroz. O Ocidente poderá optar por não ver a sua relação com Ancara deteriorar-se ainda mais.  ...
  • Lançada investigação sobre assassinatos políticos antes das eleições de 2023 Um promotor turco iniciou uma investigação sobre as reivindicações, recentemente manifestadas por altas figuras da oposição, de que os assassinatos políticos podem ocorrer na Turquia à medida que as eleições de 2023 se aproximam, informou a mídia local na quarta-feira. ...
  • AKP e MHP rejeitam moção para investigar os atentados de 2015 em Ancara  Partido da Justiça e Desenvolvimento da Turquia (AKP) e seu aliado, o Partido do Movimento Nacionalista (MHP), rejeitaram uma moção parlamentar para investigar o ataque terrorista mais mortal da história da Turquia, que custou a vida de mais de 100 pessoas em Ancara em 2015, noticiaram os meios de comunicação turcos. ...
  • Turquia registra 30.563 novos casos de COVID-19, o maior desde 30 de abril A Turquia registrou 30.563 novos casos de COVID-19 na segunda-feira, o maior número de infecções diárias desde 30 de abril, os dados do Ministério da Saúde mostraram. ...
  • Fugindo do Talibã: A luta de um policial afegão para entrar na Turquia Com a crescente preocupação com uma crise humanitária no Afeganistão, as autoridades da Turquia intensificaram a segurança em suas fronteiras e advertiram que não aceitarão um afluxo de migrantes e refugiados afegãos. ...
  • Iraque prende chefe financeiro do ISIL procurado pelos EUA na Turquia O Iraque capturou Sami Jasim al-Jaburi, o suposto chefe financeiro do Estado islâmico no Iraque e no Levante (ISIL) que era procurado pelos Estados Unidos, em uma operação no exterior, informou na segunda-feira a Agence France-Presse, citando as autoridades iraquianas. ...

Sírios deslocados para fora de Istambul e para fora da Turquia. São mesmo regressos voluntários?

Sírios deslocados para fora de Istambul e para fora da Turquia. São mesmo regressos voluntários?
janeiro 07
11:23 2020

Os sírios que não se registaram na cidade de Istambul como requerentes de asilo estão a enfrentar deslocações forçadas para fora da cidade. Em novembro saíram mais de 6.000 pessoas e este fim de semana quase 100 mil. Outros casos são ainda mais graves: há sírios que estão a ser obrigados a regressar a um país instável e violento, denunciam as organizações não-governamentais


O modelo de redistribuição demográfica não é novo nem é segredo. Cerca de 97 mil refugiados sírios não registados junto das autoridades locais foram retirados da cidade de Istambul com direção a parte incerta – decisão que está a ser fortemente contestada pelas organizações de ajuda humanitária e de direitos humanos.

Quem confirmou os números foi o governador da cidade, Ali Yerlikaya, citado pela agência turca de notícias Anadolu. Já em novembro mais de seis mil pessoas foram recolocadas noutros sítios na periferia da cidade. Esta medida visa enviar os sírios para as cidades onde primeiramente se registaram ao chegarem ao país e pode forçar a deslocação de quase 300 mil pessoas. Alguns foram levados para campos de refugiados fora da cidade mas há suspeitas de que outros estejam a ser deslocalizados para zonas mais perigosas, incluindo zonas de conflito na fronteira ou mesmo na própria Síria. Yerlikaya adiantou também que, em 2019, outros 37.582 “migrantes irregulares” tinham sido retirados da cidade.

Desde julho do ano passado que os migrantes estão a ser retirados da cidade porque a pressão dos moradores sobre a classe política tornou-se demasiado pesada. Segundo Ali Yerlikaya, estas pessoas estão a ser enviadas para campos de refugiados mas Gerry Simpson, subdiretor da divisão de Crise e Conflito da Human Rights Watch, acredita que alguns sírios estão a regressar ao seu país sem terem pedido para o fazer.

É possível aos refugiados sírios pedirem o repatriamento voluntário mas esse não parece ser o desejo da maioria. Depois de entrevistar duas dezenas de sírios deslocados, Simpson descreveu várias situações de maus-tratos por parte das autoridades de forma a forçarem estas pessoas a assinar declarações de remoção voluntária. “Fui deportado com cerca de 35 sírios num autocarro grande. Algemaram-nos e bateram-nos com cassetetes quando alguns pediram para ir à casa de banho ou buscar água. Todos conversamos uns com o outros e ninguém queria voltar para a Síria”, é dos relatos recolhidos pelo responsável da Human Rights Watch.

Em outubro, a Amnistia Internacional denunciou outros 20 casos de sírios entregues às autoridades sírias na fronteira entre a Turquia e a Síria, especialmente na região de Idlib, onde está concentrada a última força de oposição a Bashar al-Assad (presidente da Síria) e que por isso é permanentemente bombardeada por forças sírias e russas, aliadas de al-Assad. Idlib não é, sob nenhuma definição, um local para o qual se possam enviar pessoas devido ao risco existente para as suas vidas.

O governo continua a negar que estes movimentos possam ser classificados como repatriações forçadas. No final de julho, o ministro do Interior da Turquia, Süleyman Soylu, negou que a Turquia “deportasse” sírios. “Qualquer pessoa que voluntariamente queira voltar para a Síria pode assinar formulários de devolução voluntária, permitindo que retornem a áreas seguras”, disse. Quais são as áreas seguras de um país acusado de prender e torturar todos os que regressam sob suspeita de terem feito parte dos rebeldes, não especificou.

Um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Turquia, igualmente citado no documento da Human Rights Watch, disse no final de outubro que as alegações de que os sírios foram deportados e abusados ​​eram “falsas e imaginárias” e que a Turquia está “a implantar cuidadosamente a sua política de ‘não repulsão’ ou refoulement (referindo-se à proibição internacional de retornar alguém a um lugar onde enfrentariam um risco real de perseguição, tortura ou outros maus-tratos ou ameaça à vida) “.

A 24 de setembro, o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, disse à Assembleia Geral da ONU que a Turquia estava a pensar em estabelecer uma zona segura em territórios anteriormente mantidos pela Administração Autónoma liderada pelos curdos no nordeste da Síria, para a qual entre um a dois milhões de refugiados sírios poderiam ser devolvidos. Estas zonas tinham sido, de facto, quase santuários para quem fugiu, durante mais de meia década, da guerra mais a sul mas em outubro de 2019, Erdogan invadiu território que os curdos consideram seu e criou uma “faixa” a que chamou “zona de segurança” para evitar que as milícias curdas penetrem em solo turco e conduzam ataques terroristas pela independência de um Estado curdo. Essa também já não é uma “zona segura” para onde seja legal ou moralmente justificável enviar pessoas.

Fonte: https://expresso.pt/internacional/2020-01-06-Sirios-deslocados-para-fora-de-Istambul-e-para-fora-da-Turquia.-Sao-mesmo-regressos-voluntarios-

Artigos relacionados

0 Comentários

Nenhum comentário ainda!

Não há comentários no momento, gostaria de adicionar um?

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

Mailer